segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Cartas para Cardeais e papa

Belo Horizonte, 09 de Julho de 1989. Dom Aloísio Lorscheider ofm., saudações franciscanas.
A verdade realmente liberta, como disse o bom e amado Mestre Jesus.
Dom Aloísio, peço-lhe desculpas em envolvê-lo em meus problemas “religiosos e teológicos”, mas o Senhor Frei (vou chamá-lo de “Frei”, pois assim sinto-me conversando com um discípulo de São Francisco de Assis) foi um dos escolhidos para receber uma cópia do trabalho:
“Você Sabe Quem é Você? ....E se Autoconhece?....”.
É muito sério o que tenho para dizer, Frei, e o Senhor é um digno representante da hierarquia católica apostólica romana. Nem cheguei a fazer a profissão simples, pois o noviço Frei Aloísio Resende ofm. saiu do Convento de Santa Maria dos Anjos, Betim, MG., às vésperas da profissão simples.
Mesmo sabendo, Frei, que o que vou dizer não é aceito pelo Papa, mas tenho que dizer e cabe a cada um estudar e analisar o assunto. Desde o dia cinco de janeiro de 1980 (05/01/1980) aceitei e passei a defender a “teoria ou a verdade da reencarnação ou das vidas sucessivas”, o que veio responder a tudo o que coloquei no trabalho e a outros fatos da minha vida. Também a partir desta data passei a sentir ostensivamente a presença do Espírito Santo ao meu lado. Com este auxílio comecei a compreender realmente a vida de todos e a minha também, só que quase ninguém me compreendeu mais.
Em agosto de 1982 recebi dentro da Igreja de Santa Teresa, Belo Horizonte, a revelação de uma vida passada minha...., pois uma voz muito nítida me falou assim:
- “Você foi o J. E.”. O nome foi dito por completo e que é o autor do primeiro trecho bíblico, que citei no meu trabalho. Depois, em fins de 1986 ou início de 1987, vim tomar conhecimento que o J.E. é o mesmo espírito que reencarnou com o nome sublinhado na penúltima folha da cópia, que lhe envio, do trabalho já citado.
Bom, Cardeal Dom Frei Aloísio, já lhe revelei muita coisa, sem ao menos saber sua reação...., mas preciso confiar e acreditar que existem companheiros para auxiliar e compreender a gente. Espero que o Senhor seja um destes companheiros, pois o São Pedro Apóstolo e São Tiago, irmão de João Evangelista, já sei que são companheiros.
Se o Senhor, Frei, julgar que tudo isto que revelei é heresia ou debilidade da minha mente peço-lhe para queimar tudo isto: esta carta e o trabalho; mas, desde já lhe confesso também, como o assunto é muito sério, fico com cópia de tudo.
Um grande abraço de quem queria seguir “o próprio passado”...... Rosário Américo de Resende
P.S.: A poesia da última página foi-me intuída pelo próprio “Deus-Pai”. O mesmo.

Belo Horizonte, 09 de Julho de 1989.
Cardeal Dom Frei Paulo Evaristo Arns ofm., saudações franciscanas.
Fiquei muito contente hoje, quando fui tomar nota do seu endereço para escrever-lhe, pois o Senhor também foi um dos “indicados ou escolhidos” para receber cópia do trabalho:
“Você Sabe Quem é Você?...... E Se Autoconhece?.....”.
Fiquei muito contente, pois tomei conhecimento que o Senhor é um seguidor de São Francisco de Assis e com isto vi que a “indicação ou a escolha” foi muito acertada.
Entre em contato com o Cardeal Dom Frei Aloísio Lorscheider ofm. e procure saber o que escrevi sobre o São João Evangelista, apóstolo e o São Francisco de Assis, filho de Pedro Bernadone. O assunto é muito sério, Frei Paulo, espero que o Senhor também seja um companheiro que está aqui para ajudar na grande reforma, que está para acontecer, pois um dos próximos Papas será um importante companheiro.
Espero ser compreendido e receber um pouco de sua atenção... Pax et Bonum: Rosário A. de Resende

Belo Horizonte, 22 de Setembro de 1998.
Vossa Eminência Cardeal Dom Serafim Fernandes de Araújo, muita paz, luz e amor em nome do nosso amado Mestre Jesus.
Estou tomando essa iniciativa em nome da VERDADE ABSOLUTA e da PAZ PLENA.
Já escrevi para vários membros da Hierarquia da Igreja Católica Apostólica Romana. Assim agi e ajo porque não posso ser omisso das minhas responsabilidades perante ao Evangelho e à humanidade. Revelo também que passei a escrever essas cartas bíblicas, teológicas e filosóficas, porque em todos os diálogos que procurei ter com autoridades eclesiásticas, sempre encontrei as portas fechadas. Com essas cartas, mesmo com aquelas que não tiveram respostas, estou cumprindo a minha parte com relação à missão do Mestre Jesus de Nazaré e de todos aqueles que fizeram parte do seu apostolado inicial.
Estou enviando-lhe 16 das minhas cartas para que a Vossa Eminência possa fazer uma análise e me orientar como devo continuar agindo para o futuro.
Estou a disposição e aberto para qualquer diálogo.
Muita paz, luz e amor em nome do nosso irmão e Mestre Jesus..... Rosário Américo de Resende.
Relação das cartas enviadas para o Cardeal Dom Serafim:
11/03/1989: Padre Carvalho - Pesquisando a Verdade.
24/03/1989: (1ª) Padre Oscar G. Quevedo - Refutando livros dele.
08/06/1989: Você Sabe Quem é Você? E Se Autoconhece? (Enviado para 9 teólogos).
19/11/1989: O Mistério, a Verdade e a Visão Cósmica da Vida.
12/02/1990: (1ª) Frei Leonardo Boff - Buscando Diálogos e Apoio.
06/07/1991: (2ª) Frei Estanislau - A Salvação é uma Conquista e um Prêmio.
28/06/1992: (2ª) Frei Basílio - Reencarnação na Bíblia e pela Lógica.
13/09/1992: (1ª) Padre João B. Libânio - Deus não Perdoar Nunca.
23/11/1992: (3ª) Frei Estanislau - Revelações e Explicações.
01/01/1993: (2ª) Padre João B. Libânio - Uma Tese Bomba com relação à Bíblia.
21/07/1993: (3ª) Padre João B. Libânio - Sobre o Evangelho de São João.
02/01/1994: (4ª) Padre João B. Libânio - Duas Teses Bíblicas.
12/03/1994: (5ª) Frei Basílio - Esclarecimentos sobre a minha Verdade.
15/10/1994: Frei Patrício - Buscando Diálogos.
05/05/1997: (2ª) Leonardo Boff. Refutando o livro “Brasa sob Cinzas” e caso de 02/02/1991.
04/12/1997: (3ª) Pe. Oscar G. Quevedo - Resposta à “Carta Aberta a um Autor Falsário”.
O mesmo.

sábado, 4 de julho de 2009

Verdade (?)

225 - Verdade? - publicado em 01/07/2009..
Lendo alguns artigos: “A imprensa e a crise dos três Poderes” (Opinião 27/6), “Ministros estão na contramão da história” e “Denuncismo” (Fórum 27/6), então perguntei aos meus botões: ‘Onde está a verdade?’ ‘O que é a verdade?’ Eles não me responderam, pois cada um tem a sua casa e se um entrar na casa do outro tudo se complica.
“Que é a verdade?” (João 18,38). Essa pergunta foi feita por Pilatos a Jesus, mas ficou sem resposta e a verdade ficou sem um defensor.
A Verdade é a Verdade e não tem preço, mas a maioria fala, escreve, age, julga e decide conforme a vontade daqueles que tem o poder de poder pagar o preço exigido. E então a vontade de alguns fica parecendo ser a verdade.
Quando alguém começa a falar a Verdade e nenhum preço poderá fazê-lo silenciar, então os donos do poder o eliminam. É essa a grande verdade da história da humanidade.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 27/06/2009.

domingo, 12 de abril de 2009

Evolução ou Teologia da Evolução

Todos os seres foram criados simples e ignorantes e todos estão em busca do conhecimento, da bondade, da sabedoria e da perfeição.
Eis todos os meus artigos, que foram publicados ou não pelo jornal O TEMPO, onde falei e defendi a evolução:
28 - KARDEC e DARWIN (Não Publicado)
Parabéns para o José Reis Chaves pela importante coluna do dia 13/01/2003. Ele foi muito feliz em escrever: “Darwin foi um dos grandes cientistas da evolução da vida material, e Kardec o foi da evolução da vida do espírito na matéria e fora da matéria”.
Precisamos realmente aprender de e sobre tudo. No processo do nosso aprendizado temos que ter uma mente humilde, sábia e livre dos princípios dogmáticos, que bitolam até a nossa capacidade de pensar.
No século XIX existiram grandes cientistas e pensadores que expuseram livremente suas descobertas, pois já estavam livres do perigo da fogueira da inquisição. Kardec foi o mais importante e Darwin o segundo. O trabalho do Kardec foi mais difícil porque ele buscou a comprovação da existência e da evolução do espírito. O espírito pode existir sem a matéria e isso se torna muito difícil o estudo e a compreensão, principalmente para os cientistas que negam a existência do espírito. Darwin teve um trabalho mais fácil porque buscou a evolução biológica do corpo e só estudando a existência física, que se pode comprovar com as pesquisas arqueológicas.
O sábio escritor francês, o teólogo e padre François Brune, com o livro “Os Mortos nos Falam” está fazendo a comprovação de tudo o que Kardec já estudou e demonstrou na codificação do espiritismo.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 15/01/2003.

48 - Reencarnação e redenção - Publicado em 02/12/2003.
Parabéns ao colunista José Reis Chaves pelo artigo de 03/11/2003, no qual tira o véu de muitos ensinamentos infantis, tidos como verdades dogmáticas e nos deixa livres para irmos em busca da sabedoria para que possamos entender a verdade.
Temos que ser corajosos e eliminar da nossa vida os ensinamentos infantis e bitoladores da nossa liberdade de pensar. Temos que pensar no que já foi pensado e ensinado, buscando a compreensão da verdade que liberta. Deus nos criou por amor, mas a conquista da sabedoria e harmonia com e de tudo depende do nosso eterno esforço. Só alcançaremos a perfeição perdoando sempre e vivendo o amor, com amor e pelo amor fiel e confiante.
Nunca poderia ser ensinado pelos biblicistas e teólogos que Deus para perdoar ao gênero humano exigiu a crucificação do Mestre Jesus. O sangue derramado de Jesus foi fruto do orgulho, inveja e medo de perder o poder dos líderes religiosos, o mesmo que aconteceu com milhares de profetas, que vieram mostrar e falar sobre os terríveis crimes da famigerada Inquisição, instituída pela ala trevosa da Igreja Católica Apostólica Romana. A missão de Jesus está fundamentada nos ensinamentos que ele nos deixou, principalmente a prática do perdão, do amor e da fidelidade plena em todos os sentidos.
Só pela aceitação e compreensão da reencarnação torna-se possível entender atitudes tão contraditórias dos seres humanos. Hoje os defensores da vida única, como o Padre Quevedo, sempre querem impor princípios antievangélicos, defendendo à radical e tirânica posição de Roma. Durante uns 15 séculos, do século IV até ao XVIII, a maioria dos papas tiveram atitudes anticristãs, pois fizeram tudo ao contrário dos ensinamentos do humilde e sábio Mestre Jesus.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. B. Hte. 10/11/2003.

64 - Ressurreição de Todos - Publicado em 16/05/2004.
Muito obrigado ao colunista Reis Chaves e ao teólogo Pe. José Cândido da Silva pelos artigos “Ressurreição de todos” publicados nos dias 26 e 28/04/2004, pois me permitiram comentar um pouco sobre o esclarecimento e a divulgação da Verdade.
Não vou perder tempo para discutir sobre palavras gregas, pois não sou grego e nem troiano, mas quero ajudar a todos a viverem e conviverem bem como seres humanos e em plena paz.
Está escrito: “..e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8,32). Para sermos livres temos que nos libertar dos dogmas, que bitolam a nossa liberdade até de pensar. Irmão Jethro, a verdadeira religião é aquela que explica tudo e não fica aprisionada em dogmas irracionais (vide artigo de 24/04/2004). Hoje defino dogmas como a forma que arranjaram aqueles que mandavam e sabiam menos imporem suas vontades com total apoio dos bajuladores dos detentores do poder.
Jesus confiou plenamente em Deus e por isso teve a grande vitória na ressurreição e ascensão, abrindo caminho para todos nós e podendo depois agir como fez no Pentecostes e na conversão de Saulo. Nestes dois acontecimentos os discípulos foram batizados no fogo e pelo Espírito Santo. Aqui está o grande segredo da vitória de Jesus e só entenderá isso quem foi ou for batizado no fogo e no Espírito.
Gostaria de perguntar ao Padre José Cândido por que não me respondeu nem uma palavra sobre uma apostila com 14 cartas e 2 trabalhos, que entreguei a ele e ao Cardeal Dom Serafim em setembro de 1998? Por que será que não recebi nenhuma resposta dos 8 cardeais brasileiros sobre uma apostila com 44 cartas escritas para teólogos, que enviei para eles em abril de 2001?
Aprendi no catecismo que não podemos ser omissos. Será que os membros da Hierarquia da Igreja temem um diálogo sincero, honesto e franco sobre a Verdade?
Numa confissão individual, em 1987, após ter revelado para o padre que aceitei a reencarnação em janeiro de 1980 e comentado sobre tudo o que estava fazendo, ele me deu este conselho: “Continue em suas buscas e pesquisas para você ter idéias claras, pois o Igreja não sabe o que ensina para a gente!”. Num diálogo com um Bispo em 1988, após relatar algumas experiências vividas por mim, ele me respondeu assim: “Não entendo disto, não quero entender e não tenho mais tempo de conversar com você!”.
A base da minha disposição e ânimo em escrever para padres, bispos, cardeais e até para o Papa é porque vivi e vivo experiências místicas semelhantes às dos profetas bíblicos, mas isso os teólogos não querem nem ouvir e a psiquiatria me considerou como esquizofrênico. Foi difícil me livrar da pexa de doente mental, mas já venci esta etapa da minha vida.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 29/04/2004

105 - Criação e evolução - Publicado em 17/05/2005.
Parabéns ao ecohistoriador e professor Arthur Soffiati pelo artigo: “Evolucionismo, criacionismo e desenho inteligente” de 11/05/2005, pois só iremos aprendendo cada vez mais quando temos a liberdade de pensar e coragem para usar de toda a nossa capacidade mental.
Há alguns anos um testemunha de Jeová emprestou-me um livro para ler: “A Vida – Qual a sua Origem? A Evolução ou a Criação?”. Os autores deste livro negam por convicção a evolução e defendem a criação, mas no próprio livro está apresentada a tese da evolução. O professor Arthur Soffiati nega a criação. Eu defendo que tudo se evolui depois de ter sido criado, então existe criação e evolução. Nunca podemos negar algo só porque não temos conhecimento do assunto. Deus, o criador incriado, iniciou a criação, sendo assim o primeiro criador. Todo ser criado também pode se transformar em criador, surgindo assim os falsos deuses e Deus sempre respeita plenamente a liberdade de todos.
A fórmula evolutiva de Darwin: “Sobrevive o mais apto” foi substituída por Teilhard de Chardin, um teólogo evolucionista, pela fórmula: “Sobrevive o meais complexo”. Eu defendo que “sobrevive o mais sábio e o mais forte”, pois um sábio forte nunca irá destruir ninguém, mas sempre será respeitado ou até temido pelos mais fracos, pois estes temem a derrota e o sábio forte sobreviverá.
Rosário Américo de Resende. Belo Horizonte, 16/05/2005.

106 - Evolução cósmica - Publicado em 24/05/2005.
Parabéns ao jornal O TEMPO pela fantástica entrevista com o senhor Luiz Gonzaga Scortecci de Paula no dia 17/05/2005: “Transição planetária segundo os ETs”. Realmente existem muitas transferências de seres pensantes entre os diversos sistemas planetários do cosmo. O objetivo primordial de cada ser é a sua evolução ou a conquista da perfeição. Quando um aprende ele procura ensinar aos outros e ai toda a comunidade vai se harmonizando, permitindo assim a evolução e a convivência pacífica entre todos os sistemas de vida no cosmo e o planeta terra é um desses sistemas. Muitos dos atuais habitantes da terra iniciaram suas caminhadas evolutivas em outras galáxias e por causa da evolução do cosmo hoje eles estão aqui.
Só consegui a minha libertação mental quando descobri quem sou, de onde vim, para o quê estou aqui e para onde irei. Perdi o medo de tudo e passei a viver realmente livre.
A nossa constituição física está passando por importantes transformações e muitas experiências já vividas por alguns seres dificilmente serão aceitas pelo atual estágio das nossas ciências e até por nossas atuais religiões, que ainda se escondem na ignorância da fé, no labirinto dos milagres e mistérios.
Como prova do que estou escrevendo digo que no dia 02/02/1991, após fazer um envolvente trabalho mental com o objetivo de por um fim na Guerra do Golfo, recebi um fulminante ataque do plano astral e tive uma parada de coração por várias horas, mas caminhei, dirigi carro e alimentei com líquidos. No exato momento só contei a experiência para a minha esposa, pois decidi que tudo teria que ficar em segredo e não queria ser cobaia da medicina.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 19/05/2005.

114 - Trindade revelada - publicado em 02/08/2005.
Parabéns ao colunista José Reis Chaves pelo artigo: “O erro trinitário” de 11/07/2005. Eu não considero o dogma da Santíssima Trindade como um erro, mas como sendo a fórmula arranjada por aqueles que mandavam e sabiam menos imporem a vontade deles, e também por causa da ignorância da humanidade. A imposição deste e dos outros dogmas é a prova da ignorância da liderança religiosa, já que não sabiam como explicar este ou aquele assunto impuseram goela abaixo os dogmas e quem não os aceitasse corria o risco da excomunhão ou até mesmo da condenação à morte na fogueira. E ainda se diziam serem cristãos!
Em 24/08/1983 recebi uma mensagem explicando o mistério da Santíssima Trindade, que veio esclarecer para mim todas as correntes filosóficas e teológicas sobre Deus, como o monoteísmo, o monismo, o panteísmo, o politeísmo, o dualismo e a evolução, que mostra a salvação para todos. Como consegui unir o estudo religioso como o matemático, ficou fácil desvendar o mistério da trindade para Deus: Deus-Pai, Deus-Filho e Deus Espírito Santo, três pessoas e um só Deus. Essa visão de Deus é o conjunto cósmico, no qual tudo está contido e cada elemento é uma parte ou partícula desse imenso conjunto cósmico. Dividindo esse conjunto em três subconjuntos, temos: Deus-Pai, um conjunto de um só elemento, o Espírito incriado, o qual chamo de Deus-Pai-Mãe; Deus-Filho, o segundo conjunto que contém tudo o que foi criado e está no reino material e Deus Espírito Santo, o terceiro conjunto que contém tudo o que foi criado e está no reino espiritual ou no plano invisível. Temos que libertar a nossa mente e avançar no entendimento de tudo e só assim iremos compreender a Verdade Absoluta. Rosário A. R. Ex-professor da UFMG. BH. 12/07/2005.

146 - Evolução (“Dogmas”: pró e contra) - publicado em 11/08/2006.
Parabéns ao leitor Plínio Lins Brandão pelo artigo: “Dogmas”, de 10/08, e também digo que nada já foi exaustivamente esclarecido. O que houve há séculos foi um terrorismo religioso, pois se alguém falasse que pensava diferente das lideranças religiosas era rapidamente preso, torturado e ou até queimado vivo. Quando um exército católico conquistava um povo pagão, os derrotados tinham o direito da escolha: ‘aceitar o batismo cristão ou morrer.
Para mim dogma foi a forma encontrada para que aquele, que mandava e sabia menos, poder impor a vontade dele como se fosse a verdade. Ouvi de um padre jesuíta duas fantásticas frases: ‘O Deus de muitos cristãos não é cristão’ e ‘o medo de pensar no já pensado’. Aqueles que aceitam a desculpa ou explicação em torno do mistério são realmente acomodados e até incapacitados de aprenderem mais, e reagem, às vezes até com fúria, quando falamos nas explicações dos mistérios com muita racionalidade e até simplicidade.
O segredo é aceitar e estudar a evolução, compreendendo assim que Deus respeita plenamente a nossa liberdade e até de errar, agindo contra a vida, o amor e a felicidade. RAR. Belo Horizonte, 10/08/2006.

201 - Evolução ou Nova Era? - publicado em 05/07/2008.
O universo teve início, que está perdido nas poeiras do tempo, e nunca terá fim, pois o futuro nunca chegará: é algo infinito. Para entender isso melhor, vamos analisar a evolução do conhecimento. Os seres humanos sempre aprendem com os seus antecessores e vão aprimorando o próprio conhecimento. As situações de instabilidade, de caos, de probabilidade e do não-equilíbrio são causadas pela falta de sabedoria. No universo tudo tende para o equilíbrio dentro do dualismo da criação. Uma balança perfeita é a que pesa correto ou quando os seus dois pratos estão equilibrados e o marcador tem que estar no centro.
Grandes pensadores, que ainda não possuíam idéias claras e perfeitas, utilizaram da perfeição da matemática pura para complicar as idéias com sofismas filosóficos; como duas retas paralelas se encontram no infinito ou utilizam da equação da reta para negar a existência da própria reta. Quem defende o caos como a origem da criação e da vida ainda está longe da compreensão da verdade.
Deus iniciou a criação, que nunca mais terá fim. O que poderá ter fim são partes da matéria ou mesmo do universo por um processo originado de seres não perfeitos. Um manvântara, idéia oriental de um ciclo da criação, é equivalente a 311.040 trilhões de anos e um dia de Brahmã, um ciclo menor, possui 432 bilhões de anos e representa a expiração e aspiração de Brahmã de tudo o que existe. O dia de Brahma, que é um buraco negro, não acontece com todo o Cosmo, mas com parte do mesmo e aí temos uma prova que as religiões já sabiam de uma forma não concisa da existência dos “Buracos Negros” na imensidão do Cosmo.
Toda sociedade, que ainda não é perfeita, é dirigida por um sistema de hierarquia, que é representada por uma pirâmide. No posto mais alto só existe um ser, que sempre terá a última palavra. No Cosmo esse ser é Deus e em todos os outros subsistemas sempre haverá alguém ocupando o cargo maior, mas que sempre estará em sintonia com Deus, que é o primeiro criador. Quando a base da pirâmide é reduzida tem-se como limite uma linha perpendicular e quando aumentada, o limite é uma linha horizontal. Nos dois limites temos o egoísmo, o absolutismo e o anarquismo total ou a perfeição total, pois ninguém será chefe de ninguém, todos farão o que quiserem e todos terão seus direitos respeitados, mas também cumprirão suas responsabilidades. Só teremos uma sociedade perfeita, quando todos os membros viverem e conviverem em perfeita harmonia, isto será a paz plena.
Como vivemos numa sociedade, que busca a perfeição, então estamos num constante processo evolutivo. A forma hierárquica mais perfeita é a representada pela figura piramidal, cujos lados e a base formam triângulos eqüiláteros, ou conoidal, onde o diâmetro da base seja igual aos lados do cone. Continuando o raciocínio para o Cosmo, que é dirigido por um ser plenamente perfeito, Deus, tem que ter a forma de uma imensa bola, que teve o seu início e está em eterna expansão. A bola, o círculo e outras figuras perfeitas demonstram que a perfeição é possível: “Portanto, deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48). Rosário Américo de Resende. Belo Horizonte, 14/06/2008.

209 - Evolução humana - publicado em 14/10/2008.
Até o dia 05/01/1980, eu era um defensor da vida única, pois foi exatamente nesse dia que aceitei a verdade das vidas sucessivas. A razão e a lógica da reencarnação é a evolução dos espíritos. Estes, para alcançarem um estado cada vez mais perfeito, tanto no aspecto individual como no coletivo, necessitam por sua vez de corpos mais adequados e perfeitos.
Lendo o artigo: “Evolução humana chegou a seu ápice, diz geneticista” (Interessa 10/10), conclui-se que o artigo: “Ciência recorre à religião pedindo socorro para a Terra” (Opinião 10/10) do teólogo Leonardo Boff está correto. A união perfeita entre a Ciência e a Religião irá ajudar a humanidade em tudo, além de salvar a Terra, irá também mostrar para os seres humanos os meios para entender tudo e até a verdade absoluta.
Deus não é a verdade absoluta, mas só Ele tem a verdade absoluta e só por meio dEle cada um poderá conhecer quem realmente é e depois poderá entender melhor o outro. E finalmente compreenderá mais a Deus, que é o criador primordial; isto é: o único criador incriado, que deu início à criação.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 11/10/2008.

218 - Evolução- publicado em 07/02/2009.
Agradeço à colunista Fátima Oliveira pelo artigo: “Saudades de Rogério Lustosa no bicentenário de Darwin” (Opinião 3/2), onde expõe a Teoria da Evolução. Ela ainda defende que essa teoria separou definitivamente a ciência da religião.
Eu já defendo o contrário e digo que a Teoria da Evolução abriu os caminhos para uma perfeita união da ciência com a religião. Qualquer ser para evoluir teve que ser criado antes por um outro ser, pois o nada não pode gerar algum ser novo. A teoria científica de Darwin, que data de 1858, surgiu um ano depois da publicação de “O Livro dos Espíritos” do professor Allan Kardec, no qual defende e comprova a evolução dos espíritos pela reencarnação, que vão conquistando conhecimentos e sabedoria.
A compreensão da Teoria da Evolução dos seres vivos e das vidas sucessivas dos espíritos leva um bom e livre pesquisador à Teologia da Libertação. Com uma perfeita visão científica e religiosa, ele fica em condições de entender melhor entender melhor a si e a todos os outros seres vivos, como também a Deus, que deu o pontapé inicial em todo processo da criação, que se tornou semieterno, pois só Deus é eterno, já que não teve início. Rosário Américo de Resende. Belo Horizonte, 03/02/2009.

222 - Evolução - publicado em 10/04/2009.
Enquanto lia o artigo: “Uma vida paralela à humana aguarda a hora de se revelar” do colunista Trigueirinho (Opinião 5/4), ia também pensando como é difícil falar da evolução de cada ser criado e dar explicações sobre a mesma. O colunista divide o processo da evolução em três níveis: a humana, a dos elementais e dos devas.
Na realidade existe a evolução dos seres criados: os espíritos, que vão adequando a matéria às suas necessidades. Os espíritos, em suas caminhadas evolutivas, passam pelos reinos mineral, vegetal, animal e hominal. Agora a evolução chegou a um nível tão avançado mental e fisicamente falando, que está surgindo na terra o 5º nível: o angelical. Neste reino os seres humanos terão consciência de toda a sua condição evolutiva e também irão buscar a plena harmonia e perfeição de todo o conjunto planetário e até cósmico. Então não existe um sistema evolutivo em três situações paralelas.
Os espíritos, após serem criados, começam a evoluir em busca do conhecimento, da bondade e da perfeição. Cada um assume uma responsabilidade para com o processo evolutivo total em função de suas condições, que já foram conquistadas em sua caminhada já efetuada, responsabilidade que está oculta sob o véu do segredo de muitos milênios. Rosário Américo de Resende. B. Hte, 05/04/2009

quarta-feira, 11 de março de 2009

A Mulher e o Aborto

A mulher, para mim, sempre representa em primeiro lugar a MÃE. E MÃE é aquela pessoa, que foi escolhida por Deus até antes de dar o início da Criação, para ser a guardiã da VIDA de um novo ser, desde o primeiro instante de sua geração ou de sua existência, que ocorre na fecundação de um minúsculo óvulo feminino pelo espermatozóide masculino.
A criação de um novo ser humano exige um ato de entrega e de amor entre os seus futuros pais e assim um filho ou filha representa o fruto do AMOR entre dois seres adultos.
E ninguém pode matar um SER, então também não se pode matar um novo ser só porque ele ainda necessita em tudo de sua MÃE e está bem protegido em seu ventre.

Sou um defensor da VIDA em toda a sua existência e respeito plenamente o mandamento: "Não Matarás" (Ex 20, 13 e Dt 5,17).
O aborto para mim é um ato criminoso e dos mais vis, pois mata-se o fruto do amor ou se não for, então estão matando um ser, que ainda não se pode defender e que não pediu para estar onde está.
Eis todos os meus artigos, onde exponho a minha visão com relação à Mulher e ao Aborto, já publicados ou não, que escrevi e foram enviados para o jornal O TEMPO:
26 - O Mito da Mulher Universal - Publicado em 07/03/2003.
Parabenizo a coluna de Fátima Oliveira de 05/03/2003 sobre o Dia Internacional da Mulher. Tudo o que se tem hoje já custou a vida de muitas pessoas no passado e aí se tem a prova da lei evolutiva e do aperfeiçoamento de cada um. Veja que, no dia 08/03//1857, 129 mulheres foram queimadas vivas no interior de uma fábrica, a mando dos patrões, em Nova York, Estados Unidos.
Hoje o presidente Bush está como um ser animalesco, fazendo de tudo para jogar toneladas de bombas sobre nossos irmãos iraquianos só por causa do orgulho ferido e pelo desejo tirânico de impor o poder sobre o mundo. Quantos seres humanos irão chorar os filhos, os pais, os irmãos, os companheiros destruídos sobre as bombas?
Voltando as mulheres digo que é necessário uma mudança masculina com relação ao feminino. Muitos homens só vêem as mulheres como objeto para satisfazerem aos seus desejos machistas.
Num certo dia, um sobrinho, aproximou-se de mim e perguntou-me: “Tio, o que o senhor acha sobre a gente gandaiar?” Sabendo que não adiantava simplesmente condenar as atitudes do meu sobrinho, respondi a ele assim: “Bom, vou fazer-lhe algumas perguntas e depois você analisa as suas respostas. Você gostaria que a sua mãe fizesse isso?” “Não, tio!” Foi a resposta que eu esperava. “Você gostaria que suas irmãs fizessem isso?” “Não Tio!” “Se você vier a ter filhas, gostaria que elas fizessem isso?” “Não, tio!” “Você gostaria que a sua namorada fizesse isso com outro?” “Não, tio!”
Finalizando disse: “Pois é, enquanto você está gandaiando está com a mãe, a irmã, a filha ou a namorada de alguém. Analise as suas respostas e tome a sua decisão”. Após pensar um pouco, concluiu: “Não é que o senhor está certo, tio!”.
Temos que ver em cada mulher a razão da vida e do amor verdadeiro, e não apenas uma fonte de atos irresponsáveis, libertinos e adúlteros.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 06/03/2003.

32 - SEXO, MENTIRAS E ESPIONAGEM - Publicado em 08/05/2003
Lendo o artigo “Sexo, Mentiras e espionagem atordoam o FBI” de 26/04/2003 pode-se concluir que os seres humanos precisam se transformar em humanos e deixarem de ser exploradores e traidores de seus semelhantes. O temível e famoso FBI caiu em suas próprias armadilhas, pois a agente Katrina Leung manteve romances secretos com os chefões do FBI para descobrir e passar informações secretas para a China.
O ato sexual é a forma mais bela, prazerosa e digna para a demonstração de um amor fiel, puro e verdadeiro entre um homem e uma mulher. A fidelidade mútua gera confiança, prazer, felicidade e paz para o casal. Tudo isso faz parte do projeto da criação feito por Deus-Pai-Mãe, que planejou tudo respeitando plenamente a liberdade de todos: “Por isso um homem deixa seu pai e sua mãe, se une à sua mulher, e eles se tornam uma só carne” (Gn 1,23). “Jesus disse: “Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres, mas no início não era assim”” (Mt 19,8).
A vileza e maldade humanas passaram a utilizar da magia sexual para envolver, trair, enganar e explorar seus semelhantes em função da sublime atração amorosa e sexual entre as pessoas. Tanto homens como mulheres já utilizaram do sexo para atrair e trair seus semelhantes. Outros utilizando de seus poderes tentaram e fizeram de tudo para satisfazerem seus desejos sexuais de uma forma pior do que as feras animalescas, pois estas só praticam o ato sexual na época do cio.
Vemos esses exemplos até na Bíblia. José do Egito foi odiado e acusado pela esposa de Putifar, porque não aceitou o convite dela para que praticassem sexo (Gn 39). Sansão apaixonou-se pela filistéia Dalila, casou e foi traído por ela (Jz 16). A bela viúva Judite soube encantar, envolver e degolar a Holofernes, o general do exército assírio, que caiu em suas armadilhas por causa da beleza feminina (Jt 8 a 13). Amnon apaixonou-se por sua irmã Tamar e depois de violentá-la a desprezou (2Sm 13). O grande rei Davi encantou-se por Betsabéia e a engravidou, enquanto seu marido Urias estava na guerra. Depois tentou enganar a todos, pois mandou chamar o próprio soldado Urias para ter notícias da guerra e por causa das atitudes dele deu ordens para que o comandante Joab o traísse na frente do combate para que morresse (2Sm 11). Dois vis juízes tramaram para que a bela Suzana se subjugasse ao cumprimento do desejo sexual deles, pois apaixonaram por ela. Por causa da recusa a acusaram e ela foi condenada à morte. Suzana foi protegida e salva pelo profeta Daniel, enquanto os dois juízes foram condenados à morte (Dn 13). Os seres humanos precisam aprender a se humanizarem e amarem com respeito, perfeição e fidelidade. Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 05/05/2003.

40 - BÍBLIA E SEXO - Publicado em 23/08/2003.
A Bíblia mostra o caminho do nosso aperfeiçoamento, até no aspecto sexual. Siga-o quem quiser pois temos o livre arbítrio. Jesus veio dar pleno cumprimento à Lei e até que passem o céu e a terra, não será omitido um só i, uma só vírgula da Lei. Lei é Lei e Lei é cega (Mt 5,17 a 19). “Portanto, deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48).
Eis o resumo dos ensinamentos bíblicos para a nossa evolução no campo sexual:
“Deus os abençoou e lhes disse: “Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a (Gn 1,28). Por isso um homem deixa seu pai e sua mãe, se une à sua mulher, e eles se tornam uma só carne. Ora, os dois estavam nus, o homem e sua mulher, e não se envergonhavam” (Gn 2,24 e 25).
“Não cometerás adultério. Não cobiçarás a mulher do teu próximo (Dt, 5,18 e 21). Quem tiver coito com um animal será morto (Ex 22,18). Maldito seja aquele que se deita com um animal (Dt 27,21). Não darás o teu leito conjugal à mulher do teu compatriota, para que não te tornes impuro com ela (Lv 18,20). O homem que se deita com outro homem como se fosse uma mulher, ambos cometeram uma abominação deverão morrer, e o seu sangue cairá sobre eles” (Lv 20,13).
Susana gemeu, dizendo: “Estou cercada por todos os lados: se eu fizer isso, aguarda-me a morte; e se eu não o fizer, não escaparei de vossas mãos. Mas é melhor para mim, não o tendo feito, cair em vossas mãos, do que pecar diante do Senhor” (Dn 13,22 e 23).
“Eu, porém, vos digo: todo aquele que olha para uma mulher com desejo libidinoso já cometeu adultério com ela em seu coração, todo aquele que repudia sua mulher, faz com que ela adultere e aquele que se casa com a repudiada comete adultério” (Mt 5,28 e 32). Ele disse: “Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres, mas desde o princípio não era assim. E eu vos digo que todo aquele que repudiar a sua mulher e desposar uma outra, comete adultério” (Mt 19,8 e 9). Com efeito, há eunucos que nasceram assim, desde o ventre materno. E há eunucos que foram feitos eunucos pelos homens. E há eunucos que se fizeram eunucos por causa do Reino dos Céus” (Mt 1912).
Cada um ponha a mão na sua consciência e viva tranquilamente a vida. Colhemos aquilo que plantamos. Temos que estudar e compreender o passado, viver e entender o presente e planejar a construção do futuro. A plena felicidade é fruto da fidelidade e confiança plenas.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte. 21/08/2003.

44 - A Bíblia e o Divórcio - Publicado em 12/10/2003.
Na liturgia da Missa de 05/10/2003 se pôde ver ensinamentos e orientações contrários ao divórcio. Tanto na 1ª Leitura como no Evangelho ficou claro que biblicamente o caminho da perfeição é o do: “Até que a morte os separe”. Exemplos: “Por isso um homem deixa seu pai e sua mãe, se une à sua mulher, e eles se tornam uma só carne” (Gn 2,24) e “Jesus, então, lhes disse: “Por causa da dureza dos vossos corações ele escreveu para vós esse mandamento. Mas desde o princípio da criação ele os fez homem e mulher. Por isso o homem deixará o seu pai e a sua mãe, e os dois serão uma só carne. Portanto, o que Deus uniu o homem não separe”. E ele disse: “Todo aquele que repudiar a sua mulher e desposar outra, comete adultério contra a primeira e se essa repudiar o seu marido e desposar outro, comete adultério”” (Mc 10,5 a 7,9,11 e 12).
Como todo casamento se completa com a relação sexual, então quando existe um ato sexual entre um homem e uma mulher houve também um casamento rápido. Em todo relacionamento íntimo existe uma grande troca de energias entre os parceiros, também gera-se uma imensa energia, que envolve profundamente o casal e que o acompanha para sempre. Todos somos livres, mas temos que ser responsáveis por todos os nossos atos. Nunca podemos confundir libertinagem, anarquia e irresponsabilidade com amor e evolução. Todos querem a felicidade e para isso necessitam da confiança e fidelidade plenas. Rosário Américo de Resende. Belo Horizonte, 06/10/2003.

51 - Direito de decidir - Publicado em 07/01/2004.
Quero agradecer à colunista Fátima Oliveira pelo artigo: “Maria teve respeitado seu direito de decidir”, publicado no dia 24/12/2003, já que me proporcionou essa oportunidade de condenar o aborto. No artigo a colunista continua defendendo o aborto, como já o fez em muitos outros e apresenta de uma forma condenatória o Dr. Ives Gandra Martins como um fundamentalista religioso e um defensor da proibição do aborto.
Na universidade da vida temos os mestres e os líderes, estes só vêem e ensinam aquilo que parece o melhor para o momento e aqueles ensinam o caminho do aperfeiçoamento para a eternidade. Temos na Bíblia Sagrada os ensinamentos que nos conduzem a perfeição: “Não Matarás (Dt 5,17). Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. Portanto, deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito (Mt 5,8 e 48). Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8,32).
O aborto é um ato que mata um ser inocente e indefeso, que só veio habitar o ventre materno porque houve uma ação que possibilitou a sua vinda para a vida. Como o aborto mata um ser indefeso, então ele é contrário ao mandamento “Não Matarás”, que é uma defesa incondicional da vida em qualquer condição. O aborto é também um ato de infidelidade para com a vida e com aquele ser, que veio habitar entre nós, já que houve uma concepção e alguém confiou plenamente naquela que seria sua futura mãe terrena e sua primeira protetora das mazelas de muitos na história da humanidade. O aborto é também um ato de revolta e de infidelidade para com Deus, pois foi Ele que criou a beleza da encarnação de um espírito entre nós, possibilitando o aprimoramento do mesmo e de toda a humanidade.
O nascimento de um novo ser é a maior prova de amor, confiança e fidelidade entre os seres humanos, então não podemos enlamear os frutos do amor e da beleza da vida com atos vis e nefandos só para defender e ou ocultar a irresponsabilidade e libertinagem de certas pessoas.
Cada um é o único responsável por todos os seus atos e pelos frutos se conhece uma árvore. Uma árvore boa só dá bons frutos e analisem também a parábola do “Trigo e do Joio” (Mt 13,24 a 30), onde o joio é protegido para não destruir o trigo. A colunista não foi feliz em utilizar da fantástica pessoa de Maria de Nazaré para justificar a sua posição em defesa do aborto. Deus sempre nos respeita plenamente, mas o sangue dos inofensivos fetos clama aos céus por justiça, já que não receberam o amor materno daquelas, que agiram conforme a lei natural para a perpetuidade da própria raça. É ótimo praticar o sexo com liberdade, prazer e amor, mas também com fidelidade e responsabilidade.
Rosário Américo de Resende. Belo Horizonte. 05/01/2004.

65 - Vida e aborto - Publicado em 29/05/2004.
Para mim a vida de um ser físico inicia-se no momento da fecundação. O aborto é um dos crimes mais vis e nefandos, que existem, pois alguém que deveria ser o “fruto de um amor verdadeiro, puro e fiel” é condenado, sem nenhum meio de defesa, à morte pela própria mãe. Este crime brada aos céus por justiça.
Existem mulheres que, desvirtuando a lei da vida, buscam legalizar uma defesa deste crime pelas leis dos homens. Estas estão agindo contrariamente ao belo projeto da vida e à plenitude do Projeto da Criação feito por Deus, pois querem matar a um inocente, que só está em seu ventre porque tiveram um relacionamento sexual com o pai daquele feto.
A figura da mãe é a imagem ou o papel mais fantástico e belo da mulher, que foi feito por Deus para ela. Ser mãe é o que há de mais sublime para a mulher, pois Deus no Projeto da Criação a escolheu para proteger e guardar no seu ventre um outro ser tão indefeso, que não sobreviveria de uma outra forma e que a mulher o chama de meu filhinho ou meu bebê.
A visão da vida depende do grau evolutivo do espírito que, no corpo ou fora dele, põe-se a mensurá-la conforme as suas capacidades intelectuais e morais. Aqueles que já possuem uma visão infinita defendem infinitamente a vida e aqueles, que só vêem os seus interesses, fazem da vida dos outros um projeto medíocre e mesquinho.
Quero perguntar a quem defende o aborto se gostaria que a mãe dele o tivesse abortado no início da sua vida física? Jesus já nos ensinou que ele veio nos trazer vida e vida em abundância (Jo 10,10).
Rosário Américo de Resende. Belo Horizonte. 26/05/2004.

126 - JK e JK - publicado em 13/01/2006.
Agradeço ao leitor Eustáquio Duarte pelo artigo: “JK” de 06/01/2006. O irmão deu-me oportunidade de expor algo sobre a evolução. Primeiro cito o último parágrafo escrito por ele: “Assim era o bem-amado JK: um homem infiel a sua esposa e idealizador da faraônica Brasília, que endividou o país. Se fosse um ditador seria um crápula, porém, como era democrata... Democratas podem, não é?”.
Nós, que somos espíritos em eterna evolução e que também estamos em busca da perfeição, temos que entender que só estaremos em paz de consciência e seremos felizes quando formos fiéis em todos os atos e atitudes de nossas vidas. A maior prova de que estamos perante um espírito encarnado já evoluído é quando ele ou ela é fiel no casamento antes, durante e até à morte do cônjuge. Muitos seres humanos traem ao seu cônjuge assim que surgem oportunidades e ainda julgam que são espertos, mas estão agindo como um animal e não como um ser humano.
O processo de evolução ou de nossas vidas sucessivas torna-se muito complicado por causa das traições, infidelidades e principalmente a falta de fidelidade com relação à vida sexual, pois num ato sexual existem trocas profundas de emoções e energias entre os seres envolvidos. Quando acontecem trocas de parceiros sexuais então as complicações, que advêm das emoções vividas, das energias geradas e trocadas, são intensas e de difíceis soluções. A maior segurança contra a AIDS e outras doenças sexuais é a fidelidade absoluta na vida sexual, isto é: antes, durante e depois do sim.
Vou citar apenas dois exemplos importantíssimos da história atual e remota, que complicaram a vida de duas pessoas por causa de comportamentos adúlteros: John Kennedy (o JK do Norte), que foi assassinado porque não estava em vigilância em relação à vida sexual e para não se complicar muito na atual encarnação, e o grande rei Davi, que além do ato adúltero ainda mandou trair covardemente a um valente soldado. Este ato de dupla vileza do rei Davi deve lhe causar cobrança até hoje, pois incluiu em seus vis atos o comandante Joab, já que lhe enviou ordens para trair e matar o fiel soldado Urias (2Sm 11,15).
Em tempo, um conselho para o presidente Jorge W. Bush: ‘cuidado com seus atos, pois poderá ter o mesmo caminho do Pinochet, que está sendo julgado por atos tirânicos. Você está agindo como um destruidor de governos e assassino de muitos de nossos irmãos de evolução’.
Rosário Américo de Resende. Belo Horizonte, 07/01/2006.

130 - Fátima Oliveira (Aborto) - publicado em 17/03/2006.
Parabenizo à Dra. Fátima Oliveira pelo artigo: “Vendaval fundamentalista” de 15/03/2006, mas sou defensor da vida, desde o seu início.
Concordo com a posição do bispo em dizer que fundamentalismo nunca foi coisa boa e principalmente se ele for de fundo religioso. O fundamentalismo cassa a nossa liberdade de agir, então destrói o livre-arbítrio.
Existem vários tipos de leis e as leis só são necessárias por causa da nossa imperfeição ou ignorância. Quando vivermos em uma sociedade perfeita não haverá mais necessidade de leis, pois o amor reinará em todos os corações, a vida será protegida desde o seu início e todo feto será fruto de um ato amoroso e responsável.
Dra. Fátima, você tem o direito de falar o que quiser e ainda defender seus pontos de vista a favor do aborto como um ato da vontade livre da mulher. Dr. Fátima, você precisa saber que nós somos seres em evolução e iremos colher o que semeamos (Gl 6,7), temos que obedecer ao mandamento: “Não Matarás” (Ex 20,13). Nós começamos a conhecer o ser que somos pelas nossas palavras: “a boca fala daquilo de que está cheio o coração” (Lc 6,45).
Eis o meu aviso para você, Dra. Fátima, como você é uma defensora do aborto, digo que as leis são severas e toda lei tem que ser obedecida. Quando você desencarnar irá ter dificuldades para reencarnar, você poderá ser abortada por muitas e muitas vezes ou até mesmo terá que encarnar em uma sociedade ou planeta bem mais atrasado do que a nossa mãe terra, que está subindo na escala cósmica... Aí poderá haver choro e ranger de dentes. O aviso foi dado e quem avisa amigo é.
Rosário Américo de Resende. Exprofessor da UFMG. Belo Horizonte. 15/03/2006.

174 - Aborto - publicado em 01/06/2007.
Agradeço à Dra. Fátima Oliveira pelo artigo: “Defendo o aborto, como chefe de Estado” (Opinião 22/05). A articulista divulga um artigo do presidente Lula de 15/05/2007 no “Jornal de Debates.com.br”. Neste artigo o presidente revela que, como cidadão, é contra o aborto, mas como chefe de Estado considera que o aborto seja tratado como questão de saúde pública e isto quer dizer que ele mudou de opinião.
Para mim, o aborto é um crime e dos mais vis, pois mata ou assassina um ser, que não tem direito de se defender e que está no início de sua vida. Defender a legalização de um crime é mil vezes pior do que fazer o crime, pois isto faz com que muitas pessoas pensem que aquele ato deixou de ser vil e criminoso, pois se tornou permitido pelas leis dos homens.
Agora eu pergunto: “Perante as leis perfeitas e justas, o Lula vai ser julgado como um cidadão comum ou como o presidente do Brasil, que defendeu a legalização do aborto?”. Caso o aborto seja legalizado digo que todos os que trabalharem ou votarem em sua defesa, terão parcelas de culpas sobre todos os abortos, que forem realizados legalmente depois, perante as leis justas e perfeitas da espiritualidade.
Para conquistar a perfeição é necessário defender a vida desde o seu início. Nunca se pode misturar liberdade e fidelidade com irresponsabilidade e libertinagem ou até mesmo com anarquia. Também não podemos defender assassinatos como uma questão de saúde pública. RAR. Belo Horizonte, 24/05/2007.

185 - Bebê no Arrudas - publicado em 10/10/2007.
Quero comentar a carta do leitor Nacib Hetti, que em função de um ato criminoso de uma mulher ter jogado a filho no Arrudas, ele pede a legalização de uma série indefinida de atos também criminosos, mas com a legalização do aborto ficaria parecendo que tais atos deixaram de ser vis e criminosos perante o processo evolutivo. O nosso irmão Nacib pede a aprovação do abrot para que bebês não sejam mais lançados no Arrudas, pois os ‘fetos’ serão eliminados (assassinados) com poucos dias ou meses de vida. Todos os que defendem a legalização do aborto terão parcelas de culpas juntamente com os responsáveis pelas execuções de todos os abortos que forem feitos após a legalização. O mandamento “Não Matarás”, não fala em idade e nem identifica o que não se pode matar, então é tudo o que tem vida. O aborto, mesmo sendo legalizado pelos homens, sempre será um crime e um ato vil perante as leis espirituais.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 15/07/2007.

191 - Vida e morte (Aborto) - publicado em 12/01/2008.
A medicina tem como objetivo primordial a proteção à vida de todos os seres humanos e em todas as circunstâncias. Quando um membro da medicina age contra a vida, então estará agindo contra a principal razão da medicina: salvar vidas.
A doutora Fátima Oliveira no artigo: “O canto do cisne do PL nº 1.135/191?” continua defendendo o direito à liberdade reprodutiva da mulher, mas o seu intento é sempre dar plena liberdade à mulher para que ela possa decidir ou não a continuação de uma gravidez, em outras palavras permitir que a mulher mate ou não um filho, ainda como um feto.
Eu concordo com a sua posição em defender o direito da mulher em querer ou não ter um filho, mas isso tem que ser antes da gravidez. Quando a mulher já está grávida, ela já tem um novo ser em seu ventre e fazer o aborto é um ato contrário à vida daquele pequeno ser, pois está matando ou assassinando um ser, que ainda não tem como se defender.
Vemos todo o esforço da sociedade em proteger os bebês e as crianças, após o nascimento. Por que a diferença com relação aos fetos? Estes são mais inocentes ainda ou eles ainda não são novos seres, só por que dependem em tudo de suas mães para sobreviverem?
Para mim, o aborto legalizado ou não sempre será um crime maior perante a justiça espiritual, pois muitas vezes a justiça humana nem fica sabendo de nada sobre esses atos vis e desumanos contra os fetos, que deveriam ser os frutos do amor e do calor humano. E matar um novo ser no início de sua vida não reduz a culpa de ninguém perante o que está escrito: “Não Matarás”. Rosário A. de Resende. B. Hte. 10/12/2007.

203 - Aborto (Abortar é um ato contra uma vida indefesa) - publicado em 30/07/2008.
O aborto é um ato contra a vida de um ser ainda indefeso e que não pediu para estar no útero de sua mãe, então é uma ação contrária ao mandamento “Não Matarás” (Dt 5, 17). Cada aborto pode ter várias causas e poderá gerar muitos efeitos. Cada caso é um caso único e será analisado em função do próprio ente abortado e de todos aqueles, que estão envolvidos com o mesmo. Existem os abortos naturais e os provocados, mas estes sempre são atos contrários à vida e ao amor.
Existem abortos provocados pela rejeição entre o ente reencarnante com a vibração de sua futura mãe e outros abortos são causados por obsessores.
Quem faz o aborto comete um ato de violência contra a vida de um novo ser, mas pode ter sido levado a esse ato por variáveis tão complexas, que as conseqüências poderão ser amenizadas. Já quem faz o aborto em outras pessoas como um ato profissional terá maiores complicações com a justiça perfeita no futuro. Se essa pessoa for um médico, seus problemas com a lei perfeita serão maiores, pois os profissionais da medicina foram preparados para defender a vida e não para destruir vidas.
Quem defende a legalização do aborto pode estar cometendo maiores danos e crimes perante a lei da vida e da evolução do que aqueles que abortam e fazem abortos, pois os defensores da legalização transformam atos criminosos e vis em atos legalizados e aceitos como corretos. Cada um colhe aquilo que plantou e está semeando para futuras colheitas. E o aborto não é uma semente de uma boa colheita.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 25/07/2008.

33 - Estado de cio (Não Publicado)
Lendo o artigo do Odin Andrade de 03/03/2003 julguei ser oportuno comentar um pouco sobre o assunto: sexo. Sexo por sexo não eleva o ser humano em nada e em muitas vezes o coloca em uma situação inferior aos animais irracionais. O animal macho só procura a fêmea quando ela está no cio, então no reino animal o acasalamento só existe para a procriação e para a perpetuidade da espécie.
Os seres humanos, que alcançaram um nível evolutivo mais avançado, tanto o homem como a mulher procuram o relacionamento sexual mais para o prazer do que para a procriação. Isso não é uma desobediência à lei da criação: “Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a” (Gn 1,28), mas uma conseqüência natural da lei evolutiva, que é a vivência perfeita do amor puro e fiel entre um homem e uma mulher.
O ser humano foi criado para ser feliz, ter felicidade e saúde na vida. A existência da felicidade está ligada à fidelidade e ao compromisso mútuo: “Por isso um homem deixa seu pai e sua mãe, se une à sua mulher, e eles se tornam uma só carne (Gn 2,24). De modo que já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não deve separar” Mt 19,6).
Nunca podemos confundir liberdade com libertinagem. Também está escrito: “Não cometerás adultério” (Dt 5,18). Como o casamento se completa com o ato sexual, então o acasalamento já é um casamento e dessa forma o número de adultérios tornou-se muito grande também até para as mulheres. A mulher querendo ser igual ao homem em tudo passou a segui-lo também naquilo em que ele era mais negativo: a multiplicidade de parceiros na vida ou a infidelidade.
A lei existe para ser obedecida e quem desobedece à lei assume dívidas para com a lei. Ninguém pode subir na escala evolutiva antes de pagar todos os carmas ou erros cometidos, pois só com a consciência tranqüila e o coração puro é possível ver a Deus (Mt 5,8).
Rosário Américo de Resende. Belo Horizonte, 07/03/2003.

56 - Sexo e amor (Não Publicado).
Parabéns à articulista Johanna Homann Freire pelo artigo “Sexo e amor” de 31/01/2005. No meu ponto de vista o sexo deve ser um complemento ou até um acessório do amor entre um homem e uma mulher, pois a maior prova de amor e de entrega é o encontro íntimo entre os dois. Quanto mais respeito e entrega houver mais prazerosa será a união íntima do casal.
Já o sexo apenas como sexo e sem amor transforma os seres humanos em desumanos e até piores do que os animais irracionais, pois estes só fazem a cópula quando a fêmea está no cio e aqui só existe o objetivo da procriação.
O ato sexual para os seres humanos tem dois objetivos: procriação e prazer. O mesmo trará cada vez mais felicidade para os dois quando houver confiança e fidelidade plenas entre eles. A fidelidade sem confiança gera intranqüilidade e mata a felicidade. A quebra da fidelidade gera medo de ser descoberto e muito desconforto, e isso destrói a felicidade. Havendo fidelidade e confiança haverá também a tranqüilidade interior que é a mãe da felicidade.
A maior segurança contra qualquer doença sexual transmissível é a fidelidade plena, esta traz felicidade e muito prazer, como também aumenta a harmonia e eleva o nível evolutivo do casal. Os filhos gerados nos relacionamentos íntimos e prazerosos do casal são os frutos do amor. Isto está conforme à Bíblia: “Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei terra e submetei-a;...” (Gn 1,28). Deixo esta pergunta para os leitores: Por quê a Raquel, a mulher amada de Jacó, era inicialmente estéril e só depois do patriarca Jacó ter tido 10 filhos e uma filha com as outras três mulheres é que Raquel teve o filho? Veja que ela não era estéril e morreu após o parto do segundo filho.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 04/02/2005.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Teologia de Sangue.

Meus artigos condenando a Teologia de Sangue já publicados no Jornal O TEMPO:

121 - Teologia de sangue I - publicado em 19/11/2005. (1)
Parabéns ao colunista José Reis Chaves pelo artigo: “Deus repugna a teologia de sangue” de 13/06/2005. Ficou muito claro para quem deseja entender a verdade, que a teoria sofista de que o sangue de Jesus derramado na cruz redimiu o gênero humano é muito infantil e nos apresenta um “Deus tirânico, carrasco e sem condições de compreender a ignorância dos primeiros seres humanos”. A “teologia de sangue” é o grande absurdo e o maior erro dos teólogos.
Os ensinamentos do apóstolo São Paulo erroneamente nos induziram e ainda induzem aos erros teológicos sobre a salvação pela fé e reforça o embasamento da “teologia de sangue”. No Antigo Testamento vemos em vários trechos a prova da existência de sacrifícios sangrentos para aplacar a ira de vários espíritos, que, às vezes, foram nos apresentados como se fossem o próprio Deus. Abraão quase sacrificou o próprio filho Isaac, que foi salvo pela intervenção de um anjo. Abraão caiu como um pato na armadilha de um espírito, que só queria proteger ao filho da escrava Agar, o Ismael e que a quase totalidade dos católicos, protestantes e pentecostais julgam ser o próprio Deus.
Todas as religiões, que ainda fazem e ou defendem a morte de animais para aplacar a ira de algum espírito ou mesmo para resolver este ou aquele problema estão milhares de anos mais atrasadas do que o cristianismo, que teve o seu início há dois mil anos e fundamentado nas bases do perdão, do amor, da caridade e na busca da verdade: “Temos que falar aquilo que sabemos e conhecereis a verdade e a vos libertará” (Jo 3,11 e 8,32). Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 16/06/2005.

123 - Teologia de sangue II - publicado em 16/12/2005. (2)
Parabéns à leitora Franca Silva pelo artigo: “Teologia infantil” de 22/11/2005. Com esse artigo o irmão leitor nos dá mais oportunidade de comentar mais sobre a ignorância e infantilidade, para não dizer crueldade, da teologia de sangue.
Hoje se condena os sacrifícios sangrentos realizados por algumas religiões e quase todos os teólogos cristãos ensinam que tais religiões são pagãs. Se hoje as mortes de animais, que são feitas como sacrifícios por elementos de algumas religiões como meios para agradar ou aplacar a ira deste ou daquele espírito, são condenadas, então por que aceitá-las como certas e corretas quando estão relatadas na Bíblia? Realmente os sacrifícios sangrentos estão em toda a Bíblia, iniciando com o sacrifício feito por Abel (Gn 4,4), que foi aceito por um espírito, que nunca poderia ter sido considerado como o próprio Deus, pois está escrito: “Porque é amor que eu quero e não sacrifício” (Os 6,6). Também está escrito: “Não matarás” (Ex 20,13).
Irmã Franca Silva, quem evolui somos nós, espíritos criados e não Deus! Veja também que Jesus reformou a lei mosaica em várias passagens e hoje nem se cogita mais em matar seres humanos por este ou aquele pecado, até os pecados referidos na Bíblia já são aceitos como se tudo fosse normal. RAR. B. Hte. 29/11/2005.

169 - Teologia de sangue III - publicado em 30/03/2007. (3)
Parabéns ao leitor Luciano Ribeiro pelo artigo “Origem da fé” (Opinião 26/3), no qual fez comentários a dogmas, que tiveram suas origens em crenças pagãs. Gostei muito da referência feita a um dos maiores absurdos proferidos pelos teólogos, que defenderam que Deus só perdoou à humanidade do pecado de Adão e Eva porque o sangue de Jesus foi derramado na cruz.
Defender que a humanidade só se reconciliou com Deus, o plenamente bom, sábio e perfeito, só porque alguns homens traíram, julgaram injustamente, torturaram, condenaram à morte e mataram o Mestre Jesus na cruz, mostra realmente uma total ignorância teológica. Essa teologia de sangue, que consta em toda a Bíblia, nos apresenta um Deus sanguinário, vil e guerreiro, que só aplaca a sua ira com sangue, é irracional e muito pagã.
Os mesmos teólogos, que aceitam os sacrifícios de sangue da Bíblia, chamam as religiões, que ainda fazem sacrifícios de animais e até humanos na atualidade, de crenças pagãs e que agem assim por causa da ignorância de seus adeptos. Se no presente a matança de animais em cultos religiosos não está correta, também não estava nos tempos antigos, então quem aperfeiçoou foram os seres humanos e não Deus.
Rosário Américo de Resende, ex-professor da UFMG. Belo Horizonte, 28/03/2007.

170 - Teologia de sangue IV – publicado em 13/04/2007. (4)
Estou comentando o texto “Paixão de Cristo” do leitor Stenio Jardel Medeiros dos Reis, publicado no dia 11. 4 nesta página, no qual discorda do escritor Paulo da Silva Neto Sobrinho, que escreveu sobre a “Teologia de sangue” em 4.4. Agradeço muito ao leitor, pois nos deu mais oportunidades de esclarecer e comentar mais sobre a absurda e infantil conclusão que chegaram os teólogos cristãos. Tanto os teólogos católicos como os protestantes ensinaram e ensinam o que o leitor escreveu: “A morte de Jesus e sangue derramado na cruz foi a maneira encontrada por Deus para que a humanidade fosse salva e regenerada do pecado de Adão e Eva”. Que santa ignorância.
Deus é bom, sábio e perfeito, isto todos aceitam. Agora defender que Deus só perdoou à humanidade porque os perversos traíram, crucificaram e mataram Jesus na cruz, é de uma tamanha ignorância e infantilidade teológica, pois assim considera a Deus como o pior dos tiranos. Ninguém nunca ofendeu a Deus, então esta teologia de que o sangue de Jesus já nos salvou é uma pura mitologia pagã. Hoje, os próprios teólogos cristãos, consideram as religiões, que ainda fazem sacrifícios de sangue de animais ou de seres humanos, como religiões pagãs. Se na atualidade isto é um ato pagão, antigamente também tinha que ser. Quem evoluiu foram os seres humanos e, não, Deus. Rosário Américo de Resende. Belo Hte, 11/04/2007.

171 - Teologia de sangue V - publicado em 21/04/2007. (5)
Parabéns ao escritor Paulo da Silva Neto Sobrinho pelo esclarecedor artigo: “Sacrifício de Jesus” (Opinião 19/4). Realmente os teólogos cristãos ensinam que o sangue de Jesus derramado na cruz foi para redimir o gênero humano do infantil e mitológico pecado de Adão e Eva, que é também conhecido como o pecado original.
Esse ensinamento tem dois graves erros, por causa da ignorância dos primeiros teólogos cristãos, que continuam sendo ensinados como verdadeiros até hoje. O primeiro erro vai de encontro a outros ensinamentos bíblicos: “Os pais não serão mortos em lugar dos filhos, nem os filhos em lugar dos pais. Cada um será executado por seu próprio crime” (Dt 24,16). O mesmo ensinamento está em Ezequiel 18,20. Então fica claro que a heterorredenção não pode ser verdadeira, como ensinam os teólogos cristãos. O segundo erro é porque nos apresenta um Deus imperfeito e até perverso, que só perdoou a humanidade porque alguns homens traíram, torturaram, crucificaram e mataram Jesus na cruz.
Esse Deus, não bom, só se reconciliou com a humanidade pelo sangue de Jesus, tese esta contida em outros trechos bíblicos, como no cumprimento do vil voto do juiz Jefté, que sacrificou a própria filha a um espírito (Juízes 11, 29 a 40). Os estudiosos da Bíblia silenciam em torno deste cruel e criminoso ato ou ainda aceitam que o espírito era Deus. Hoje, ninguém mais aceita um ato como esse e o considera um crime; então, na antiguidade também tinha que ser. Rosário Américo de Resende. Belo Hte, 20/04/2007.

Teologia de Sangue.

Todos os teólogos cristãos, na atualidade, dizem que todas as religiões, que fazem sacrifícios de animais, são pagãs.
Então deixo aqui apenas duas observações em forma de perguntas:
1ª) Como explicar então os sacrifícios de sangue para aplacar a ira de Deus ou até mesmo para agradar a Deus, que estão desde o início até o fim das pagínas da Bíblia Sagrada para todos os cristãos?

2ª) Como, esses mesmos teólogos, que nos apresentam um Deus Bom e Perfeito, conseguem se convencer de que Deus só perdoou ao gênero humano, os descendentes de Adão e Eva, por causa da desobediência dos mesmos, porque alguns seres humanos traíram, julgaram injustamente, flagelaram e pregaram a Jesus numa Cruz?

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Diálogos com Bispos e Cardeais.

Paz plena...
Irmãos em Cristo, um grande abraço (12/01/2009).
Quando tomei conhecimento da Teologia da Libertação, por volta de 1987, pois tinha decidido a fazer um curso livre de exegese bíblica, vi e entendi rapidamente que tudo o que tinha aprendido em teoria e prática nos meus 9 anos de seminarista (1957 a 1966) e depois como leigo (1966 a 1987) era a forma mais clara, perfeita e pura da Teologia da Libertação.
E assim fui estudar mais ainda os Evangelhos e principalmente o 4º Evangelho.
Posso dizer que nos versículos a seguir do Evangelho Joanino encontrei a base da minha atual Teologia, que é a Teologia da Libertação:
“Veio para o que era seu e os seus não o receberam” (Jo 1,11).
“És mestre de Israel e ignoras essas coisas? Em verdade, em verdade, te digo: falamos do que sabemos e damos testemunho do que vimos” (Jo 3,10 e 11).
“Ele, porém, lhes disse: “Tenho para comer um alimento que não conheceis”. Meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou e consumar a sua obra” (Jo 4,32 e 34).
“Meu Pai trabalha até agora e eu também trabalho” (Jo 5,17).
“O espírito é que vivifica, a carne para nada serve. As palavras que vos disse são espírito e vida" (Jo 6,63).
“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo 8,32).
“Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8,12).
“Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo” (Jo 9,5).
“Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10,10b).
“Se, portanto, eu, o Mestre e o Senhor, vos lavei os pés, também deveis lavar-vos os pés uns aos outros. Dei-vos o exemplo para que, como eu vos fiz, também vós o façais” (Jo 13,14 e 15).
“Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns aos outros. Como eu vos amei, amai-vos também uns aos outros” (Jo 13,34).
“Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros como eu vos amei. Vós sois meus amigos, se praticais o que vos mando” (Jo 15,12 e 14).
“Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que seu senhor faz; mas eu vos chamo de amigos, porque tudo o que ouvi de meu Pai eu vos dei a conhecer. Isto vos mando: amai-vos uns aos outros" (Jo 15,15 e 17).
“Tenho ainda muito que vos dizer, mas não podeis agora suportar.Quando vier o Espírito da Verdade, ele vos conduzirá à verdade plena...” (Jo 16,12 e 13a).
..........
Foi pena que o atual papa Bento XVI, ainda como o principal cardeal, que assessorava ao papa João Paulo II, considerou a Teologia da Libertação como heresia, pois os teólogos que a defendiam não souberam separar os ensinamentos da mesma dos ensinamentos do marxismo ateu.