domingo, 30 de novembro de 2008

Teologia da Libertação

Teologia da Libertação.
A busca da libertação é um dos caminhos sublimes, que nos foi ensinado por Jesus e só o encontra aquele que o busca. No final do 2º milênio tivemos grandes teólogos defendendo a Teologia da Libertação, mas quase todos a confundiram com a ideologia marxista e ai se complicaram, pois o marxismo defendia o ateísmo. Esses teólogos só viram a TL dentro de uma visão exotérica e não esotérica.
A libertação possui a sua base e defesa no Evangelho. Veja e analise esses ensinamentos: “Se permanecerdes na minha palavra, sereis verdadeiramente meus discípulos e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. Quando vier o Espírito da Verdade, ele vos conduzirá à verdade plena” (Jo 8,32; 10,10 e 16,13). “Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus” (Mt 5,8).
Jesus veio nos ensinar o caminho do nosso aperfeiçoamento (Mt 5,48), só falamos do que sabemos e damos testemunho do que vimos (Jo 3,11). Os defensores da TL ficaram iludidos com o comunismo ateu e não entenderam que vieram para servir a todos e não para serem servidos por alguns bajuladores.
Só consegui compreender essa teologia, quando conheci a Codificação de Kardec e já tinha os meus 35 anos.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 22/11/2008.

Jornal O TEMPO - 28/11/2008

213 – Trigueirinho - publicado em 28/11/2008.

Respeito a forma de pensar do colunista Trigueirinho, mas o que ele comenta no artigo: “Obstáculos à realização superior: sexo, sexo, sexo” (Opinião 23/11) fica parecendo ser de um teólogo católico da Idade Média.

O escritor fala do sexo apenas como um meio para continuação da espécie e defende a energia sexual apenas como fonte de reprodução. Onde fica o sentimento profundo, belo e fiel do amor entre um casal? Está escrito: “Ele (Jesus) respondeu: ‘Não lestes que desde o princípio o Criador os fez homem e mulher? E que disse: Por isso o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher e os dois serão uma só carne? De modo que já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não deve separar.’ ” (Mt 19,4 a 6).

Então, o que prejudica a realização superior é o sexo polígamo, adúltero, irresponsável e libertino, e não o sexo fiel, amoroso e respeitoso. Aqui também tem que separar o trigo do joio. Está escrito que Jesus também condenou a traição ou o adultério até pelo pensamento (Mt 5, 28). Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 23/11/2008.

Teologia da Libertação

A Teologia da Libertação tem como base os ensinamentos evoluídos do Evangelho de Jesus, pois cada ser humano sempre deseja a liberdade e agir como um ser completamente livre.
E está escrito: "Conhecereis a verade e a verdade vos libertará" (João 8,32).

165 - Teologia da Libertação - publicado em 27/02/2007.
Parabéns ao teólogo J. B. Libânio pelo artigo: “Perspectivas históricas” (Opinião 25/02). É muito bom ler os artigos deste teólogo, que é um pensador cristão e liberal e que também foi um dos defensores da Teologia da Libertação. Esta foi um dos bons frutos do Concílio do Vaticano II, mas que foi considerada como heresia por membros ultraconservadores da Igreja Católica, que já dominaram quase toda a sua cúpula hierárquica. Estes, após a morte do papa Paulo VI, conseguiram tirar todos os defensores da T. L. de posições de destaque dentro da ICAR no Brasil. Esqueceram que Jesus ensinou: “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10,10).
Precisamos de líderes responsáveis, que constroem povos livres, e não líderes populistas, que enganam aos seus eleitores com migalhas do PIB. Os líderes, inclusive os religiosos, da América Latina têm que assumirem a responsabilidade de darem vida e liberdade aos seus povos e não ficarem aumentando seus patrimônios privados e fazendo aquilo, que ajuda aos banqueiros e aos povos dos países do primeiro mundo, pois depositam lá os “reais”, que são frutos de seus atos ilegais ou corruptos.
Os principais e brilhantes pensadores europeus entenderam, após o fim da 2ª Grande Guerra, que a proteção deles contra o comunismo ateu não podia ficar sob o controle dos norte-americanos, mas teria que ser da união de todos os países do Leste Europeu. Eles idealizaram a União Européia e até uma circulação de uma moeda única, mas sabiam das dificuldades futuras e não desistiram. Hoje a U.E. e o Euro, meio século depois, são realidades presentes e de sucesso.
Eis ai o caminho do sucesso para os povos da América Latina: a união de todos para o bem de todos. Temos de deixar de sermos meros exportadores de matérias primas, que enriquecem cada vez mais àqueles, que já levaram o ouro e muitas outras preciosidades do solo da América do Sul para subvencionar vidas de reis e príncipes, e guerras fratricidas, que nunca dão vidas dignas a ninguém. Rosário Américo de Resende. B.Hte. 25/02/2007.

173 - Teologia da Libertação - publicado em 23/05/2007.
O papa Bento XVI, ainda como o cardeal Joseph Ratzinger, foi o conselheiro do papa João Paulo II para a condenação da Teologia da Libertação como uma das heresias dos tempos modernos.
Esta condenação foi fruto de mentes brilhantes, que confundiram a T.L. como uma das obras do marxismo ateu. Este, sim, foi uma das obras das trevas, que surgiram no século XX, pois, apesar de usurpar o nome de comunismo do cristianismo nascente, foi um dos sistemas de governo mais totalitário de todas as épocas. Os regimes comunistas só permaneceram ativos em vários países e por muitos anos, porque seus defensores não davam nenhum valor à vida e, após conquistarem o poder pelo uso das armas, matavam todos os que lhes eram contrários. Os agentes comunistas tinham o seguinte lema: “Matar para não morrer” ou “Matar ou morrer”, pois tinham que tomar dos outros aquilo que eles não tinham, até o poder. Este processo colocava as pessoas em estado de completa irracionalidade para com os princípios do Evangelho.
A Teologia da Libertação tem suas bases nos ensinamentos mais puros e elevados de Jesus, como: “Não te admires de eu te haver tido: deveis nascer do alto. Em verdade, em verdade, te digo: falamos do que sabemos e damos testemunho do que vimos” (João 3,7 e 11). “Nem eu te condeno. Vai, e de agora e, diante, não peques mais” (João 8,11). “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João 8,32). “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. Eu sou o bom pastor: o bom pastor dá sua vida pelas suas ovelhas” (João 10,10 e 11). “Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra e os puros de coração porque verão a Deus” (Mateus 5, 4 e 8).
Quem condenou a T.L. como heresia teve uma visão exotérica do assunto e quem a defende já possui uma visão esotérica da mesma, pois é realmente uma teologia de libertação e não de castração. E ninguém consegue toda esta libertação interior se não nascer de novo.
Rosário Américo de Resende. Belo Horizonte, 12/05/2007.

177 - Teologia da Libertação - publicado em 16/07/2007.
A Teologia da Libertação, que foi condenada como heresia pelo cardeal Joseph Ratzinger e agora o papa Bento XVI, é a base fundamental dos ensinamentos de Jesus: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” e “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (João 8,32 e 10,10).
Todos os seres humanos estão em busca da verdade e da paz, mas para conseguirmos estes objetivos temos que conquistar a sabedoria e a perfeição: “Portanto, deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48). E assim vamos compreendendo cada vez mais quem somos nós e quem é Deus. Deus quer o bem de todos. Durante séculos e até milênios os teólogos e exegetas bíblicos ensinaram que a Bíblia era a palavra de Deus e que tudo na Bíblia tinha a aprovação de Deus. Estes esqueceram e ainda esquecem que Deus respeita plenamente a liberdade de todos e assim temos toda a liberdade de agir ou não agir.
A condenação da TL como heresia, foi fruto de mentes brilhantes, que a confundiram com as teorias do marxismo ateu. Este sim foi um trabalho das trevas, pois fez tudo ao contrário dos ensinamentos libertadores do Cristo.
Quem condenou a T.L. como heresia teve uma visão exotérica do assunto e quem a defende já possui uma visão esotérica da mesma, pois é realmente uma teologia de libertação e não de castração. E ninguém consegue toda esta libertação interior se não nascer de novo e assim estaremos em condições de trabalhar para que haja um só pastor e um só rebanho. E para este trabalho não podemos impor as nossas crenças às crenças dos outros e dizer que só nós estamos corretos, enquanto os outros estão errados, como está fazendo o papa Bento XVI.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 11/07/2007.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

BÍBLIA

A Bíblia é o livro sagrado para judeus e cristãos.

9 - Futuro de Seita Poligâmica - Publicado em 25/09/2002.
No dia 21/09/2002 li no jornal “O Tempo” o artigo “Morte de líder ameaça futuro de seita poligâmica”. A reportagem fala da morte de Rulon T. Jeffs, 93 anos, presidente da Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e da escolha do novo profeta. É de espantar como um grupo religioso utiliza-se do nome de Jesus e nega o essencial para a conquista da perfeição, pois ensina o contrário daquilo que o Mestre Jesus ensinou. Essa Igreja defende a poligamia e o politeísmo, como está escrito em “O Tempo”, então é dirigida por um falso profeta como está escrito: “Pois hão de surgir falsos Cristos e falsos profetas, que apresentarão grandes sinais e prodígios de modo a enganar, se possível, até mesmo aos eleitos. Eis que eu vo-lo predisse” (Mt 24, 24 e 25). Os verdadeiros discípulos de Jesus são os eleitos e estes são pombas e serpentes ao mesmo tempo, pois aprenderam com o Mestre Jesus: “Eis que eu vos envio como ovelhas entre lobos. Por isso, sede prudentes como as serpentes e sem malícia como as pombas” (Mt 10,16).
A doutrina de Jesus é baseada no regime de casamento monogâmico e exige a fidelidade plena até pelo pensamento (Mt 5,27). O adultério e o divórcio são duas chagas que sempre andaram de mãos dadas, que prejudicaram e prejudicam em muito a evolução de cada indivíduo e da sociedade. O ser humano sempre procura e encontra justificativas, e, as melhores possíveis, para todos os seus atos, até para aqueles mais negativos e vis. Isso também pode ser visto na própria Bíblia Sagrada, pois até o grande legislador e profeta Moisés permitiu o divórcio (Dt 24,1). Em Êxodo 20,14 e Deuteronômio 5,18, temos o mandamento: “Não cometerás adultério”.
Em Mateus 14,3 a 12; Marcos 6,17 a 29 e Lucas 3,19 a 20, vemos a prisão e também a condenação à morte pela decapitação do profeta João Batista porque ele condenou publicamente a atitude de Herodes por ter tomado por sua mulher Herodíades, que era a mulher do seu irmão Felipe.
Jesus explica a posição tomada por Moisés, mostrando claramente o porquê dela e o negativismo que envolvia tal atitude: “Ele disse: “Moisés, por causa da dureza dos vossos corações...” (Mt 19,8 e 9). Em muitos outros trechos bíblicos pode-se ver ainda a condenação do adultério e do divórcio.
Veja que os ensinamentos foram passados e sempre estão sendo revisados. Cada um é o principal responsável pela sua própria salvação. Deus possui amor, compreensão e sabedoria em plenitude, e quer que todos nós conquistemos também tudo aquilo que Ele tem, sendo então o que Ele realmente é (Mt 5,48).
Ele, Deus, sempre enviou e envia os seus mensageiros para ensinar a humanidade, cada grupo por sua vez escolhe o caminho que mais lhe agrada e ainda defende, com unhas e dentes, que os outros ensinamentos são antiquados e atrasados, justificando primeiro para si mesmo e depois para os outros, que é necessário reformar as leis e os costumes. Veja que hoje, em quase todos os países já existem as leis civis do divórcio e em muitos da poligamia. O ser humano só vê aquilo que lhe interessa e lhe é mais útil no momento, isso é uma forma de egoísmo. Existem homens, que no campo do sexo, agem piores do que os animais, pois desejam apenas o prazer do ato sexual e não importam com o sentimento feminino. Estes homens tudo fazem para justificar as suas condições animalescas, traidoras, adúlteras e infiéis. Eles legalizam a poligamia e o divórcio, porque já são adúlteros e infiéis. Caso estes sejam líderes religiosos então são realmente falso pastores e enganadores. RAR. Belo Horizonte, 24/09/2002

15 - ABSTINÊNCIA SEXUAL (“NÃO ADULTERARÁS”) - Publicado em 07/11/2002
Parabenizo ao jornal O TEMPO pelo fantástico artigo “Miss América faz defesa da Abstinência sexual” de 02/11/2002. Estendo também o meu elogio à jovem Erika Harold de 22 anos, que foi coroada Miss América e assumiu sua corajosa posição a favor da abstinência sexual. A maior segurança para evitar as “doenças sexualmente transmissíveis” é a abstinência sexual antes do casamento e depois a fidelidade plena do casal monogânico. Na fidelidade também está o segredo da grande felicidade, harmonia e perpetuação do casamento.
Quem sempre foi fiel confia mais no outro e nunca sentirá remorso ou pesadelo dos atos adúlteros, temendo que o outro venha a saber de atos traiçoeiros. Quem é fiel não necessita de preservativos, que transforma o ato sexual num gesto quase animalesco, deixando em segundo plano o amor, compreensão, doação e fidelidade. Não podemos confundir liberdade e amor com anarquia, libertinagem e irresponsabilidade.
Na Bíblia também se condena o adultério e o divórcio, duas chagas que sempre andaram de mãos dadas, que prejudicaram e prejudicam em muito a evolução de cada indivíduo e da sociedade, mas o ser humano sempre procura e encontra justificativas, e, as melhores possíveis, para todos os seus atos, até para aqueles mais negativos e vis. Isso também pode ser visto na própria Bíblia Sagrada, pois até o grande legislador e profeta Moisés permitiu o divórcio como está escrito na Bíblia (Dt 24,1). Em Mateus 5,27 e 28 temos a condenação do adultério até pelo pensamento. Em Êxodo 20,14 e Deuteronômio 5,18, temos o mandamento: “Não cometerás adultério”.
Jesus explica a posição tomada por Moisés, mostrando claramente o porquê dela e o negativismo que envolvia tal atitude: “Ele disse: “Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres, mas desde o princípio não era assim. E eu vos digo que todo aquele que repudiar a sua mulher e desposar outra, comete adultério”” (Mt 19,8 e 9).
Veja que os ensinamentos foram passados e sempre estão sendo revisados. Cada um é o primeiro e principal responsável pela sua própria evolução. Conhece-se a árvore pelos seus frutos e a boca fala daquilo que está cheio o coração. Deus possui amor, compreensão e sabedoria em plenitude, e quer que todos nós conquistemos também tudo aquilo que Ele tem, sendo então o que Ele realmente é. Para nos aproximarmos da Divindade ou termos condições de receber a vibração da presença da Divindade ou de Deus Pai-Mãe é necessário termos puros o coração. O Pai nos ama intensamente, por isso Ele nos dá toda a liberdade de ação e nos compreende com muito amor.
O homem só vê aquilo que lhe interessa e lhe é mais útil no momento, e, isso é uma forma de egoísmo. Qualquer tipo de separação é contrário à vivência da PAZ PLENA, do AMOR PERFEITO e à conquista da plenitude da perfeição. A abstinência sexual antes do casamento e a fidelidade plena depois são as maiores seguranças contra a AIDS. RAR, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 05/11/2002.

19 - SEITAS SATÂNICAS - Publicado em 24/12/2002.
Gostei muito do artigo “Seitas Satânicas” do ocultista Guilherme Caedalara publicado no dia 08/12/2002. As explicações sobre a magia foram bem esclarecedoras. Para mim Jesus foi realmente o maior mago branco que já viveu na terra.
A Bíblia Sagrada é uma fonte inesgotável de ensinamentos sobre a magia e de sabedoria. A Bíblia sempre teve e tem razão, pois nela está tudo muito claro. Os erros, que parecem que estão na Bíblia, não são da Bíblia, mas daqueles que a entenderam e dizem que a entendem. Muitos espertalhões utilizaram e utilizam da Bíblia para enganar e explorar os próprios irmãos. Existem muitos falsos Cristos e falsos profetas que tentarão enganar até aos eleitos (Mt 24,24) e muitos espíritos agiram como ainda agem de uma maneira não correta e nem para o BEM, assumindo ou usurpando o lugar de DEUS. “Aqui é preciso discernimento! Quem é inteligente calcule o número da Besta, pois é um número de homem: seu número é 666!” (Ap 13,18). “Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja, e as portas do Inferno nunca prevalecerão contra ela” (Mt 16,18). Existem muitos falsos profetas que fundam novas igrejas e ainda afirmam que a nova igreja é a verdadeira e é a única Igreja de Jesus. Estes agem de uma forma contrária à própria Bíblia (Mt 24,23 a 25).
A magia tem os seus segredos quase indecifráveis e quando alguém os decifra e não possui a defesa necessária torna-se um alvo fácil para a própria magia. Tudo sobre a magia é envolvente, perigoso e fantástico ao mesmo tempo. O aprendizado e conhecimento dela deve ser de uma forma lenta, segura e constante, pois assim será muito útil e melhor absorvido, e não existirá mais nenhum perigo de sofrer fulminantes ataques das Trevas ou até mesmo a intensa emoção e vibração pela presença da LUZ.
A força e o poder religiosos vêm dos espíritos, pois a crença e a fé neles abrem todas as portas para que os espíritos desencarnados (os mortos) ajudem e somem perfeitamente com os espíritos encarnados (os vivos), passando a existir assim uma perfeita sintonia e sincronicidade entre eles. Aqui está o grande segredo da magia.
Digo que o demônio, como um eterno agente contrário ao Bem, não existe. Existem espíritos perversos encarnados e ou desencarnados, que atuam contrariamente ao amor, à luz e ao bem. A atitude do presidente George W. Bush é favorável ao “eixo do mal” e de acordo com a vontade dos autores da magia negra. Esse presidente não age com amor, sabedoria e perdão, por isso suas ações dificultam todo o trabalho da magia branca. Ele está seguindo os passos do velho Bush na Guerra do Golfo. Cada um colhe aquilo que semeia. Rosário A. de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 08/12/2002.

23 - RELIGIÃO e TELEVISÃO - Publicado em 02/02/2003.
O assunto sobre religião nas TVs, que foi o “Debate do Dia” de 26/01/2003 é digno de ser exposto e analisado em todos os veículos da mídia. Parabéns ao jornal O TEMPO e a todos os participantes.
Cada apresentador de programas religiosos deveria por a mão na consciência e ensinar realmente o que os mestres ensinaram, sobressaindo o Mestre Jesus. Cada pregador deveria viver para a sua religião e não viver da sua religião: “De graça recebestes, de graça daí” (Mt 10,8). Não se pode fazer da religião uma fonte de emprego e de renda.
Em todo o Evangelho não se vê em nenhuma passagem que Jesus pediu dinheiro ao povo para efetuar os atos de amor, caridade, cura, libertação e até quando estava ensinando aos seus seguidores. É incompreensível e inadmissível o que se assiste pelas televisões e se vê nos cultos em quase todos os templos das diversas facções religiosas: “Após bonitas explicações e muita dedicação, que até parecem atos de amor, vem o absurdo final: um enfático pedido de dinheiro, que pode ser depositado em contas bancárias ou colocado nas sacolas de coleta”. Quase todos têm uma atitude descarada e enganosa de dizer que tudo é para Deus, outros ainda, com vileza, ensinam que Deus só ajuda a quem dá dinheiro para a causa d’Ele, mas que fica nas igrejas; isto é: com os pregadores.
Todos esquecem o que Jesus ensinou: “Tirai tudo isso daqui; não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio” (Jo 2,16) e “Está escrito: Minha casa será chamada casa de oração. Vós, porém, fazeis dele um covil de ladrões!” (Mt 21,13). Rosário A. R, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 29/01/2003.

40 - BÍBLIA E SEXO - Publicado em 23/08/2003.
A Bíblia mostra o caminho do nosso aperfeiçoamento, até no aspecto sexual. Siga-o quem quiser pois temos o livre arbítrio. Jesus veio dar pleno cumprimento à Lei e até que passem o céu e a terra, não será omitido um só i, uma só vírgula da Lei. Lei é Lei e Lei é cega (Mt 5,17 a 19). “Portanto, deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48).
Eis o resumo dos ensinamentos bíblicos para a nossa evolução no campo sexual:
“Deus os abençoou e lhes disse: “Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a (Gn 1,28). Por isso um homem deixa seu pai e sua mãe, se une à sua mulher, e eles se tornam uma só carne. Ora, os dois estavam nus, o homem e sua mulher, e não se envergonhavam” (Gn 2,24 e 25).
“Não cometerás adultério. Não cobiçarás a mulher do teu próximo (Dt, 5,18 e 21). Quem tiver coito com um animal será morto (Ex 22,18). Maldito seja aquele que se deita com um animal (Dt 27,21). Não darás o teu leito conjugal à mulher do teu compatriota, para que não te tornes impuro com ela (Lv 18,20). O homem que se deita com outro homem como se fosse uma mulher, ambos cometeram uma abominação deverão morrer, e o seu sangue cairá sobre eles” (Lv 20,13).
Susana gemeu, dizendo: “Estou cercada por todos os lados: se eu fizer isso, aguarda-me a morte; e se eu não o fizer, não escaparei de vossas mãos. Mas é melhor para mim, não o tendo feito, cair em vossas mãos, do que pecar diante do Senhor” (Dn 13,22 e 23).
“Eu, porém, vos digo: todo aquele que olha para uma mulher com desejo libidinoso já cometeu adultério com ela em seu coração, todo aquele que repudia sua mulher, faz com que ela adultere e aquele que se casa com a repudiada comete adultério” (Mt 5,28 e 32). Ele disse: “Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres, mas desde o princípio não era assim. E eu vos digo que todo aquele que repudiar a sua mulher e desposar uma outra, comete adultério” (Mt 19,8 e 9). Com efeito, há eunucos que nasceram assim, desde o ventre materno. E há eunucos que foram feitos eunucos pelos homens. E há eunucos que se fizeram eunucos por causa do Reino dos Céus” (Mt 1912).
Cada um ponha a mão na sua consciência e viva tranquilamente a vida. Colhemos aquilo que plantamos. Temos que estudar e compreender o passado, viver e entender o presente e planejar a construção do futuro. A plena felicidade é fruto da fidelidade e confiança plenas. RAR. B.Hte. 21/08/2003.

41 - BÍBLIA é BÍBLIA - Publicado em 01/09/2003.
Lendo os recentes artigos sobre a Bíblia escritos nos últimos dias em O TEMPO digo que para comentar algo sobre a Bíblia é necessário conhecimento, honestidade, clareza, sabedoria e ter uma mente aberta e lúcida. A Bíblia é uma obra prima da humanidade e é um manual completo de magia, que é plena de segredos. A magia possui os seus segredos quase indecifráveis e quando alguém os decifra e não tem a defesa necessária torna-se um alvo fácil para a própria magia.
Bíblia é uma palavra grega, que não foi traduzida e é o plural de “biblion” (livro) em grego e é o livro sagrado para judeus e cristãos. A Bíblia sempre tem razão e os erros, que parecem que estão nela, não são dela, mas daqueles que não a entenderam e disseram, como ainda dizem que ela é a palavra de Deus. Muitos espertalhões utilizaram e utilizam da Bíblia para enganar e explorar os próprios irmãos. Existem muitos falsos Cristos e profetas que tentaram, tentam e tentarão enganar até aos eleitos (Mt 24,24) e muitos espíritos agiram como ainda agem de uma maneira não correta e nem para o BEM, usurpando o lugar de DEUS. A Bíblia revela toda a verdade. Para entender e compreender a verdade, temos que estudar, pesquisar e perscrutar as Escrituras. Também é necessário nos silenciar para que possamos ouvir e sentir a espiritualidade, neste ato de silêncio podemos até ouvir a Deus. Ninguém é dono de Deus.
A verdade é como uma espada fulminante e flamejante, que assusta e amedronta a qualquer falso profeta ou lobo vestido com peles de ovelhas, e até faz com que os verdadeiros, sábios e humildes discípulos de Jesus se calam, refugiando-se na inexpugnável fortaleza do silêncio. A verdade absoluta é Deus. É Deus mesmo que escolhe e aprova os seus profetas ou representantes e não o ritualismo criado e desenvolvido pelos homens, processo esse que cassa a nossa liberdade de pensar e de amar, anuviando a perfeição divina.
Hoje gosto de falar assim: “Apaga tudo o que aprendeste sobre a Bíblia Sagrada, mas não a jogue fora, guarde-a muito bem mesmo, pois ela é uma fonte inesgotável de ensinamentos e sabedoria”.
RAR. BH, 29/08/2003.

42 - A Bíblia e a Verdade - Publicado em 09/09/2003.
A meta de cada ser criado é a felicidade e para ser feliz é necessário ter vida em abundância (Jo 10,10). Os pilares da felicidade são a fidelidade, confiança, liberdade, sabedoria e a verdade: “e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8,32).
Quem perscruta as Escrituras e tem a mente aberta entenderá que não nos ensinaram a verdade sobre a própria Bíblia. Pode-se ver grandes contrastes nos ensinamentos bíblicos e por causa destes qualquer espertalhão ou lobo vestido com peles de ovelha passa a utilizar dos escritos bíblicos para enganar, dominar e explorar aos próprios irmãos.
Ensinaram-nos que a Bíblia é a palavra de Deus e isso não pode ser verdadeiro, pois Deus é sábio e perfeito em tudo, então nunca poderia agir ou criar algo errado e ou contraditório: “Não matarás” (Ex 20,13) e “Vai, pois, agora, e investe contra Amalec, condena-o ao anátema com tudo o que lhe pertence não tenha piedade dele, mata homens e mulheres, crianças e recém-nascidos, bois e ovelhas, camelos e jumentos” (1Sm 15,3). O perdão irrestrito: “Não te digo até sete, mas até setenta e sete vezes” (Mt 18,22) e “da ira do Cordeiro, pois chegou o Grande Dia da sua ira, e quem poderá ficar de pé?” (Ap 6,16 e 17), como também: “Ele é quem pisa o lagar do vinho do furor da ira de Deus, o Todo-poderoso” (Ap 19,15). “De graça recebestes, de graça daí” e “pois o operário é digno de seu sustento” (Mt 10,8 e 10).
Deus é Deus e ele não dança conforme a música, então a Bíblia não é a sua palavra, mas, em muitos casos, são as palavras daqueles que agiram de acordo com interesses próprios e egoístas.
Encontramos na Bíblia o caminho da busca e compreensão da verdade, mas é necessário o esforço e interesse pessoal: “Pedi e vos será dado; buscai e achareis; batei e vos será aberto” (Mt 7,7). Devemos orar em segredo: “E quando orardes, não sejais como os hipócritas, porque eles gostam de fazer oração pondo-se em pé nas sinagogas e nas esquinas. Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechando tua porta, ora ao teu Pai que está lá, no segredo. Nas vossas orações não useis de vãs repetições, como os gentios, porque imaginam que é pelo palavreado excessivo que serão ouvidos” (Mt 6,5 a 7).
Os pastores de hoje, que ficam orando pelos alto-falantes e televisões, deveriam rever suas atitudes e por em prática os ensinamentos do Mestre Jesus. Os “donos” dos Templos e Igrejas transformaram-se em exigentes e opressivos cobradores do dízimo e caçadores vorazes das ofertas. Esses deveriam ler e entender o óbolo da viúva (Mt 12,41 a 44), deixando de ser aves de rapinas e lobos esfomeados na exploração dos irmãos. Tais pregadores só estão atrás das coisas de César (Mt 22,15 a 22) e continuam explorando e enganando às humildes, obedientes e incautas ovelhas. RAR. Belo Horizonte, 08/09/2003.

43 - A Bíblia e a Paz - Publicado em 01/10/2003.
Deus, realmente dirige tudo, mas Ele respeita plenamente a liberdade de todos. Deus só se revela à humanidade, quando aparece alguém preparado e capacitado para receber as próprias revelações dEle, já que respeita, até nos mínimos detalhes, o livre-arbítrio de todos: então temos que nos entregar, abrindo as portas do nosso ser e querer participar, recebendo as suas revelações.
Perscrutando as páginas da Bíblia encontramos profecias sobre o estabelecimento da paz entre os homens: “Ele julgará as nações, ele corrigirá a muitos povos. Estes quebrarão as suas espadas, transformando-as em relhas, e as suas lanças, a fim de fazerem podadeiras. Uma nação não levantará a espada contra a outra, e nem se aprenderá mais a fazer guerra. Para que se multiplique o poder, assegurando o estabelecimento de uma paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, firmando-o, consolidando-o sobre o direito e sobre a justiça” (Is 2,4 e 9,6). “A justiça será o cinto dos seus lombos e a fidelidade, o cinto dos seus rins. Então o lobo morará com o cordeiro e o leopardo se deitará com o cabrito. O bezerro, o leãozinho e o gordo novilho andarão juntos e um menino pequeno os guiará. A vaca e o urso pastarão juntos, juntas se deitarão as suas crias. O leão se alimentará de forragem como o boi. A criança de peito poderá brincar junto à cova da áspide, a criança pequena porá a mão na cova da víbora. Ninguém fará o mal nem destruição nenhuma em todo o meu santo monte, porque a terra ficará cheia do conhecimento de Iahweh, como as águas enchem o mar” (Is 11,5 a 9). “Está decidido: tu manterás a paz, sim, a paz, porque a ti foi ela confiada. O fruto da justiça será a paz, e a obra da justiça consistirá na tranquilidade e na segurança para sempre. O meu povo habitará em moradas de paz, em mansões seguras e em lugares tranquilos” (Is 26,3 e 32,15 a 18). “Também te estabeleci como luz das nações, a fim de que a minha salvação chegue até as extremidades da terra. Como são belos, sobre os montes, os pés do mensageiro que anuncia a paz, do que proclama boas novas e anuncia a salvação, do que diz a Sião: “O teu Deus reina”. Farei brotar o louvor dos seus lábios: “Paz! Paz ao que está longe e ao que está perto, diz Iahweh, eu o curarei”” (Is 49,6; 52,7 e 57,19). “Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra. Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. Venha o teu Reino” (Mt 5,4,8 e 9; 6,10). “Glória a Deus no mais alto dos céus e paz na terra aos que ele ama” (Lc 2,14). “Um fruto de justiça é semeado pacificamente para aqueles que promovem a paz” (Tg 3,18).
Nós temos que interpretar e analisar tudo o que acontece no presente, em seus mínimos detalhes, com análises e comparações com tudo o que sabemos e já aconteceu no passado, para que possamos projetar da melhor maneira possível o futuro. Nós construímos o nosso futuro e formamos o nosso ser, já que somos aquilo que pensamos. Aquele que promove a paz encontrará em paz. RAR. B.Hte, 29/09/2003.

44 - A Bíblia e o Divórcio - Publicado em 12/10/2003.
Na liturgia da Missa de 05/10/2003 pôde-se ver ensinamentos e orientações contrários ao divórcio. Tanto na 1ª Leitura como no Evangelho ficou claro que biblicamente o caminho da perfeição é o do: “Até que a morte os separe”. Exemplos: “Por isso um homem deixa seu pai e sua mãe, se une à sua mulher, e eles se tornam uma só carne” (Gn 2,24) e “Jesus, então, lhes disse: “Por causa da dureza dos vossos corações ele escreveu para vós esse mandamento. Mas desde o princípio da criação ele os fez homem e mulher. Por isso o homem deixará o seu pai e a sua mãe, e os dois serão uma só carne. Portanto, o que Deus uniu o homem não separe”. E ele disse: “Todo aquele que repudiar a sua mulher e desposar outra, comete adultério contra a primeira e se essa repudiar o seu marido e desposar outro, comete adultério”” (Mc 10,5 a 7,9,11 e 12).
Como todo casamento se completa com a relação sexual, então quando existe um ato sexual entre um homem e uma mulher houve também um casamento rápido. Em todo relacionamento íntimo existe uma grande troca de energias entre os parceiros, também gera-se uma imensa energia, que envolve profundamente o casal e que o acompanha para sempre. Todos somos livres, mas temos que ser responsáveis por todos os nossos atos. Nunca podemos confundir libertinagem, anarquia e irresponsabilidade com amor e evolução. Todos querem a felicidade e para isso necessitam da confiança e fidelidade plenas. RAR. Belo Horizonte, 06/10/2003.

53 - Pecado contra o Espírito Santo - Publicado em 01/02/2004.
Agradeço ao colunista José Reis Chaves pelo artigo: “Melquisedeque e agêneres”, publicado em 12/01/2004, pois proporcionou-me uma oportunidade para comentar um pouco sobre o pecado contra o Espírito Santo. Minha opinião sobre esse pecado é um pouco diferente da do colunista Reis Chaves. Aprendi que não existe pecado como um a ofensa a Deus, pois Deus tem a perfeição em plenitude em todos os aspectos e nunca foi ofendido, então nada tem para perdoar. Sendo assim não é possível existir um pecado eterno como escreveu o colunista e também está escrito nos três evangelhos sinóticos. Essa doutrina é contraditória a doutrina do perdão, pois temos que perdoar até setenta e sete vezes, isto é: sempre. Essa doutrina não é perfeita e nem divina.
O que é a voz da nossa própria consciência? Como médium digo que as vozes da nossa consciência são dos espíritos que comunicam conosco, então temos que analisar e entender bem o que este ou aquele espírito está nos falando, também ver se são de Deus ou não, pois sempre existiram e existem falsos profetas (1João 4,1). Quanto mais evoluído for um espírito, mais ele respeita a nossa liberdade, então nunca podemos seguir cegamente essas vozes sem primeiro saber quem é o espírito comunicante e qual é o objetivo dele.
O patriarca Abraão, obedecendo a uma voz, quase sacrificou o próprio filho Isaac (Gn 22). O profeta Moisés, dirigido cegamente por uma voz, fez magia negra contra o povo egípcio, culminando com a 10ª praga, que foi a morte de todos os primogênitos egípcios (Ex 7 a 12). O profeta Samuel, guiado por uma voz, deu ordens para punir Amalec e ao povo dele, matando homens, mulheres, crianças e recém-nascidos, como também bois, ovelhas, camelos e jumentos (1Sm 15,1 a 3). Elias, seguindo a orientação duma voz, degolou os 450 sacerdotes de Baal, após vencê-los e humilhá-los publicamente (1Rs 18,20 a 40). A obediência cega às vozes complicou muito a evolução destes 4 personagens bíblicos.
No meu ponto de vista o pecado contra o Espírito Santo é um pecado de um espírito desencarnado, que, sendo inferior ao espírito encarnado, tenta fazer com que este o obedeça ou mesmo que o considere como o próprio Deus. Caso o encarnado ou o médium siga a orientação de um falso deus pode entrar numa fria e da qual só sairá séculos ou milênios depois, pois pode ter realizado um trabalho para as trevas. Finalizando cito a Bíblia: “Falamos do que sabemos e damos testemunho do que vimos” (Jo 3,11). RAR. Belo Horizonte, 26/01/2004.

58 - Transfiguração - Publicado em 25/03/2004.
O Evangelho da Missa do dia 07/03/2004 fala da Transfiguração de Jesus.
Mateus, Marcos e Lucas citam que Jesus levou Pedro, Tiago e João, e subiu à montanha para orar. Enquanto orava teve alteração em seu rosto e suas vestes tornaram-se de fulgurante brancura. E eis que dois homens (espíritos) conversavam com ele: eram Moisés e Elias (Lucas 9,28 a 30).
Esse acontecimento relatado no Evangelho nos mostra claramente uma reunião de materialização com a presença de quatro médiuns de efeitos físicos e de muitas outras qualidades mediúnicas, como também a materialização de dois espíritos. O Mestre Jesus escolheu só três dos apóstolos e não todos.
Pergunto-me por que muitos teólogos católicos e das várias denominações da reforma negam ou condenam hoje reuniões semelhantes realizadas pelo espiritismo? Será se eles julgam que tais acontecimentos, idênticos aos da Bíblia, hoje estão errados? Os agentes do bem não podem mais agir como agiam nos tempos bíblicos?
Hoje se vê muita exploração da fé e uma ganância de falsos pastores sobre as doações e os dízimos, dizendo ainda que oram pelos fiéis, expulsam os demônios e o dízimo é para Deus. Esses pregadores procuram envolver os fiéis com ensinamentos não verdadeiros e dominá-los pelo medo dos demônios, que na maioria das vezes são os espíritos de parentes libertos dos corpos físicos pela desencarnação e que ainda estão em completa ignorância da nova situação. A vida continua e continuamos sendo e agindo como em vida do corpo físico. Então cuidado com os falsos profetas e os falsos Cristos, Jesus já nos alertou disso também. É necessário que se conheça a verdade para que nos tornemos livres (João 8,32).
RAR. B.Hte. 08/03/2004.

59 - A Bíblia e a Magia - Publicado em 06/04/2004.
Magia é a arte ou ciência oculta com que se pretende produzir, por meio de certos atos, palavras e por interferência de espíritos, efeitos e fenômenos extraordinários, contrários às leis naturais. Quando os conhecimentos sobre a magia são utilizados para o BEM temos a magia branca e caso contrário temos a magia negra.
Em toda a Bíblia Sagrada vemos a prática da magia. Abraão saiu de Hur por orientação de um espírito e por toda a sua vida ele foi dirigido por espíritos. Sodoma e Gomorra foram destruídas por enxofre e fogo, sendo que a família de Ló foi protegida e salva pela intervenção de 2 anjos (Gn 19). O patriarca Jacó lutou com um espírito até o surgimento da aurora sem vencê-lo e ser vencido pelo mesmo (Gn 32, 23 a 30).
Todos os acontecimentos da vida de José do Egito estiveram envolvidos com sonhos até a indicação do mesmo para ocupar o 2º posto no Egito. Teve dois sonhos premonitórios enquanto jovem, interpretou e acertou com relação aos 2 sonhos dos 2 empregados do Faraó e finalmente fez a interpretação dos 2 sonhos do Faraó.
Toda a vida de Moisés foi envolvida com fatos não normais. O nascimento e a missão de Moisés colocaram-no numa condição privilegiada. As pragas contra o Egito, sobressaindo a 10ª praga, que foi a morte de todos os primogênitos do Egito, exceto os dos israelitas, foi uma prova clara da utilização de magia negra contra o povo egípcio. Em Números, 16, vemos outra prova do uso da magia por intermédio de Moisés para eliminar seus inimigos internos: Coré, Datã e Abiram, quando a terra abriu sob seus pés e os engoliu com todos os familiares.
Na tomada de Jericó os israelitas foram orientados por Iahweh para darem um volta em torno das muralhas por 6 dias seguidos, tocando trombetas e no 7º dia deveriam dar 7 voltas, só na última volta tocariam as trombetas e o povo gritaria. Assim fizeram e as muralhas ruíram (Js 6).
O profeta Elias também adquiriu muito poder, com todo o conhecimento adquirido sobre a magia, ele enfrentou e venceu os 450 sacerdotes de Baal (1Rs 18) e por duas vezes ele invocou fogo do céu, que devorou 2 destacamentos com 51 homens (2Rs1).
No livro de Tobias pode-se ver um trabalho de libertação da perseguição de um espírito, que já tinha matado 7 noivos da jovem Sara. Esse fato aconteceu quando Tobias colocou o fígado e o coração de um peixe sobre as brasas de um perfumador. O cheiro do peixe expulsou o espírito, que após fugir para o Egito, foi aprisionado pelo anjo Rafael. Em Tobias foi empregada a magia branca. É pena que esse livro não foi aceito pela reforma protestante.
Outras intervenções espirituais no nosso plano podem ser vistas nas libertações dos apóstolos da prisão pública em Atos 5,17 a 21 e de Pedro, da cadeia de Herodes, em atos 12, pois em ambos os casos temos intervenções de anjos. Todas religiões possuem seus fundamentos na magia, só que os seguidores não compreenderam os Mestres e criaram os rituais, que bitolam toda a liberdade de ação.
RAR. Belo Horizonte, 15/09/2003.

63 - A Bíblia e o Dízimo - Publicado em 16/05/2004.
O dízimo é uma referência à décima parte. O dízimo é bíblico e isso ninguém pode negar, pois está escrito: “Todos os dízimos da terra, tanto dos produtos da terra como dos frutos das árvores, pertencem a Iahweh; é coisa consagrada a Iahweh” (Lv 27,30) e “Voltai a mim e eu voltarei a vós! Disse Iahweh dos Exércitos. Trazei o dízimo integral para o Tesouro, a fim de que haja alimento em minha casa. Provai-me com isto, disse Iahweh dos Exércitos, para ver se eu não abrirei as janelas do céu e não derramarei sobre vós bênção em abundância” (Ml 3,7 e 10).
Além destas duas referências bíblicas existem muitas outras, nas quais também fica muito claro o dever e a obrigação da contribuição do dízimo. Tudo o que é um dever ou uma obrigação não é divino, pois deixa de existir a liberdade e Deus respeita plenamente o livre-arbítrio de todos.
Além do dízimo, que é obrigatório na opinião dos líderes religiosos, existe por parte dos mesmos uma indução aos fiéis para a doação de ofertas. Todos os caçadores de dízimos e ofertas devem saber muito bem que a revolta do monge alemão, Martinho Lutero, contra a hierarquia do catolicismo em Roma, foi por causa da enganosa exploração financeira dos príncipes da Igreja século XVI para manter suas mordomias e construções de templo suntuosos. Então foi por causa da ganância dos líderes.
É bom também que se diga que quem escreveu os trechos bíblicos sobre os dízimos e ofertas foram os que se beneficiavam dos mesmos. Tudo continua na mesmice, pois quem defende a obrigação da contribuição do dízimo (10%) e da doação de ofertas são os que vivem deles e ainda dizem que tudo é para Deus. Existem hoje construções caríssimas de templos suntuosos, nas quais se gastam milhões de reais sem matar a fome de ninguém, mas servem para imporem uma poderosa e até temerosa presença da Divindade. O que se vê são pactos com falsos deuses, os quais são apresentados como se fossem o verdadeiro Deus.
A vileza de alguns pregadores tornou-se tão enganadora e envolvente, quando dizem que eles recebem fisicamente os dízimos e as ofertas no Altar físico, mas do outro lado Jesus, em pessoa, toma nota de tudo no Livro da Vida; e, quando chegar a hora do julgamento não adianta reclamar, pois Jesus só poderá registrar o seu nome no Livro se você cumpriu fielmente as suas obrigações para com Deus e sua Igreja. Também dizem que só querem colaboradores para o programa se eles se sentirem chamados por Deus. Caso não sejam tocados por Deus, eles também não os querem como patrocinadores, pois não foram escolhidos por Deus e eles só querem os eleitos de Deus.
Nunca se pode usar o nome de Deus em vão. Existem muitos fundadores de religiões que são lobos rapaces, que estão construindo fossos e abismos, dos quais terão muito dificuldade para sair. Cuidado com as pessoas que utilizam das religiões para se enriquecerem e terem mordomias!
RAR. Belo Horizonte, 13/05/2004.

64 - Ressurreição de Todos - Publicado em 16/05/2004.
Muito obrigado ao colunista Reis Chaves e ao teólogo Pe. José Cândido da Silva pelos artigos “Ressurreição de todos” publicados nos dias 26 e 28/04/2004, pois me permitiram comentar um pouco sobre o esclarecimento e a divulgação da Verdade.
Não vou perder tempo para discutir sobre palavras gregas, pois não sou grego e nem troiano, mas quero ajudar a todos a viverem e conviverem bem como seres humanos e em plena paz.
Está escrito: “..e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8,32). Para sermos livres temos que nos libertar dos dogmas, que bitolam a nossa liberdade até de pensar. Irmão Jethro, a verdadeira religião é aquela que explica tudo e não fica aprisionada em dogmas irracionais (vide artigo de 24/04/2004). Hoje defino dogmas como a forma que arranjaram aqueles que mandavam e sabiam menos imporem suas vontades com total apoio dos bajuladores dos detentores do poder.
Jesus confiou plenamente em Deus e por isso teve a grande vitória na ressurreição e ascensão, abrindo caminho para todos nós e podendo depois agir como fez no Pentecostes e na conversão de Saulo. Nestes dois acontecimentos os discípulos foram batizados no fogo e pelo Espírito Santo. Aqui está o grande segredo da vitória de Jesus e só entenderá isso quem foi ou for batizado no fogo e no Espírito.
Gostaria de perguntar ao Padre José Cândido por que não me respondeu nem uma palavra sobre uma apostila com 14 cartas e 2 trabalhos, que entreguei a ele e ao Cardeal Dom Serafim em setembro de 1998? Por que será que não recebi nenhuma resposta dos 8 cardeais brasileiros sobre uma apostila com 44 cartas escritas para teólogos, que enviei para eles em abril de 2001?
Aprendi no catecismo que não podemos ser omissos. Será que os membros da Hierarquia da Igreja temem um diálogo sincero, honesto e franco sobre a Verdade?
Numa confissão individual, em 1987, após ter revelado para o padre que aceitei a reencarnação em janeiro de 1980 e comentado sobre tudo o que estava fazendo, ele me deu este conselho: “Continue em suas buscas e pesquisas para você ter idéias claras, pois o Igreja não sabe o que ensina para a gente!”. Num diálogo com um Bispo em 1988, após relatar algumas experiências vividas por mim, ele me respondeu assim: “Não entendo disto, não quero entender e não tenho mais tempo de conversar com você!”.
A base da minha disposição e ânimo em escrever para padres, bispos, cardeais e até para o Papa é porque vivi e vivo experiências místicas semelhantes às dos profetas bíblicos, mas isso os teólogos não querem nem ouvir e a psiquiatria me considerou como esquizofrênico. Foi difícil me livrar da pexa de doente mental, mas já venci esta etapa da minha vida. RAR. Belo Horizonte, 29/04/2004

66 - O Dízimo gera poder - Publicado em 12/06/2004.
Lendo todos os artigos do “Debate do Dia” de 16/05/2004 sobre o dízimo, digo que o dízimo é uma contribuição para a manutenção das necessidades básicas do Culto e do Templo, como velas, vinho, pão, paramentos, água, luz, telefone e limpeza, mas nunca uma contribuição dirigida a Deus.
Quem defende o dízimo como uma obrigação ou compromisso teológico para com Deus está é justificando a sua manutenção vital. No futuro não haverá nenhuma interferência de $$$ nos cultos, pois isso faz com que o ministro do culto fica atrás dos valores que estão entrando para a Igreja e esquecem do verdadeiro sentido do ato religioso.
Eu fui para um seminário católico com 11 anos. Com esta idade ainda é impossível ter consciência das dificuldades e dos dramas da vida. A gente, ainda com muita inocência, é envolvida com o desejo de seguir a vocação sacerdotal. Sai do convento com 21 anos e hoje sei que vivi num sistema de “comunismo puro”, pois tudo era comum.
Discordo das atitudes tomadas por pessoas adultas, que possuíam bons empregos e foram ser pastores, dizendo ainda: “Agora mudei de profissão, eu sou pastor”.
Religião nenhuma salva ninguém e o que nos salva são os nossos atos de amor, servir, vestir, visitar, alimentar e dar de beber. Nunca podemos nos transformar em profissionais religiosos. Um amigo me confidenciou que foi convidado pelos donos de uma igreja para ser pastor com um salário de R$30.000,00 garantidos. Isso é o fim.
Ninguém pode receber para rezar para o outro, para celebrar uma Missa ou fazer um casamento religioso. É Deus mesmo que escolhe os seus representantes e não as estruturas humanas, que na maioria das vezes, só aceitam aqueles que concordam com as regras do grupo.
Caso Jesus voltasse a viver entre nós hoje e voltasse a nos ensinar tudo o que já disse há dois mil anos, acrescentado que seria mais agradável a Deus se as pessoas mais pobres comprassem alimentos e remédios para os filhos ao invés de pagarem o dízimo e fazerem doações para qualquer igreja, ele seria o inimigo número um de muitos pregadores. Estes iriam taxá-lo de Anticristo ou de representante da Besta Fera, pois estão vivendo da boa fé é alheia, dos dízimos e ofertas, e iriam perder a galinha dos ovos de ouro, já que os fiéis seriam esclarecidos e se livrariam dos falsos pastores, que só estão atrás das coisas de César. Veja e analise os impérios financeiros construídos em nome de Deus. O dinheiro gera ganância e dá poder. O poder, quase sempre, destrói o verdadeiro amor e corrompe o ser humano (vide o artigo “Poder religioso” do A. P. Antunes de 18/05/2004). Rosário Américo de Resende. B.Hte. 19/05/2004.

70 - Pecado original - Publicado em 26/07/2004
Parabenizo ao colunista José Reis Chaves pelo artigo “Pecado original”, publicado em 06/07/2004. Concordo com o que escreveu o colunista: “o dogma do pecado original é um erro grave do cristianismo”.
Aprendi nos meus 9 anos de seminário que “pecado” é uma ofensa a Deus. Hoje defendo a tese que não existe pecado, pois Deus, que é perfeito em todos os aspectos, nunca foi ofendido, então não pode existir pecados e Deus nada tem para perdoar. Então digo: “Que Deus não perdoa”. Quem perdoa está conquistando a perfeição, mas ainda não é perfeito, pois sentiu-se ofendido.
Se a justiça humana, que ainda é muito imperfeita, não condena um filho por causa de um crime de seu pai, como aceitar que Deus, o perfeito, o onisciente, o maior exemplo de amor, compreensão e sabedoria poderia cobrar da humanidade a culpa de Adão e Eva? Aprendi pelos teólogos e catequistas que só ficaríamos limpos da nódoa do pecado original pelo batismo. Hoje fico em dúvida se realmente os teólogos ensinam essa doutrina por ignorância ou como meio de trazer o povo sob o domínio e medo de um poder tirânico e cruel. Passei a compreender tudo, mas não conforme o que aprendi e como muitos padres e pastores ainda ensinam.
A quem utiliza da Bíblia para defender o “pecado original”, seja como dogma ou não, digo: “Também utilizo da Bíblia para negá-lo, como: “Não farás morrer um pai pelo filho, nem um filho pelo pai, mas cada um morrerá pelo seu próprio pecado””( Dt 24,16). Resumindo falo: “A teoria do pecado original é pura mitologia”.
Agora, após ter aceito e compreendido a reencarnação ou a verdade das vidas sucessivas, entendi também que cada ser humano tem que quitar todas as suas faltas cometidas em vidas passadas. Só, após esse pagamento, poderá ir para planos mais evoluídos: “Em verdade te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo” (Mt 5,26). O apóstolo Paulo foi o grande defensor da culpa de Adão, que levou a humanidade à condenação e também da regeneração de todos pela vitória de Jesus com o sacrifício da cruz. Tudo isso causou um grande sofisma para a missão salvífica de Jesus, pois essa está baseada nos ensinamentos de Jesus e não no sangue derramado na cruz. O que nos salva são os nossos atos de caridade, amor, perdão e vivência com plena fidelidade em tudo e para com todos. Rosário A. de Resende, ex-professor da UFMG. B. Hte. 12/07/2004.

74 - Pecado - Publicado em 19/08/2004.
Lendo o artigo “Pecado” do irmão e escritor Jethro M. da Cunha de 09/08/2004 concordei apenas com o último parágrafo. Realmente o crime não compensa e ninguém pode julgar que está acima das leis e da justiça. Ninguém é rei apenas porque possui imensas fortunas, pois existem pessoas que não se deixam comprar por nenhum tipo de propina. Hoje vivemos uma nova realidade e ninguém ficará livre das malhas da justiça e toda lei deve ser obedecida, senão a lei cobra com rigor cego qualquer desobediência.
Aprendi que pecado é ofensa a Deus, mas o perfeito não se ofende e como Deus tem a perfeição plena em todos os seus atributos, então não existe ofensa a Deus. Já que Deus não se ofende então não existe pecado. A base do cristianismo e de qualquer religião não é o pecado, que não existe, mas o amor e todos os ensinamentos que conduz ao aperfeiçoamento cada ser criado e à Verdade, que realmente nos liberta de tudo.
Deus em sua infinita sabedoria e bondade respeita plenamente a liberdade de todos e, como qualquer lei tira algum tipo de liberdade, então podemos também afirmar que Deus não criou nenhuma lei. Deus também não julga e nem condena. As leis foram e são criadas por nós, espíritos criados e ainda imperfeitos, tanto encarnados como desencarnados. Cada grupo cria suas leis, julga e condena conforme as suas leis.
Jethro, deixa o corajoso e sábio Nietszche em paz, ele cumpriu uma difícil etapa no processo evolutivo da humanidade. Vamos entender o presente e trabalhar para a implantação do Reino de Deus entre nós, que é a construção do Céu já aqui na terra. Jesus ensinou que veio trazer a vida e vida em abundância para todos.
Muitos padres e pastores estão na porta do Céu, mas não entram e nem deixam ninguém entrar. Eles não entram porque não sabem que estão na porta do Céu e julgam que só pode entrar no Céu quem paga em dia o dízimo e doa grandes ofertas. Eles querem só as coisas de César e esquecem das coisas de Deus.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 17/08/2004.

91 - E Deus? (Mistérios) - Publicado em 18/01/2005.
Quero agradecer ao teólogo Leonardo Boff pelo artigo: “E Deus nisso tudo?” de 07/01.2005, pois deu-me oportunidade de comentar um pouco sobre o assunto. Admirei muito que o teólogo Boff inicia o artigo fazendo perguntas sobre a bondade e onipotência de Deus, depois comenta sobre as atitudes de revolta, resignação e de esperança contra todo absurdo e termina com a frase: “No entanto, o mistério continua mistério e como dói!”.
Deus é o primeiro criador e o processo criador não terá fim, mas Ele não criou nenhum tipo de dor. Deus é incriado. Nós fomos criados simples e ignorantes por causa do imenso amor de Deus. Cada um de nós somos os responsáveis por nossa evolução, perfeição e salvação. Na caminhada evolutiva cometemos erros e ofendemos aos nossos irmãos, por causa de nossos pecados sofremos, temos que pedir perdão e quem peca é o criador de quase todas as suas dores. Existem dores que são causadas por torturadores e existem espíritos que também torturam. Deus é o libertador de todo tipo de dor, mas para nos livrarmos de nossos dores temos que pagar todas as nossas dívidas e perdoar de uma forma absoluta a todos, que nos ofenderam. Quando todos entendermos que todas as dívidas terão que ser pagas e que todas as injustiças serão punidas, então não teremos mais atitudes tirânicas como as dos últimos presidentes norte-americanos e as de muitos tiranos, que escravizaram e ainda escravizam os povos.
A aceitação e compreensão do processo evolutivo nos levam, com lógica, à reencarnação, esta, por sua vez, explica todos os mistérios com muita racionalidade e até simplicidade. Para mim, só existem mistérios por causa do orgulho dos pseudos sábios, pois, por não entenderem este ou aquele enigma, dizem que é mistério e qualquer um aceita que para mistérios não existem explicações. Os pseudos sábios não têm a humildade de falar que não sabem e por isso dizem que é mistério. Só podemos falar daquilo que sabemos e quando encontramos a verdade ficamos livres (João 3,11 e 8,32).
RAR. Belo Horizonte, 10/01/2005.

95 - Leilão de graças - Publicado em 22/02/2005.
Parabéns ao colunista José Reis Chaves pelo artigo: “Leilão de graças!” de 07/02/2005. Realmente o apóstolo São Paulo foi e é o grande responsável pela crença na salvação pela graça: “Pela graça fostes salvos, por meio da fé, e isso não vem de vós, é o dom de Deus: não vem das obras, para que ninguém se encha de orgulho” (Ef 2,8 e 9), mas o próprio São Paulo ensina que a caridade é que vale, coloca-a acima da fé e da esperança (1Cor 13) e caridade é obra! Nos Evangelhos vemos que entram para o Reino dos Céus aqueles que visitaram, vestiram, alimentaram ajudaram e deram de beber aos outros (Mt 25,31 a 46). Isso tudo é obra!
Agora existem religiões que ensinam que basta aceitar Jesus como o único salvador e que já está salvo pele fé e pela graça. Aqueles que adquiriram muitas culpas, pesadas dívidas, cometeram muitas infidelidades e muitos crimes (pecados) se sentirão psicologicamente bem dentro da doutrina da salvação pela fé e pela graça, pois não terão que pagar nada, e irão agradar muito aos pastores se derem muitas ofertas e forem fiéis no pagamento dos dízimos para a manutenção das mordomias dos profissionais religiosos, que exploram a fé alheia...
Os defensores desta doutrina esquecem dos ensinamentos de Mateus 5,26; 18,34 e Lucas 12,59 onde está claro que toda a dívida terá que ser paga. Nestes trechos temos também a eliminação ou condenação da doutrina das penas eternas, pois quando tudo estiver pago conquista-se a liberdade.
RAR. Belo Horizonte, 09/02/2005.

96 - Tentações de Jesus - Publicado em 03/03/2005
Agradeço ao Pe. Marcelo Rossi pelo artigo: “Tentações de Jesus”, de 19/02/2005, pois deu-me uma oportunidade de comentar um pouco sobre ao assunto.
Nos meus 9 anos de seminário fui aprendendo tudo sobre religião dentro da visão da teologia católica. Tinha vontade de fazer muitas perguntas aos meus professores, mas também tinha um grande receio ou mesmo medo de ser expulso do seminário. Os padres que trabalham na formação de futuros padres não gostam dos candidatos perscrutadores das Escrituras Sagradas, eles gostam dos que entram em silêncio para as aulas e assim ficam até saírem mudos.
Sempre tentei buscar esclarecimentos para compreender a verdade. Nunca aceitei os ensinamentos teológicos sobre as “Tentações de Jesus” e nem sobre o complexo processo da morte de Jesus na cruz, que iniciou-se no drama do Getsêmani. Escrevi uma carta para um teólogo sobre as “Tentações de Jesus”, quando fiz um paralelo das mesmas com todas as orientações espirituais recebidas pelo grande profeta e legislador hebreu, o Moisés. Em resumo disse para o teólogo que o “tentador de Jesus foi o mesmo espírito que Moisés considerou como Deus”. Ele só me respondeu, num cartão, dizendo que eu tinha um grande conhecimento e manuseio da Bíblia e continuou a referir-se sobre o assunto da minha carta anterior, quando defendi a tese: “Deus não perdoa nunca”. Escrevi ainda mais duas cartas para o tal teólogo, que ficaram sem respostas, então paramos com as nossas correspondências.
A verdade vai ser divulgada, apesar das visões bitoladas e cegas daqueles que dizem que é milagre e ou mistério divino porque ainda não sabem explicar os enigmas da vida, pois aos eleitos ninguém pode enganar (Mt 24,24). Não podemos transformar a religião em shows completamente nulos de esclarecimento sobre a verdade, mas que só envolvem emocionalmente os crentes em comportamentos e atitudes quase irracionais. Rosário A. R., ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 21/02/2005.