sábado, 18 de maio de 2013

Carta para o papa João Paulo II.

Belo Horizonte, 02 de Setembro de 1989. Caro mestre e guia das ovelhas de Cristo, sua Santidade, Papa João Paulo II. Muita paz e muita liberdade é o que desejo à sua Santidade e a todos os filhos e filhas de Deus. Muita paz em nome de Jesus e que a VERDADE seja realmente compreendida, divulgada e vivida, pois só assim será possível haver liberdade e perfeição... o Céu, já aqui na terra. Caro mestre e amigo em Cristo, Papa João Paulo II, aqui venho para expor o que aconteceu e acontece comigo, desde 05/01/1980, pouco antes de sua visita ao nosso Brasil. Sobre o trabalho, que fiz, com o título: “Você Sabe Quem é Você?...E se Autoconhece?”, posso explicar o seguinte: “A chave para compreender todos os assuntos apresentados e perguntas feitas está na aceitação de que não só o “Espírito Santo” comunica conosco e que não temos uma vida só num corpo de carne e sim milhares de vidas”. Eu, desde o dia 05/01/1980, passei a aceitar a reencarnação ou a teoria das vidas sucessivas, o que veio explicar para mim todas as minhas dúvidas, todos os acontecimentos da minha vida e da vida de todos. Desde o dia 05/01/1980 também passei a sentir ao meu lado a presença do “Espírito Santo”, como também as presenças de muitos outros “espíritos”; isto é: almas dos nossos irmãos, que já passaram para a VIDA, ao lado ou na presença de Deus (ou se quiser, que já morreram). Por causa dos fenômenos espirituais ou parapsicológicos, que aconteceram comigo, fui tratado como desequilibrado mental. Até um de meus irmãos, que é frei franciscano, juntamente com o psiquiatra Roberto F. do Amaral, tentaram me convencer que eu estava doente e aí disse para eles: “Para que eu aceite, que esteja doente, é necessário que tudo o que aprendi sobre DEUS e religião seja mentira.... se tudo for mentira, então estou doente e fui enganado”. Mas como sentia a presença do Espírito Santo e de outros espíritos ao meu lado e queria (como quero até hoje) revelar os meus sentimentos para os outros, então a psiquiatria materialista me considerou anormal, doente mental e por causa dos fortes remédios controlados, que são cadeias químicas para o espírito, não conseguia nem pensar e tive que afastar do meu trabalho em 25/05/1982. Fui até aposentado por invalidez em 01/08/1985, mas pedi o cancelamento da minha aposentadoria e em 10/02/1986 o consegui. Voltei a trabalhar em 19/03/1986. Os mais bonitos e importantes fenômenos espirituais, que aconteceram comigo, foram: 1º) Nos dias 5 a 10/01/1980, quando senti a presença do “Espírito Santo” ao meu lado. 2º) Em agosto de 1982, dentro da Igreja de Santa Teresa, em Belo Horizonte, pois quando entrei na Igreja para assistir a Santa Missa fui envolvido por vibrações e sentimentos indescritíveis de uma beleza e alegria infinitas.... Era o CÉU já aqui na Terra. Quando, por receio de dar escândalo na Igreja, saia da Igreja ouvi uma voz, que me disse o seguinte: “Você é o apóstolo de Cristo, João Evangelista” (é claro e lógico, que reencarnado). Fiquei meio aéreo, tentando compreender o acontecido.... mas não tinha outra saída, pois ouvi a voz reveladora com muita nitidez. Um Padre desta Igreja conversou muito comigo, depois do fenômeno revelador, mas ele deve ter julgado que eu estava drogado, pois nada compreendeu. O nome do Padre é Cornélio, se não me engano. (Nunca fiz uso do cigarro, de bebidas alcoólicas e de drogas). Quando o Padre me perguntou se não tinha medo de polícia, quis respondê-lo assim: “Polícia vai ter mais medo de mim do que o diabo da cruz”, mas respondi: “Não, pois só quero a paz”. (Procurei o Padre ainda por duas vezes para falar do assunto, mas não foi possível o diálogo amigo e evangélico: a vivência plena do amor e com amor). 3º) Em 25 e 26/11/1983, quando Jesus sintonizou comigo pela primeira vez... O sentimento foi indescritível... Era viver de corpo e alma no céu ao lado de DEUS... na presença de DEUS. 4º) No dia 11/04/1984, quando veio me visitar pela primeira vez a mãe de Jesus, Maria de Nazaré e conversamos muito...Fiquei sabendo de verdades e muitas coisas discutíveis para a Teologia Católica e Cristã. 5º) No dia 12/04/1984, ali pelas 15,30 horas, quando também sintonizou comigo o próprio DEUS-PAI... Era o infinito tornando-se finito ou o finito tornando-se infinito... Era o impossível sendo possível. 6º) No dia 20/11/1984, DEUS-PAI tornou-se DEUS-PAI-MÃE, outra emoção indescritível, pois o mistério da VIDA tornava-se limpo e claro... Isto é: sem nenhum mistério mais. 7º) Em fins de 1986, quando lia um livro reencarnacionista, no qual se diz que o São Francisco de Assis é uma reencarnação do apóstolo São João Evangelista, e aproximando-se o “Deus-Pai-Mãe”, que particularmente chamo de “Velho Jó ou Mãe Josefina”, pois nunca posso revelar que o próprio “Criador” é o meu guia maior e comunica comigo, perguntei a Ele: “ O que, o Senhor, me diz sobre este livro?”. E Ele me respondeu: “A nossa responsabilidade é sobre o que lhe contamos, o resto você acredita se quiser, mas o homem é aquilo que ele pensa”. Depois aceitei que Francisco de Assis e João Evangelista são duas encarnações do mesmo espírito..., assim a minha responsabilidade tornou-se ainda maior. Posteriormente perguntei a “DEUS-PAI-MÃE” o porquê da revelação na Igreja de Santa Tereza, em agosto/1982, Ele me respondeu assim: - “Foi para você ter estrutura para nos receber” (senão eu morreria na mesma hora libertando-me da carne, por causa da imensa e profunda alegria vivida). A poesia descrita na última página do trabalho foi inspiração do “Velho Jó ou de Deus-Pai” e por isso a transcrevo aqui, alterando o “EU para DEUS”: Deus não está lá nas alturas No infinito inacessível, Oculto de todas as criaturas. Deus não é inatingível... Insensível, Mas Deus está aqui como água pura, Para matar a sede de toda criatura. Deus está aqui ao lado de você, Como um Pai, como uma Mãe, Cheio de amor para amar você, Um filho, uma filha, um pai, uma mãe. Para receber o amor de Deus e sua ternura, Não precisa ser uma raça eleita e pura, Pois Deus ama toda criatura... Como sei que não estou sozinho, nesta difícil parada ou missão, resolvi divulgar desta forma este meu grande problema religioso e teológico, confiando em Deus, que fará com que os companheiros apareçam. Pois o próprio Deus-Pai ou Velho Jó me respondeu, quando lhe perguntei: “Qual é a razão para a sua presença aqui ao meu lado e desta maneira?”. Aí Ele me respondeu: “Foi porque Eu falei com Jesus da necessidade de que todas as religiões, que seguem o EVANGELHO, aceitem e preguem a reencarnação e a mediunidade, princípios que irão reformar todas elas e aí ele, Jesus, me pediu para ajudá-lo, pois já tentava isto há muito tempo e por isso estou aqui”. Peço a iluminação do Espírito Santo para a sua Santidade, Pp. João Paulo II, pois não é em vão que o Senhor veio de um país comunista, com um governo ateu e a maioria do povo católico, e que é muito grato ao meu coração, pois para mim a Polônia é também minha pátria. O que acontece com a Polônia hoje eu já esperava desde o início desta década. Termino esta como terminei outra carta, enviada com o mesmo trabalho em 09/07/1989: “Se o Senhor ou se sua Santidade, Pp. João Paulo II, julgar que tudo isto que lhe revelei é heresia ou debilidade da minha mente, eu lhe peço: “Queime tudo isto: esta carta e o trabalho”. Mas, desde já lhe confesso também, como o assunto é muito sério, fico com cópia de tudo”. Um grande abraço para sua Santidade e desejo paz, amor e liberdade para todos em nome de Jesus de Nazaré, nosso Mestre e guia. O irmão em Cristo..... Rosário Américo de Resende. P. S.: Outra mensagem recebida da Mãe Josefina em 29/08/1989: “Eu só quero saber, / Como na terra a paz, fazer. / Pois a luta entre o mal e o Bem, / É uma disputa eterna também. / Cada um, no seu íntimo, sabe bem: / Que as armas nesta luta não são iguais, / Como também os objetivos são desiguais. / As armas do mal são de destruição / E as armas do Bem são de construção. / O Bem respeita, ama e quer ser fiel. / O mal diz que ama e quer ser infiel. / O mal age com ódio, vingança e prisão. / O Bem atua com amor, perdão e libertação / O mal quer o poder, o domínio... e ser servido./ O Bem quer doar, colaborar, ajudar e servir. / O mal busca a mentira, o engano e a falsidade. / O Bem procura a sabedoria, a perfeição e a verdade./ Cada um toma o seu partido: ou é do mal ou é do Bem. / E cada um possui a sua visão e julga que tudo o que faz é do Bem. / O aprendizado leva ao conhecimento, e o conhecimento leva a verdade....... / E juntamente com a moralidade, a justiça, a honradez e a sinceridade, / Conduz a PERFEIÇÃO......... ”. O mesmo.

4ª carta para o padre João Batista Libânio

Belo Horizonte, 02 de Janeiro de 1994. Estimado companheiro em Cristo Jesus, nosso Mestre e guia. Padre João Batista Libânio, desejo-lhe muito sucesso e paz neste novo ano. A missão de Jesus, iniciada há dois mil anos, merece todo o nosso apoio, dedicação e humildade, por isso ainda irei escrever-lhe esta 4ª carta. Peço antecipadamente desculpas pelo meu desabafo, mas tenho que ser sincero, franco e honesto para dizer que o trabalho, a responsabilidade e o engajamento com a obra salvífica de Jesus são de todos aqueles que se julguem como verdadeiros discípulos de Jesus. A descoberta e divulgação da VERDADE são muito importantes e não posso me omitir. Lendo o Evangelho (os 4 evangelhos e por que quatro?) podemos ver que Jesus enfrentou corajosamente os líderes religiosos da época dele e não teve medo de nenhum deles, mesmo após ter sido sorrateiramente traído por um discípulo e entregue, após um injusto e falso julgamento, ao líder civil para ser condenado a morrer crucificado: a morte dos infames. Aprendemos que “Jesus morreu na cruz para nos salvar”. Mas, como os líderes religiosos e civis continuaram e continuam dando as cartas, pode-se concluir que Jesus foi crucificado por inveja, ciúme e despeito dos líderes religiosos. Estes envolveram por traição um dos discípulos de Jesus e, cometendo muitas injustiças e tramóias, entregaram-no a Pôncio Pilatos e ainda o obrigaram por estratagema para que Pilatos condenasse Jesus a morrer na cruz (vide Mt 27,20 e Jo 19,12 e 15). Esse costume e modo de agir dos líderes religiosos são muito bem conhecidos de todos os que estudam a história das religiões, principalmente no trevoso período do “Reinado Sanguinário da Nossa Igreja Católica Apostólica Romana”. Período este conhecido como: “O Tempo da Inquisição”, sobressaindo o caso da jovem francesa Joana d’Arc, condenada a morrer na fogueira, após ter sido traída pelos líderes civis e, quase 5 séculos depois, foi canonizada em 09/05/1920. Como pode uma pessoa ser condenada como bruxa em 30/05/1431 e depois ser considerada santa? Quem errou? Será que a canonização acabou com as injustiças dos homens e as dores, que a jovem sofreu na fogueira e antes dela, nas prisões e torturas? Ou foi apenas uma canonização política para abafar a vitória de outra crença religiosa? Allan Kardec é francês. O Papa já era infalível e era fácil enganar ao povo francês!!! Padre Libânio, à minha 1ª carta, onde defendi a tese: “DEUS NÃO PERDOA NUNCA” e fiz algumas referências e correlações com a Bíblia Sagrada, o Senhor me respondeu e no fim desejou-me: “muita dedicação à Bíblia”. Enviei-lhe a 2ª carta com a tese, que chamei de: “BOMBA” e o Senhor ainda me respondeu, mas à 2ª carta dedicou-se apenas a frase: “A sua carta revela grande manuseio e conhecimento da Escritura”, e voltou-se a referir ao assunto da 1ª carta. Com relação à 3ª carta, que chamo de: “Joanina”, só houve, até agora, a resposta do silêncio profundo e já faz 165 dias. Por tudo isso pergunto a mim mesmo: “O que realmente existe e acontece? Será que estou errado? Estou entrando ou mexendo na seara alheia? Devo me omitir, fugindo também para o silêncio, com a desculpa da meditação?”. Depois de meditar muito, principalmente nos últimos 3 meses, cheguei a seguinte conclusão: “Enviar a 4ª carta, englobando 2 teses bíblicas”, que são: 1ª - “O Deus Imperfeito da Bíblia ou O Incompleto (ou errado) Ensino Sobre a Bíblia”. 2ª - “As Comunicações Bíblicas entre os Planos Visível e Invisível”. Pe. Libânio, desculpe-me, pois para o Senhor será até chato e cansativo, já que irei relatar e comentar muito sobre trechos bíblicos, retirados da “Bíblia de Jerusalém”. Parece que quero “ensinar o Pai-Nosso ao seu vigário”, mas escrevo não só para o Senhor e sim para muitos outros no presente e no futuro...... Sei desta minha responsabilidade também: “Sou o autor pleno da 3ª carta, pois descobri quem realmente sou e para quê aqui estou”. 1ª Tese: “O Deus Imperfeito da Bíblia ou O Incompleto (ou errado) Ensino sobre a Bíblia”. 1.1 - “À mulher, ele disse: “Multiplicarei as dores de tuas gravidezes, na dor darás à luz filhos. Teu desejo te impelirá ao teu marido e ele te dominará. Ao homem, ele disse: “Porque escutaste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te proibira de comer, maldito é o solo por causa de ti. Com sofrimentos dele te nutrirás todos os dias de tua vida”. E Iahweh Deus o expulsou do jardim de Éden para cultivar o solo de onde fora tirado” (Gn 3,16,17 e 23). Quem condena outros a viverem exilados em dores e sofrimentos, depois de os ter expulsado do Paraíso, não tem amor e uma compreensão infinitos. Esta atitude não pode vir de quem tem amor e compreensão infinitos para dar, de quem é bom e perfeito. Vemos aqui mais uma comprovação da minha “tese Bomba”. 1.2 - “Iahweh arrependeu-se de ter feito o homem sobre a terra, e afligiu-se o seu coração. E disse Iahweh: “Farei desaparecer da superfície do solo os homens que criei - e com os homens os animais, os répteis e as aves do céu -, porque me arrependo de os ter feito” (Gn 6,6 e 7). Quem arrepende é porque não agiu certo e corretamente, quem se aflige é porque não é perfeito, bom e sábio em plenitude. Será que Deus, o perfeito, sábio, onisciente, onipresente e onipotente agiu erroneamente alguma vez ou teve atitudes imperfeitas? 1.3 - “Quanto aos homens que estavam na entrada da casa, eles os feriram de cegueira, do menor até o maior, de modo que não conseguiram encontrar a entrada. Iahweh fez chover, sobre Sodoma e Gomorra, enxofre e fogo vindos de Iahweh, e destruiu essas cidades e toda a planície, com todos os habitantes da cidade e a vegetação do solo! Ora a mulher de Ló olhou para trás e converteu-se numa estátua de sal” (Gn 19,11 e 24 a 26). Vemos aqui uma atitude e a ação de vingança de 2 anjos, a destruição de tudo com o poder de Iahweh e a necessidade da obediência absoluta, sem nenhuma liberdade. Essas atitudes são próprias de tiranos, de seus carrascos e frios agentes dos mesmos, mas não podem vir de quem é perfeito e tem muito amor para doar. 1.4 - “Ele retomou: “Não te chamarás mais Jacó, mas Israel, porque foste forte contra Deus e contra os homens, e tu prevaleceste”” (Gn 32,29). Pelo relato bíblico Jacó lutou com o próprio Deus e Deus não conseguiu vencer, então quem lutou não é o mais forte já que não venceu. Quem luta não é compreensivo e nem possui a sabedoria em plenitude, então não é ainda perfeito. 1.5 - “Iahweh disse a Moisés: “Farei vir mais uma praga ainda contra o Faraó e contra o Egito. Então, ele vos deixará partir daqui. E todo o primogênito morrerá na terra do Egito, desde o primogênito do Faraó, que deveria sentar-se no trono, até o primogênito da escrava que está a mó, e até mesmo os primogênitos do gado” (Ex 11,1a e 5). Hoje atitudes como estas são consideradas como “magia negra” e só vêm de quem ainda não é perfeito. Será que Deus, o perfeito, já agiu assim e até e permitiu atos de “magia negra”? Ou antigamente podia e hoje não pode mais, então Deus também se evoluiu e se aperfeiçoou, nesta hipótese então Ele não era tão perfeito. 1.6 - “Dize, pois ao povo, que todo homem peça ao seu vizinho, e toda mulher à sua vizinha, objetos de prata e ouro” (Gn 11,2). Iahweh também aconselhou a agir de uma forma não muito certa, pois disse para pedir, sabendo que o plano era de viajar sem devolver nada mesmo: isto é calote!! 1.7a - Vide os trechos bíblicos referidos na carta de 01/01/1993, nos quais estão muito claros a ajuda e o auxílio de Iahweh a Moisés para guerrear, vencer e matar os inimigos de Israel e de Moisés, incluindo os israelitas, esquecendo-se do mandamento: “Não Matarás” (Ex 20,13 e Dt 5,17). Onde está o erro? O mesmo aconteceu com Josué e outros, como: 1.7b - “Ninguém te poderá resistir durante toda a tua vida, assim como estive com Moisés, estarei contigo: jamais te abandonarei, nem te desampararei” (Js 1,5). Promessa de apoio pleno a Josué, feita por Iahweh. “... e o que fizestes aos dois reis dos amorreus, do outro lado do Jordão, a Seon e a Og, que destruístes totalmente” (Js 2,10b). Acontecimentos narrados em Nm 21,21 a 35 com plena aprovação de Iahweh (Nm 21,34). Isso não é uma prática da perfeição e do amor pleno. O perfeito não age assim e nem permite que os seus ajam deste modo. 1.7c - “Iahweh disse então a Josué: “Vê! Entrego nas tuas mãos Jericó, o seu rei e os seus homens de guerra” (Js 6,2). As ordens de Iahweh foram obedecidas e todos em Jericó foram passadas ao fio da espada, como está escrito em Josué 6,17 a 21. 1.7d - Em Josué 7,1 a 25 vê-se o relato da descoberta e destruição de quem não obedeceu: como “... e a ira de Iahweh inflamou-se contra os filhos de Israel”, e “Que Iahweh, neste dia, traga a desgraça sobre ti!”. E todo Israel o apedrejou (Js 7,1c e 25b). 1.7e - A tomada, destruição e matança de todos em Hai, como se vê em Josué 8,1 a 29. Tudo contrário ao mandamento: “Não Matarás”. A relação dos reis vencidos e destruídos está em Josué 12,7 a 24. “...ao todo trinta e um reis” (Js 12,24b). 1.7f - “No entanto não escutastes a minha voz. Por que fizestes isto? Por isso eu digo: “Não expulsareis estes povos de diante de vós. Serão vossos opressores, e os seus deuses serão uma cilada para vós” (Jz 2,2b e 3). Esta atitude não é digna de quem é perfeito e bom. 1.7g - “E ele disse-lhe: “Segui-me, porque Iahweh entregou o vosso inimigo, Moab, nas vossas mãos”. Eles o seguiram, pois, e cortaram a passagem dos vaus do Jordão e não deixaram passar ninguém” (Jz 3,28). Foram feridos 10 mil homens. Isso não é amor e paz em plenitudes. 1.7h - “Então Iahweh se voltou para ele e lhe disse: “Vai com a força que te anima, e salvarás a Israel das mãos de Madiã. Não sou eu quem te envia?” Então Iahweh disse a Gedeão: “É com os trezentos que lamberam a água que vos salvarei e entregarei Madiã nas tuas mãos”. Destruiu a torre de Fanuel e massacrou os habitantes da cidade” (Jz 6,14; 7,7 a 8,17). Batalhas e vinganças de Gedeão. Quem vinga não é perfeito e nem é intuído por um “espírito bom e perfeito”. 1.7i - “Sansão invocou a Iahweh e exclamou: “Senhor Iahweh, eu te suplico, vem em meu auxílio; dá-me forças alinda esta vez, ó Deus, para que, de um só golpe, eu me vingue dos filisteus por causa dos meus olhos”. E disse: “Morra eu com os filisteus!” (Jz 16,28 e 30a). Iahweh deu forças e condições para vingança e Sansão cometeu o suicídio, matando-se junto com os filisteus. Hoje, quando temos conhecimentos dos atos terroristas, onde o condutor dirigindo um carro-bomba e matando-se juntamente com os inimigos, julgamos ser um ato do “mal” ou errado, mas é semelhante ao acontecimento bíblico, só que este foi feito com auxílio e concordância de “um espírito”. Qual? Será Deus, o perfeito? Não!!! 1.7j - “Golpeou por duas vezes o seu pescoço, com toda a força, e separou a sua cabeça. Tirando a cabeça do alforje, mostrou-a e disse-lhes: “Eis a cabeça de Holofernes, general do exército da Assíria” (Jt 13,8 e 15a). Judite agiu como agem as espiãs modernas, que atraem e subjugam as vítimas pela atração e beleza femininas. Judite matou, tinha o objetivo de matar e dizem que foi protegida por Deus para matar friamente. 1.7l - “....É Iahweh que é Deus!”. Elias lhes disse: “Prendei os profetas de Baal; que nenhum deles escape!” e eles os prenderam. Elias fê-los descer para perto da torrente do Quison e lá os degolou” (1Rs 18,39b e 40). Por intermédio de Elias foram degolados 450 pessoas (1Rs 18,22) e mesmo sendo Elias um representante de Iahweh, ele não agiu certo, pois foi contra ao mandamento: “Não Matarás”. Quem é perfeito e honesto não age com formas antagônicas e quem é bom e sábio não deixa e nem manda matar. Quem é perfeitamente bom e plenamente sábio não age com vingança, não tem sentimentos de ira, ódio e nem causa terror e medo nos outros. Então nos trechos seguintes vemos imperfeições em Deus ou nos representantes de Deus, que a Bíblia nos apresenta: 1.8a - No item 1.3 vemos uma manifestação com vingança e destruição. Hoje em dia qualquer presença espiritual com cheiro de enxofre é considerada como sendo de espíritos trevosos (ou de Lúcifer). Veja a carta da “tese bomba”. 1.8b - “Eis que a mão de Iahweh ferirá os rebanhos que estão nos campos, os cavalos, os jumentos, os camelos, os bois e as ovelhas, com uma peste muito grave” (Ex 9,3). Nada aconteceu aos que pertenciam aos filhos de Israel e isto hoje é conhecido como “magia negra”, o modo de agir dos agentes do mal ou contrários ao BEM. 1.8c - “E Iahweh castigou o povo pelo que havia feito com o bezerro fabricado por Aarão” (Ex 32,35). 1.8d - “A ira de Iahweh se inflamou contra eles. E retirou-se e a Nuvem deixou a Tenda. E Maria tornou-se leprosa, branca como a neve” (Nm 12,9 e 10a). 1.8e - “Iahweh jamais consentirá em perdoá-lo. Pelo contrário, sua ira e ciúme se inflamarão contra tal homem, sobrevindo-lhe toda a imprecação escrita neste livro, e Iahweh lhe apagará o nome de sob o céu. Iahweh os arrancou do próprio solo com ira, furor e grande indignação, e os atirou numa outra terra, como hoje se vê” (Dt 29,19 e 27). Veja que contraste com os ensinamentos de Jesus com relação ao perdão: “... até setenta e sete vezes” (Mt 18,22b) ou setenta vezes sete (outra tradução). Deve-se perdoar sempre. 1.8f - “Mas os filhos de Israel tornaram-se culpados de violação do anátema... e a ira de Iahweh inflamou-se contra os filhos de Israel” (Js 7,1). 1.8g - “Então a ira de Iahweh se inflamará contra vós e bem depressa desaparecereis da boa terra que ele vos deu” (Js 23,16b). 1.8h - “A ira de Iahweh se inflamou então contra Israel e ele disse:” (Jz 2,20a). 1.8i - “Senhor, por todos os teus atos de justiça, afasta, por favor, a tua ira e a tua indignação de Jerusalém, tua cidade e tua montanha santa” (Dn 9,16a). 1.8j - “Iahweh, não me castigues com (em) tua ira (cólera), não me corrijas com teu furor!” (Sl 6,2 e 38,2). 1.8l - “Quem recusa crer no Filho não verá vida. Pelo contrário, a ira de Deus permanece sobre ele” (Jo 3,36b). 1.8m - “Ninguém vos engane com palavras vãs, porque por essas coisas vem a ira de Deus sobre os desobedientes” (Ef 5,6) - “Essas coisas provocam a ira de Deus sobre os desobedientes” (Cl 3,6). 1.8n - “Pois chegou o Grande Dia da sua ira, e quem poderá ficar de pé” (Ap 6,16). 1.8o - “Esse também beberá o vinho do furor de Deus, derramado sem mistura na taça da sua ira; será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos Anjos e diante do Cordeiro” (Ap 14,10). 1.8p - Vemos ainda referir-se em “furor de Deus” no Ap 15,1 e 16,1; “do furor da sua ira” (Ap 16,19); “do furor da ira de Deus” (Ap 19,15) e “Deus lhe acrescentará as pragas descritas neste livro” (Ap 22,18). Resumindo podemos dizer que vemos sentimentos próprios dos imperfeitos referidos a Deus, o perfeito, o bom, o compreensivo e o humilde. 1.8q - “Assim fala Iahweh: “...Minha ira se inflamou contra esse lugar e ela não se aplacará” (2Rs 22,16a e 17b). 1.8r - “Oráculo de Iahweh ao meu senhor: “Senta-te à minha direita, até que eu ponha teus inimigos como escabelo de teus pés” (Sl 190,1; Mt 22,44; At 2,34 e 35; Hb 1,13 e 10,13). O próprio Jesus ensinou-nos para reconciliarmos com os nossos adversários, como também a amar e orar pelos inimigos e perseguidores (Mt 5,25 e 44). É possível conciliar estes ensinamentos com os trechos anteriores? 1.8s - “Então a ira de Iahweh se acendeu contra Oza; e ali mesmo Deus o feriu por causa da sua falta, e ele morreu, ali, ao lado da Arca de Deus” (2Sm 6,7). É inadmissível uma atitude destas para com aquele que apenas segurou a Arca para que esta não tombasse, principalmente vinda de quem é perfeito. 1.9 - “Ao ouvir estas palavras, Ananias caiu e expirou... No mesmo instante ela caiu a seus pés e expirou” (At 5,5a e 10a). Comportamentos e atitudes como estas hoje são crimes e obras de magia negra. Quem é perfeito não age e não permite ações como estas descritas anteriormente. Como acabamos de demonstrar biblicamente, chegamos ao seguinte impasse: “Ou o Deus da Bíblia era imperfeito e evoluiu ou e ensino sobre a Bíblia está errado ou incompleto; ou ainda os teólogos descobriram o incompleto ensino bíblico e continuam enganando ao povo ignorante”. Como Deus-Pai-Mãe é perfeito, bom, compreensivo, humilde e sábio, então os teólogos ou não entenderam ainda a Bíblia ou nos enganaram e enganam com muitos falsos e deturpados ensinamentos sobre as Escrituras. Tudo isto que está exposto nesta primeira tese confirma também a tese da minha 2ª carta, que chamei de “Bomba”. 2ª Tese: “As Comunicações Bíblicas entre os Planos Visível e Invisível”. Lendo a Bíblia logo pode-se ver perante uma grande e indiscutível verdade: “A constante comunicação entre o Plano Visível e o Invisível”. Existem inúmeras citações desta sintonia, como se pode ver a seguir: 2.1 - “Iahweh Deus chamou o homem: “Onde estás?”” (Gn 3,9). O diálogo entre Iahweh, Adão e Eva está registrado em Gênesis 3,1 a l9. 2.2 - “Iahweh disse a Caim: “Onde está teu irmão Abel?”” (Gn 4,9). O diálogo entre Iahweh e Caim continua até Gênesis 4,16. 2.3 - “Deus disse a Noé” (Gn 6,13). Em Gênesis 6,13 a 9,17 temos vários diálogos entre Iahweh e Noé, com as respectivas orientações para Noé. 2.4 - “Iahweh disse a Abraão: “Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei”” (Gn 12,1). Do capítulo 12 ao 22 do Gênesis temos uma constante orientação de Iahweh a Abraão, Agar e Sara, incluindo diálogos e pedidos. 2.5 - Deus também comunicou com Isaac (Gn 26,24). 2.6 - As vidas de Moisés e Josué narradas no Êxodo, Deuteronômio, Números, Levítico e Josué estão repletas de comunicações com o plano invisível. 2.7 - “O Anjo de Iahweh apareceu a essa mulher e lhe disse: “Tu és estéril..., mas conceberás... não bebas vinho nem qualquer bebida fermentada... Ele começará a salvar Israel das mãos dos filisteus”” (Jz 13,3 a 5). “Então o espírito de Iahweh caiu sobre ele e se apossou dele, e ele desceu a Ascalon, matou trinta homens” (Jz 14,19a). Houve uma constante intervenção espiritual na vida de Sansão, desde o nascimento até a morte. (Vide 1.7l anterior). 2.8 - “Veio Iahweh e ficou ali presente. Chamou, como das outras vezes: Samuel, Samuel” (1Sm 3,10a). O diálogo entre Iahweh e Samuel está em I Samuel 3,1 a 14. 2.9 - “Então a mulher viu Samuel e, soltando um grito medonho, disse a Saul: “Por que me enganaste? Tu és Saul”” (1Sm 28,12). Saul comunicou com o espírito de Samuel, já falecido, por intermédio de uma necromante (atualmente essas pessoas são chamadas de médiuns). 2.10 - “Quando Elias o ouviu, cobriu o rosto com o manto, saiu e pôs-se à entrada da gruta. Então, veio-lhe uma voz, que disse: “Que fazes aqui: Elias?”” (1Rs 19,13). A voz era de Iahweh, vide 1Rs 19,1 a 18. 2.11 - “Respondeu ele: “Se queima o coração ou o fígado do peixe diante de um homem ou de uma mulher atormentados por um demônio ou por um espírito mau, a fumaça afugenta todo o mal e o faz desaparecer para sempre” (Tb 6,8). - “O cheiro do peixe expulsou o demônio, que fugiu pelos ares até o Egito. Rafael seguiu-o, prendendo-o e acorrentou-o imediatamente” (Tb 8,3). Tobias teve como companheiro de viagem o anjo Rafael (Tb 5 a 12). O anjo (um espírito) ensinou ao jovem Tobias a fazer limpeza espiritual e no quarto nupcial, por 3 noites, Tobias seguiu o conselho do anjo Rafael e o demônio foi expulso e aprisionado. 2.12 - “Vi o Senhor sentado sobre um trono alto e elevado. A cauda da sua veste enchia o santuário” (Is 6,1b). “Em seguida ouvi a voz do Senhor que dizia: “Quem hei de enviar? Quem irá por nós?”, ao que respondi: “Eis-me aqui, envia-me a mim”” (Is 6,8). No capítulo sexto de Isaías está relatada a visão, a vocação e a missão do profeta Isaías. 2.13a - “E ele prosseguiu: “Mas estou vendo quatro homens sem amarras, os quais passeiam no meio do fogo sem sofrerem dano algum, e o quarto deles tem o aspecto de um filho dos deuses”” (Dn 3,25). “A inscrição, assim traçada, é a seguinte: “Mane, Mane, Tecel, Parsin”” (Dn 5,25). 2.13b - “Disse então o anjo do Senhor a Habacuc: “Leva a refeição que tens até Babilônia, à cova dos leões, para Daniel”” (Dn 14,34). “Entretanto, o anjo do Senhor imediatamente reconduziu Habacuc ao seu lugar” (Dn 14,39b). Nestas 4 citações vemos a proteção aos 3 amigos de Daniel e a Daniel, bem como a inspiração e ajuda ao profeta Daniel (Vide Daniel 14,33 a 42). 2.14 - “Porque não sereis vós que estareis falando, mas o “Espírito de vosso Pai é que falará em vós”” (Mt 10,20). O mesmo ensinamento está em Mc 13,11; Lc 12,11 e 12; 21,12 e 14 e Jo 14,26. 2.15 - “E eis que lhes apareceram Moisés e Elias conversando com ele” (Mt 17,3). Vide também Mc 9,4 e Lc 9,30. Esse acontecimento foi presenciado por Pedro, Tiago e João, que foram escolhidos por Jesus. E João nada refere-se à transfiguração, por que? 2.16 - “Disse-lhe, porém, o Anjo: “Não temas, Zacarias, porque a tua súplica foi ouvida, e Isabel, tua mulher, vai te dar um filho, ao qual porás o nome de João”” (Lc 1,13). - “O Anjo, porém, acrescentou: “Não temas, Maria! Encontraste graça junto de Deus. Eis que conceberás no teu seio e darás a luz um filho, e tu o chamarás com o nome de Jesus”” (Lc 1,30 e 31). Zacarias duvidou e ficou mudo, quem é perfeito não age assim. Maria confiou, aceitou humilde e nada sofreu. 2.17 - “Fora-lhe revelado pelo Espírito Santo que não veria a morte antes de ver o Cristo do Senhor” (Lc 2,26). Simeão foi movido pelo Espírito para ir ao Templo também no mesmo momento da apresentação de Jesus. 2.18 - “Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: “Saulo, Saulo, por que me persegues?”” (At 9,4). - “E o Senhor prosseguiu: “Levanta-te, vai pela rua chamada Direita e procura, na casa de Judas, por alguém de nome Saulo, de Tarso”” (At 9,11). No capítulo 9 dos Atos dos Apóstolos temos o diálogo entre Saulo e Jesus (em espírito). A visão com um diálogo entre Ananias e o Senhor e por fim o auxílio dado a Saulo (Paulo) por Ananias. 2.19 - “Apareceram-lhes, então, línguas como de fogo, que se repartiram e que pousaram sobre cada um deles” (At 2,3). O acontecimento de Pentecostes (At 2,1 a 41) foi a manifestação pública do “Espírito Santo” e o início público do cristianismo. 2.20 - “Ele viu claramente, em visão, cerca da nona hora do dia, o Anjo do Senhor entrando em sua casa e chamando-o: Cornélio!”” (At 10,3). - “Sentindo fome, quis comer. Enquanto lhe preparavam alimentos sobreveio-lhe um êxtase” (At 10,10). - “Entretanto, meditando ainda Pedro sobre a visão, disse-lhe o Espírito: “Alguns homens estão aí, a tua procura”” (At 10,19). - “Poderia alguém recusar a água do batismo para estes, que receberam o Espírito Santo assim como nós (At 10,47). Veja que houve um intenso auxílio do Espírito Santo em todo o cap. 10o dos Atos dos Apóstolos. 2.21 - “Apresentou-se um deles, chamado Ágabo, o qual começou a anunciar, por meio do Espírito” (At 11,28a). “Desceu da Judéia um profeta, chamado Ágabo. E amarrando-se de pés e mãos, declarou: “Isto diz o Espírito Santo...” (At 21,10b e 11b). 2.22 - “Pedro saiu e foi seguindo-o, mas não sabia se era verdade o que estava acontecendo por meio do Anjo: parecia-lhe antes uma visão”. Pedro foi libertado da prisão de Herodes com auxílio de um anjo e anjo é espírito (At 12,1 a 19). 2.23 - “Teve um sonho: Eis que uma escada se erguia sobre a terra e o seu topo atingia o céu, e anjos de Deus subiam e desciam por ela” (Gn 28,12). 2.24 - “Ora José teve um sonho e o contou a seus irmãos, que o odiaram mais ainda” (Gn 37,5). “Ele disse: “Tive ainda outro sonho: pareceu-me que o sol, a lua e onze estrelas se prostravam diante de mim” (Gn 37,9b). “Eles lhe responderam: “Tivemos um sonho e não há ninguém para interpretá-lo”. José lhes disse: “É Deus quem dá a interpretação; mas contai-mo!” (Gn 40,8). “De manhã, com o espírito conturbado, o Faraó chamou todos os magos e todos os sábios do Egito, lhes contou o sonho que tivera, mas ninguém pôde explicá-lo ao Faraó” (Gn 41,8). “Então o Faraó disse a José: “Visto que Deus te fez saber tudo isso não há ninguém tão inteligente e sábio como tu”” (Gn 41,39). José do Egito de livre tornou-se escravo e depois, com o auxílio de Deus, vice-rei. 2.25 - “Tive, porém, um sonho que me aterrou” (Dn 4,2a). Leia todo o cap. 4º de Daniel (Dn 4). 2.26 - “Enquanto assim decidia, eis que o Anjo do Senhor manifestou-se a ele em sonho, dizendo:...” (Mt 1,20). “Avisados em sonho que não voltasse a Herodes,” (Mt 2,12a). “Após sua partida, eis que o Anjo do Senhor manifestou-se em um sonho a José e lhe disse...” (Mt 2,13a ). “Quando Herodes morreu, eis que o Anjo do Senhor manifestou-se em sonho a José, no Egito,” (Mt 2,19). Jesus foi protegido imensamente pelo plano invisível, por meio de sonhos, enquanto era criança e indefeso. Por estes trechos vê-se que pelos sonhos também haviam muitos avisos, comunicações e auxílios do plano invisível para com o plano visível em todo a história bíblica. Lendo, estudando e compreendendo todas estas passagens bíblicas conclui-se que a comunicação entre os dois planos é uma grande verdade e realidade, sempre ocorreu em toda a história relatada na Bíblia Sagrada. Se essas comunicações foram verdadeiras, por que negá-las hoje? Se não são verdadeiras, então a Bíblia está cheia de enganações e falsidades! Mas para mim foram e são verdadeiramente reais, e até hoje, como para sempre serão puras e sublimes verdades. Por que existem membros da hierarquia eclesiástica que consideram, hoje em dia, qualquer comunicação como algo errado ou do mal? Principalmente se forem em lugares ou ambientes não católicos. Se a comunicação foi feita a membros da Igreja, enquanto estavam entre nós, foram vigiados com extrema rigidez e desconfiança por Roma e depois de mortos foram canonizados como santos!! Como se isso abrandasse a passada tortura física ou mental, como as dores da fogueira e como todo tipo de perseguição. Por outro lado se a comunicação foi feita ou é feita a pessoas não católicas a Igreja, representada pela sua hierarquia eclesiástica, considerou como heresia ou erro e ainda considera como errado ou mesmo fraude. Esquecem os sábios teólogos do exemplo e conselho do sábio e humilde Gamaliel, que disse: “E não aconteça que vos encontreis movendo guerra a Deus” (At 6,39b). Volta a repetir o que escrevi sobre a Bíblia no início da carta Joanina: “Apaga tudo o que aprendeste sobre a Bíblia Sagrada, mas não a jogueis fora, guarde-a muito bem mesmo, pois a Bíblia é uma fonte inesgotável de ensinamentos e sabedoria”. Terminando esta, digo: “A grande dificuldade para descobrir, encontrar, compreender, divulgar e viver a VERDADE é a falta de humildade de muitos, que se julgam os senhores absolutos da verdade e que foram escolhidos por Deus para falarem em nome de Deus, como também representarem Jesus para os outros, mas estes foram escolhidos e aceitos por uma estrutura muito humana mesmo. Estes ainda julgam que sabem tudo e não podem aprender com os escolhidos por Deus...”. Para defender esta idéia cito a própria Bíblia: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e doutores” (Mt 11,25a). Padre Libânio, desejo-lhe muita paz, felicidade, luz e que o “Espírito Santo” nos ajude a encontrar e compreender a VERDADE, que liberta.... Rosário Américo de Resende

Teologia da Verdade e Libertação - XIII - AIgreja Tem Salvação

XIII – A Igreja Tem Salvação. Eis o resumo do que escrevi no livro: “A Igreja Tem Salvação?” (24), do Hans Küng: Em princípio discordo do Hans Küng, quando ele discorda do sistema de comando da ICAR e até o condena. O sistema de hierarquia da ICAR é, para mim, o mais perfeito que existe na face da Terra. O processo de eleição do papa é sim o melhor que existe em todos os processos hierárquicos; só votam os cardeais e qualquer católico pode ser eleito: até eu, mas é necessário estar em condições para assumir o cargo e por isso é quase impossível ser eleito um papa, que não seja um dos eleitores. Todo sistema ou comunidade, que ainda não alcançou a plenitude da perfeição, necessita de uma hierarquia, senão vira anarquia. A hierarquia é sim muito importante e necessária para impor ordem e até união entre os membros do próprio sistema. O Hans Küng defende que a escolha do papa tenha uma participação mais democrática e até representação de leigos (“Ativação da Igreja como um todo na escolha do papa (por meio do sínodo dos bispos e de uma representação laica)”. Pág. 233). Discordo, pois para eleger o papa necessita ter muito conhecimento, sabedoria e responsabilidade, e, nenhuma representação laica teria essa condição. Quando pessoas laicas têm realmente condições e sabedoria para participar da escolha de um papa? Muitas pessoas laicas não sabem nem eleger um vereador, que vive ao lado delas; muitos prefeitos, governadores e presidentes são eleitos em função de propagandas enganosas custeadas por grandes fortunas. Quanto mais alto é o grau da disputa maior é o interesse dos demagogos, falsos e gananciosos líderes, e maior também é o valor gasto nas propagandas enganosas dirigidas por marqueteiros sem ética e sem moralidade. O sistema de subida na hierarquia da ICAR é sim muito mais correto e perfeito do que a politicagem dos políticos laicos, pois a escolha deve sim analisar primeiro o indivíduo pelas suas qualidades, ética e honradez, e não só pelo número de votos, que conquistou. O Hans Küng fala em democracia, que é o povo no poder. O sistema democrático é sim uma das formas mais fáceis de enganar e ludibriar o povo para as eleições de prefeitos, governadores e presidentes. A forma de falar que o povo é soberano, que o poder vem do povo e para o povo é só enganação de pessoas gananciosas e sem escrúpulos, que agem como lobos ou aves de rapina na política laica. Os demagogos, em sua maioria, são políticos espertos e até egoístas, em sua ignorância e incompetência, pensam que podem resolver tudo; eles usam de tudo para conquistar o poder e depois fazem de tudo para manter-se no poder. O eleitor é facilmente enganado por um bom demagogo ou bom hipnotizador de massas (do povo), como também por quem possui muito dinheiro para fazer a sua promoção pessoal e até com falsas propagandas! O Hans Küng fala em democracia à luz do Novo Testamento (“Ora, se a visualizarmos, porém, à luz do Novo Testamento, de fato Igreja não é nenhuma ditadura (espiritual)! À luz do Novo Testamento, antes de ser comparada a uma monarquia (domínio de um único), ela teria de sê-lo a uma democracia: o domínio exercido por todo o povo religioso”. Pág. 213). Atos 5,1 a 11 foi democracia? Atos 9,1 a18 foi democracia? Em Atos 6,1 a 7 pode-se ver uma hierarquia sendo constituída! Toda hierarquia necessita ter a última palavra numa só pessoa ou num só SER, pois onde existem duas cabeças já existem duas sentenças. Na hierarquia cósmica este SER é DEUS. O Hans Küng escreveu: “A Igreja tem salvação? Minha esperança é não deixar de acreditar que ela há de sobreviver” (Pág. 289). E a Igreja vai sim sobreviver, disto tenho plena certeza, pois na atual situação do Planeta Terra só a estrutura de uma hierarquia criada durante séculos de experiências e vivências da ICAR tem condições e sabedoria de mostrar para todos a solução, que é tanto esperada por todos: “Salvar o Planeta Terra, que é sim a inversão do caso bíblico da Torre de Babel, pois Deus, que é bom e perfeito, veio para unir todos os seres humanos numa administração centralizada do Planeta”. Quem está à frente deste trabalho no Plano Invisível é o próprio Espírito de Deus e no plano físico é aquele que foi aprovado por Deus e não por estruturas humanas. O trabalho em torno da união planetária já foi iniciado há algumas décadas, mas não tem data para terminar. É por causa de teólogos, como o Hans Küng, que a Igreja tem salvação, pois mesmo discordando da hierarquia, eles não abandonam o barco como outros, que o fizeram e fazem de tudo para afundar o barco. Estes, após adquirirem muito conhecimento no seio da ICAR, ficaram ou ficam livres para cuidar de um grupo de bajuladores, que ignoram o assunto, no qual eles são doutores. Bom, como o papa Pio XII morreu em 1958 e eu era um desconhecido seminarista, que estava na 1ª série do ginásio, então nada do Papa Pio XII me marcou. Já o Papa João XXIII muito me marcou pelo nome e pelas atitudes tomadas em relação às reformas para a ICAR. Ouvi de meus professores, que o João XXIII, que era um cardeal já idoso, tinha sido eleito para ter um papa com mandato tampão, pois o forte candidato era sim o futuro papa Paulo VI, mas este ainda não era cardeal. Agora as reformas do papa João XXIII foram tão profundas e boas para a ICAR, pois o povo passou a compreender o que era dito nos altares. As reformas são necessárias para a ICAR e devem ser adequadas ao tempo e ao momento da evolução da humanidade, do Planeta e do Cosmo (ou do Universo). Só o Pai sabe as horas certas e, quando estas chegam as reformas acontecem: veja o caso do papa João XXIII. Os reformadores nunca podem esquecer-se dos ensinamentos de Jesus em prol de qualquer outro interesse. Os líderes religiosos dificilmente aceitam fazer reformas, pois temem perder o perder. Por meio do poder e da bajulação do poder os líderes religiosos impõem a vontade deles, mesmo que não seja a melhor decisão a ser tomada para o momento. Toda reforma que vem de baixo é sempre perigosa, pois já falhou no princípio ético do respeito e obediência ao superior! Para mim, o principal ponto para conseguir a melhor reforma interna e externa da Igreja é o trabalho em torno da Verdade e é por isso que já lancei este sobrenome para a Teologia, pois a Verdade liberta (João 8,32 e 16,12 a 15). A Verdade só será compreendida e entendida por meio de um grande conhecimento e também do autoconhecimento O verdadeiro processo da libertação individual acontece pelo conhecimento geral de tudo e pelo autoconhecimento. O conhecimento e o autoconhecimento ajudam aos seres humanos a avançar ou evoluir, mas terão que caminharem de mãos dadas; um, o conhecimento, tem suas bases na razão, na Ciência e na história. O outro, o autoconhecimento, por sua vez tem suas bases nas revelações realizadas pela Espiritualidade e na compreensão da própria Vida e da vivência dos fatos, pois só pelo autoconhecimento cada um pode descobrir quem ele realmente é e assim compreender sua identidade humano e cósmica. Hans Küng. Jesus foi pregado na cruz porque defendeu o Bem, o Amor e a Verdade. A liberdade só vem ou só acontece por meio do Amor e da Verdade (Jo 8,32). Os estudos teológicos dos católicos têm que serem completamente modificados. O grande drama da Teologia da Igreja é o sacrifício da cruz, quando Jesus redimiu a humanidade pelo sangue derramado na cruz. Esse drama ou erro fez surgir muitos outros, que foram transformados em dogmas irracionais, mas indiscutíveis. A Teologia da Igreja é sim uma Teologia baseada em mistérios e não mostra a própria bondade e perfeição de Deus. Qual ser perfeito só perdoaria as ofensas de desobediência depois de ver sangue derramado na cruz? Qual ser bom e perfeito daria um castigo tão grande e perverso com muito sofrimento e dor por uma simples desobediência? (Gn 3). Todo diálogo tem que buscar o melhor para o presente e assim está construindo melhorias para o futuro. Todo trabalho teológico tem que buscar um esclarecimento da Teologia e eliminar as ideias confusas, sofistas e misteriosas dos teólogos do passado. No meu ponto de vista os teólogos cristãos e principalmente os católicos têm uma complexa barreira para compreender e entender a perfeição, bondade e humildade de Deus, que dirige tudo, mas que também respeita plenamente a liberdade de todos. Essa barreira está sedimentada no ensino da heterorredenção, que foi feita por Jesus por intermédio do sangue derramado na cruz. A cruz representa sofrimento, desespero, angústia e não o perdão e a compreensão com a plenitude do amor. Como conciliar a perfeição e bondade infinitas de Deus com a condição do perdão ou resgate só por meio do sangue derramado na cruz? Quando risquei o nome romano da minha Religião pude compreender o labirinto criado pelos líderes do cristianismo logo que a Religião Católica foi transformada ou elevada para ser a Religião Oficial do Império Romano (a ICAR). Eu só passei a me conhecer, após aceitar a verdade da reencarnação no dia 05/01/1980, quando já tinha 34 anos. Já o teólogo Hans Küng, quando tinha 34 anos, já era um perito do Concílio do Vaticano II em 1962. Após aceitar a verdade da reencarnação, as portas para que eu pudesse entrar no meu Eu Profundo foram abertas. Em Agosto de 1982 durante uma participação numa missa dominical na Igreja de Santa Teresa eu recebi a revelação da minha vida passada no 1º século da Era Cristã. Por meio desta revelação entendi que tinha nascido do alto (João 3,3 e 7), pois tinha descido do céu (João 3,13) e assim pude me preparar para receber a sintonia perfeita do Espírito de Deus, que aconteceu no ano de 1984. Isso sim me deu coragem e ânimo para enfrentar a tudo e a todos. E aqui estou por enquanto sozinho, no plano físico, na árdua tarefa de ajudar a Igreja a encontrar o caminho da Verdade e a humanidade a encontrar a solução para salvar o Planeta por meio da união de todos e da Paz Plena. No ano de 1983, em Agosto, recebi uma revelação explicativa do dogma do Mistério da Santíssima Trindade, pois Deus é Uno (Dt 6,4) e não trino. Em 1984 recebi a chave para decodificar e compreender profundamente a Bíblia, inclusive o “erro” de interpretação para o sacrifício da cruz, pois Jesus foi condenado à morte pelos líderes do Sinédrio Judeu como herege, mas os membros do mesmo não queria que Jesus morresse pelo apedrejamento, que seria por divergência de princípios religiosos, e sim pela cruz, pois a morte na cruz seria considerada como uma revolta contra Roma. E aqui estou para ensinar o que já aprendi. Então agi corretamente quando risquei o nome romano da minha religião no início da década de “80”. (“Configurou-se assim, na Igreja Católica dos séculos XIX e XX, um tradicionalismo ou fundamentalismo tipicamente católico-romano”. Pág. 62/63). Concordo que a tradição tem que ser estudada, analisada e muito bem compreendida, pois todos nós estamos evoluindo cada vez mais e cada um tem que conhecer o caminho, que já trilhou e assim adquirir o autoconhecimento; isto é: saber quem realmente é. Eu Sou Aquele Que Sou. Qual é a sua Teologia, teólogo Hans Küng? Até aqui não vi nenhuma Teologia neste livro, mas apenas pensamentos bem humanos, que buscam uma explicação para compreender a história da Igreja e no momento presente uma forma para indicar um bom caminho para o futuro (“Eu repito: não sou juiz, e sim teólogo”. Pág. 61). Cuidado com a fé, que cega o crente e não o deixa compreender a Verdade, que liberta (Jo 8,32). (“Essa comunidade de fé é a verdadeira Igreja, e evidentemente que dela não excluo papas, cardeais, bispos e prelados de toda espécie, como não excluo encarregados oficiais de outras Igrejas”. Pág. 71). Cuidado Hans Küng! Aborto nunca foi, é ou será uma reforma séria! É sim uma enganação das trevas! O aborto é sim um crime vil! Agora Jesus condenou o pecado, mas sempre amou e perdoou ao pecador. O pecado não pode ser institucionalizado por leis civis e principalmente por leis religiosas (“Incontáveis homens e mulheres põem-se à disposição de jovens e velhos, a serviço dos pobres, enfermos, recém-nascidos e mulheres que fizeram aborto”. Pág. 70). Hans Küng, o aborto sempre será um crime perante as leis espirituais e cósmicas (“Isso veio à tona na questão do aborto, quando ambos os papas se contrapuseram à vontade popular”. Pág. 150). O aborto sempre será um crime perante a perfeição, pois a liberdade de um não pode eliminar ou matar a liberdade do outro, principalmente quando o outro for um ser tão desprovido de todo tipo de proteção e por isso Deus preparou para ele um lugar tão secreto, que é o ventre de uma mãe. O aborto é sim um fruto de um trabalho trevoso, mas os frutos do mesmo irão eliminar os trevosos da face da Terra e do próprio Planeta Terra. É a lei da ação e reação ou do dente por dente e olho por olho, quem aborta será abortado e quem cria a lei do aborto não merece receber um novo ventre para aqui renascer e terá que ir para mundos, que estão em níveis inferiores na escala evolutiva do amor e da perfeição. O aborto é coisa dos homens! O divórcio é coisa dos homens! O celibato é coisa dos homens! A exclusão das mulheres do sacramento da Ordem é coisa dos homens! O homossexualismo é coisa dos homens! (“Afasta-te de mim, Satanás! Tu me serves de pedra de tropeço, porque não pensas as coisas de Deus, mas as dos homens” (Mt 16,23). Pág. 208). Jesus não condenou a mulher adúltera, mas deu o remédio: “Não peques mais” (João 8,11). A Igreja não pode aceitar a legalização do aborto e da homossexualidade. Concordo com os casamentos entre pessoas de diferentes confissões. Concordo com as celebrações da Santa Ceia com pastores protestantes. Concordo com o ensino religioso ecumênico. Concordo com a liberdade de vida. No final do capítulo III – “O germe de uma doença crônica”, escrevi: Eu já até digo diferente, pois em tudo o que vou analisando, aprendendo aqui, ali e acolá, recebendo revelações e analisando todas as revelações, incluindo as recebidos por outros, a Verdade nua e crua chama-se Evolução de cada espírito e ou também a Evolução Coletiva Planetária. Martinho Lutero deu um passo importante, mas voltou-se no tempo com o primado das Escrituras: a letra mata e o espírito vivifica. Martinho Lutero retirou alguns livros da Bíblia Católica e, em função desta retirada, todas as egrégoras, que já foram e serão criadas seguindo a linha iniciada por ele não poderão chegar à verdade com relação à identidade cósmica de muitas entidades ou espíritos. Allan Kardec deu outro grande avanço no processo evolutivo do conhecimento para o entendimento da Espiritualidade por meio do estudo sobre os espíritos, que passei a chamar de Espiritologia. A egrégora kardecista não consegue chegar à Verdade Plena (Jo 16,13) porque Kardec, que desvendou o enigma da Espiritualidade, desconsiderou algumas verdades bíblicas e muitos kardecistas pensam que quase tudo na Bíblia é pura mitologia ou plagio de outras cosmogonia. Agora chegou o tempo da união de todos com o auxílio da Verdade, que liberta e conduz ao autoconhecimento. A Verdade só poderá ser conquistada por meio da união e soma perfeita das revelações bíblicas, que vieram por meio de Moisés e de Jesus, complementadas pelas revelações espirituais contidas na Codificação Kardequiana. A “soberania dos povos” irá acabar no Planeta Terra, pois os direitos do indivíduo, como também os deveres e culpas do indivíduo não podem ser diferentes em qualquer lugar do Planeta. Um ato de um indivíduo não pode ser considerado como heroísmo por um povo e como criminoso por outro. Direitos e deveres terão de serem iguais em todo o Planeta Terra. Hans Küng. Quem realmente dirige e controla o processo evolutivo é a Espiritualidade, que você chama de Espírito Santo. Na Espiritualidade também existe uma hierarquia e há muitas disputas entre os membros nas hierarquias de cada egrégora e também entre as diferentes hierarquias das egrégoras. Cada espírito desencarnado busca sempre a manutenção do seu poder já conquistado, criando para isso, se necessário for até novas religiões por meio de falsos profetas, sendo ele um falso Cristo (Mt 24,24). Todo espírito que decidiu ou decidi criar uma nova religião está sim agindo de uma forma contrária a Deus, pois Deus quer o bem e a harmonia entre todos e com novas religiões só aconteceram e acontecem mais desarmonias. Por isso é necessário muito estudo para ter discernimento, entendimento e conhecimento, como também buscar o autoconhecimento e se dispor para receber e acatar revelações da Espiritualidade. Interessante, pois aqui para defender o fim do celibato se usa do Evangelho e na hora do divórcio o esquece (“Havia ali uma nova exortação ao celibato, desprovida de qualquer relação com o Evangelho, e também por invocação do mesmo Evangelho, a defesa de uma lei que reprimia a liberdade”. Pág. 176). Hans Küng. É preciso conhecimento, entendimento e compreensão para conquistar a sabedoria. Todo sábio é também humilde, mas deverá sempre defender a Verdade. Para mim, fazer uma comparação da ICAR com o Kremlin é sim uma demonstração de uma imensa incapacidade analítica e sintética para discernir e compreender a Verdade. E o Hans Küng está fazendo isso! (“Seria possível suceder com o Vaticano e com a Igreja Católica algo semelhante ao que se verificou com o Kremlin e com o Partido comunista da União soviética? Não faz muito tempo ouvi essa pergunta na Itália, de um católico perspicaz, observador dos acontecimentos de nosso tempo”. Pág. 225). Cuidado com o assunto da “moral” (moral vem de “mores” = costume). A “moral” muda, os costumes mudam, mas nem tudo muda para ser o melhor e o mais puro. A doutrina sobre pecado original foi fruto de uma forma não correta de interpretação sobre o que o São Paulo escreveu correlacionando os sacrifícios do AT com o de Jesus, que recebeu plena aprovação do Santo Agostinho, pois os pecados não eram resultados de erros dele, mas do primeiro casal Adão e Eva. Santo Agostinho não soube compreender a visão de Paulo sobre a desobediência de Adão e Eva e a salvação por intermédio do sacrifício de Jesus (Rm 5, 12 a 21) e por isso apoio a doutrina do pecado original. Agostinho foi sim um devasso até se converter ao cristianismo (catolicismo), e, como não assumiu os próprios erros da juventude e mocidade, então jogou a culpa no pobre e até ignorante casal Adão e Eva. Agostinho, que desencarnou em 430, nasceu em 354 e foi batizado em 387, então com 33 anos. Ele foi bastante mundano, devasso mesmo, antes da conversão e, ao invés de reconhecer os próprios erros com relação ao sexo jogou a culpa em Adão e no pecado original. Ele então passou a defender o sexo só para a reprodução. Foi nesse homem que o papa Paulo VI se inspirou em 1968 para condenar a pílula. Que absurdo! Ver pág. 146 de “Em Plena Liberdade”. (26/09/2012). (“o papa Paulo VI publicou a sua encíclica Humanae Vitae, que, seguindo a orientação instaurada pelo mestre da Igreja Agostinho, vinculava a sexualidade apenas à reprodução”. Pág. 144). Escrito na página 146 do livro “Em Plena Liberdade” (19), do Frei Bernardino Leers: Que absurdo ler isso aqui: “Confrontando com o problema da regulação da natalidade e seus métodos, teólogo há de seguir o exemplo da Igreja, mãe e Mestra, e aceitar sua responsabilidade de pregar a cruz aos fiéis, e de aliviar essa cruz, onde for possível, perante Deus, o Pai de misericórdia” (Pág. 146). Por este texto fica claro que o teólogo ainda desconhece completamente quem é Deus, que é perfeito, bom, sábio, humilde e respeita a liberdade de todos, mas está sempre na direção de todo o processo evolutivo cósmico e também do Planeta. De tempos em tempos o Espírito de Deus intervém diretamente no mundo corporal, mas sempre espera que o profeta já esteja preparado para o específico momento planetário e ou cósmico. Sobre a pílula ou qualquer outro método para evitar a gravidez, que seja utilizado pelos cônjuges, digo que quem deve tomar a iniciativa são eles mesmos. Está escrito em João 3,11: “Em verdade, em verdade, te digo: falamos do que sabemos e damos testemunho do que vimos, porém não aceiteis o nosso testemunho”. Então os teólogos, que são obrigados a serem celibatários nada sabem de verdade sobre a vida conjugal, sobre o amor sexual entre os cônjuges e sobre as dificuldades vividas pelos cônjuges, seja por um cônjuge ou pelos dois. Falar sobre problemas da vida a dois por quem não vive o problema é muito fácil, como também é fácil falar dos problemas, que outros estão vivendo, mas só se pode dar bons conselhos e eficientes orientações quando já se viveu os mesmos problemas ou as mesmas dificuldades. Além dos problemas na vida entre os cônjuges, pois um deve amar e compreender bem o outro, que deve ser plenamente respeitado, existe o relacionamento com e entre os filhos. Eu fui educado a não evitar filhos pelos métodos anticoncepcionais e que só continência era aceita sem ser pecaminosa. No dia do meu casamento (18/07/1970), que foi em Governador Valadares e num sábado. Eu saí de Belo Horizonte à noite, juntamente com os meus irmãos Geraldo e frei Basílio. Chegamos pelas 6,00 da manhã a Governador Valadares. Quando encontrei a minha noiva, ela me revelou, em segredo: “Estou tomando pílula!”. Levei um susto secreto e nada comentei, apenas falei: OK. Logo em seguida veio um belo pensamento à minha mente: “Deus só quer o bem de todos e que os cônjuges convivam com muito amor, então aceita, com tranquilidade e amor, a decisão de sua noiva”. Aceitei, entendi e fiquei feliz. Com ela tive a minha primeira relação sexual. Casei virgem e a primeira experiência sexual com amor, fidelidade e liberdade é algo indescritível de bom e de prazer. O teólogo católico não tem conhecimento do relacionamento conjugal amoroso e perfeito e nem dos dramas vividos pelos pais familiares. Tive outro grave problema familiar, pois minha esposa não combinava com a nossa 2ª filha e foi por causa deste drama que aceitei a verdade da reencarnação no dia 05/01/1980, após ouvir uma explicação lógica e racional do meu irmão Antonino, que já era reencarnacionista, mas houve também uma intervenção espiritual à noite no meu lar. A explicação do Antonino foi bem à frente da Igreja de Santa Teresa, quando paramos na Praça Duque de Caxias, antes de chegarmos ao meu lar na Rua Tenente Vitorino, 146. Foi nesta mesma Igreja, que recebi a revelação em Agosto de 1982, durante a celebração de uma missa dominical, da minha vida passada na época de Jesus... (20/09/2012). É preciso ter muita liberdade, mas cuidado com a libertinagem e irresponsabilidade. Neste versículo já vejo é a condenação de ter mais de uma mulher e não como está expondo o Hans Küng. (“Segundo a Primeira Epístola a Timóteo, “o epíscopo seja irrepreensível, esposo de uma única (não de nenhuma!) mulher” (3,2)”. Pág. 260/1). A minha resposta é que a vida humana não é um sistema padronizado, mas já é sim um inocente ser vivo, então pode ou não existir a alma ou o espírito. (“A pergunta crucial é: o homem individual, como pessoa provida de alma, existe já a partir da fusão químico-biológica de células de óvulo e espermatozoide (ou seja, na nidação), ou passa a existir apenas em um momento posterior, que talvez não possa se matematicamente determinado?”). Cuidado com estes raciocínios! Semente carvalho são coisas materiais ou é um processo normal da vida na mãe natureza. Embrião, óvulo, espermatozoide, feto e corpo humano também são coisas da vida na mãe natureza. Agora em cada SER vivo existe sim um Espírito encarnado em evolução. Todo Espírito é criado simples e ignorante e em sua caminhada evolutiva ele passa pelo reino mineral, vegetal, animal, hominal e até angelical, que é um novo reino que está surgindo no Planeta Terra, que está sendo transformado em Céu. Todo óvulo fertilizado no corpo de uma mulher ou num laboratório irá sim receber um Espírito, que está em sua caminhada evolutiva. E, como semelhante atrai semelhante, então em laboratórios, os óvulos fertilizados recebem espíritos de cientistas, que podem ou não ficarem naqueles estados embrionários por um longo período... Tudo irá depender do processo específico da evolução do Espírito, que teve de iniciar a encarnação naquele óvulo, que se tornou um embrião e que talvez seja eliminado no estado de embrião. A ciência materialista nunca irá conseguir provar isso. Essa comprovação irá sim ser conseguida quando a Ciência for também espiritualizada. (“Fica a pergunta: desde quando a teologia católica conhece uma concentração forçada como o ponto inicial da vida humana”. Pág. 274). O dogma da imaculada concepção de Maria está correto, pois muitos espíritos (re)encarnam sem nenhum carma ou pecado. Essa é a grande verdade. Muitos espíritos reencarnaram sem nenhum carma (e então também sem o sofisma do pecado original) em toda a história da humanidade. Cito como exemplos conhecidos: José do Egito, Isaías, Daniel, Maria de Nazaré, Jesus, Francisco de Assis, Clara de Assis, Irmã Dulce da Bahia, Madre Teresa de Calcutá, Francisco Cândido Xavier e muitos outros. (“Não existe a menor duvida de que para o elaborarão de tão refinada teoria a discussão sobre o dogma da “imaculada concepção de Maria”, de 1854, sob Pio IX, teria desempenhado um papel decisivo”. Pág. 274). No início de 1980 risquei o nome romano da minha religião e depois comecei a pensar na inversão do nome de Roma, que dá AMOR. Inicialmente foi uma pura coincidência, mas depois comecei a inverter alguns ensinamentos bíblicos e católicos, quando comecei a descobrir grandes verdades guardadas secretamente. Cito aqui o caso da Torre de Babel (Gn 11,1 a 9): separação e divisão, inversão dá UNIÃO; procissão de ramos, invertida dá SOMAR. E assim o labirinto da história da vida foi sendo compreendido e esclarecido para mim. É lógico, que fui tendo o auxílio e orientação de muitos espíritos, inclusive do Espírito de Deus (“Em razão de sua socialização e “curialização” religiosas, trata-se de personalidades que já não são capazes de reconhecer o quanto a Igreja se encontra enferma no seio do próprio sistema romano”. Pág. 277). O que realmente é essa Cúria, que não abre não de nada? Acabei de ler este livro. Como conclusão final eu digo: Ainda falta ao Hans Küng uma importante coisa: A VERDADE. Ele e qualquer um que quiser partir em busca da VERDADE deve sim entender-se bem, viver bem, conviver bem com todos. Depois de ter lido este livro e pensar a respeito de tudo o que vivi até 1980 e após Janeiro de 1980, digo que realmente a Espiritualidade dirige tudo. Todos os passos dos seres humanos são controlados, analisados ou até mesmo seguidos por espíritos. Os espíritos também estão caminhando em busca do entendimento, da sabedoria, da Verdade e da Perfeição Total. No caso do Planeta Terra existe a Espiritualidade ligada ao Planeta Terra e esta Espiritualidade é em sua maioria ainda bem atrasada no aspecto do AMOR VERDADEIRO e da VERDADE ABSOLUTA. E assim cada egrégora possui um objetivo comum e também cada espírito ainda possui objetivos individuais e bem secretos. Quando um espírito, antes de reencarnar, toma uma decisão muito importante, que envolverá a todos, para ser realizada no plano físico, ele então reencarna com a proteção e orientação do Espírito líder do Planeta. E quando chega a hora certa o Espírito líder do Planeta entrega a proteção, direção e orientação ao próprio Espírito de Deus. E assim pode-se dizer que quando um Espírito fala, utilizando-se dum médium: “Pai, em vossas mãos entrego o meu Espírito”, ele está entregando ao Pai o comando do processo. Foi isso que aconteceu comigo no dia 11/01/1980, quando Jesus, utilizando-se da minha mediunidade, falou, logo após eu ter entrado para o meu quarto ali pelas 20,00 horas, após ter posto a Bíblia no chão e deitado de braços com a testa sobre a Bíblia. Entrei para o quarto orientado fisicamente pelo meu irmão Antonino, quando ele veio com uma Bíblia na mão e me disse: “Rosário, como você gosta de ler a Bíblia, então entra para o seu quarto e ora em segredo a Deus”. (Mt 6,6).

3ª carta para o padre João Batista Libânio.

Belo Horizonte, 21 de Julho de 1993. Padre João Batista Libânio, que paz e o amor de Deus-Pai-Mãe o envolvam e que a luz de Jesus possa guiá-lo pelo caminho que conduz à perfeição. Vamos pedir a Deus, que é a fonte suprema de sabedoria e vida, força e coragem para podermos “pensar no já pensado”, encontrando assim a verdade, que liberta, para termos vida e vida em plenitude. Padre Libânio, nós temos em comum a missão de trabalharmos na construção do “Reino de Deus”, um reino de amor, caridade, sabedoria, humildade, servir e perfeição. Para cumprirmos bem esta missão temos que encontrar a verdadeira Verdade e divulgá-la com todas as nossas forças. Hoje gosto de falar assim: “Apaga tudo o que aprendeste sobre a Bíblia Sagrada, mas não a jogue fora, guarde-a muito bem mesmo, pois a Bíblia Sagrada é uma fonte inesgotável de ensinamentos e sabedoria”. Você, Padre Libânio, poderá compreender melhor esta frase lendo e entendendo bem a minha 2ª carta. O que expus nela fiquei sabendo em 1984, só que não encontrava um bom amigo cristão para poder contar, dialogar livremente e aprofundar sobre a tese tratada. Quero agradecer-lhe a sua resposta de 10/04/93 à minha carta de 01/01/93. Sobre a tese tratada tudo ficou em suspenso, o Senhor continuou referindo-se só à tese da 1ª carta, que é: “DEUS NÃO PERDOA NUNCA”. Quando o Senhor se refere ao “aspecto do coração de Deus, que sempre está disposto a acolher-nos sempre que nós nos tenhamos afastado dEle, tenhamos rejeitado-O”, isso encaixa direitinho em minha tese e mostra que Deus não se ofende. Já que Deus não se ofende Ele nada tem que perdoar. O perdão deve existir sim, mas entre aquele que se sentiu ofendido para com o causador da ofensa. O beneficiado é quem perdoa e não aquele que recebe o perdão para com as leis evolutivas. Sou um fã do “Evangelho Joanino”, para mim “O Quarto Evangelho Bíblico” é uma obra ímpar da humanidade. Esta carta será escrita em torno do Evangelho Segundo São João. Todos os trechos citados são retirados da “Bíblia de Jerusalém”, edições Paulinas; como segue: “Veio para o que era seu e os seus não o receberam” (Jo 1,11). Jesus não foi recebido e nem compreendido pelos contemporâneos dele e ainda hoje, no apagar das luzes do século XX, podemos dizer que a mensagem de vida, amor e libertação de Jesus ainda não foi compreendida e nem vivida por quase toda a cristandade, pois “o Deus de muitíssimos cristãos não é cristão, mas é um Deus anticristão”. - “Tenho ainda muito que vos dizer, mas não podeis agora suportar. Quando vier o Espírito da Verdade, ele vos conduzirá à verdade plena..” (Jo 16,12 e 13a). “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo 8,32). “És mestre de Israel e ignoras essas coisas? Em verdade, em verdade, te digo: falamos do que sabemos e damos testemunho do que vimos” (Jo 3,10 e 11). Por estas passagens fica muito claro que Jesus não nos ensinou tudo e que nós temos que ter muita força e coragem para “pensar no já pensado” para realmente encontrarmos a “verdadeira verdade”. Só quem encontra a verdade é que se vive plenamente e pode dar testemunho da própria verdade, pois só se pode doar aquilo que tem e só pode ensinar aquilo que sabe. - “Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil, devo conduzi-las também; elas ouvirão a minha voz, então haverá um só rebanho, um só pastor” (Jo 10,16). Vemos aqui muito claramente a necessidade da união de todos, das diversas religiões para que exista um só rebanho e um só pastor. Só quando todos viverem realmente como irmãos e com muito amor, poderemos ver e viver no “Reino de Deus”, como pedimos no Pai-Nosso: “....venha a nós o vosso Reino....” Nunca será possível a verdadeira união enquanto “uns disserem que os outros estão errados ou são hereges só porque pensam e acreditam de uma forma diferente da nossa”. - “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10,10b). “O espírito é que vivifica, a carne para nada serve. As palavras que vos disse são espírito e vida (Jo 6,63). “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8,12). “Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo” (Jo 9,5). Para ter vida em plenitude não é admissível nenhum sofrimento, nenhuma fome, injustiça e prisão. Quem caminha na “luz” não pode ter nenhuma dúvida. Por que, mesmo após 2 milênios, existe tanta injustiça, fome, traições, infidelidade, explorações, tanto sofrimento, roubos, ódios e adultérios (infidelidades nos casamentos) entre os seres humanos? Para ter vida em abundância e liberdade, caminhar na luz e encontrar realmente a verdade, que liberta, temos que ter liberdade até de pensamento e “qualquer dogma tira-nos a liberdade de pensar”. Dogma é uma lei ou forma que impõe a vontade ou o conhecimento de quem sabe menos, mas manda e é orgulhoso, vaidoso e tem uma capacidade inferior de raciocínio. - “Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns aos outros. Como eu vos amei, amai-vos também uns aos outros” (Jo 13,34). “Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros como eu vos amei. Vós sois meus amigos, se praticais o que vos mando” (Jo 15,12 e 14). “Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que seu senhor faz; mas eu vos chamo de amigos, porque tudo o que ouvi de meu Pai eu vos dei a conhecer. Isto vos mando: amai-vos uns aos outros (Jo 15,15 e 17). “Falei abertamente ao mundo. Sempre ensinei na sinagoga e no Templo, onde se reúnem todos os judeus, nada falei às escondidas” (Jo 18,20). “...Porque sei de onde venho e para onde vou” (Jo 8,14b). “Disse-lhe Jesus: “Sou eu, que falo contigo” (Jo 4,26). “Diz-lhe Jesus: “Maria”. Voltando-se, ela lhe diz em hebraico: “Rabbuni”, que quer dizer “Mestre”” (Jo 20,16). “Se não credes quando vos falo das coisas da terra, como ireis crer quando vos falar das coisas do céu? (Jo 3,12). “Se, portanto, eu, o Mestre e o Senhor, vos lavei os pés, também deveis lavar-vos os pés uns aos outros. Dei-vos o exemplo para que, como eu vos fiz, também vós o façais” (Jo 13,14 e 15). Jesus não nos impôs nenhum dogma, que tirasse a nossa liberdade..... até de pensar. Jesus nos deu o mandamento do amor e sua única ordem foi: “Isto vos mando: amai-vos uns aos outros” (Jo 15,17). Jesus sabia quem ele era, de onde tinha vindo, para onde iria e “se revelou” para duas mulheres: à samaritana e à Maria Madalena. Por que as mulheres não excluídas de um dos sacramentos da Igreja Católica, Apostólica, Romana? Jesus nos ensinou abertamente e nos chamou de amigos. Muitos, que se intitularam ou intitulam de cristãos, de discípulos de Jesus e ou de “infalíveis” parecem não conhecer e nem entender os próprios ensinamentos de Jesus, como os expostos aqui. Jesus nos ensinou o mais claro possível e isso estou tentando fazer também! - “Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se não fosse assim, eu vos teria dito, pois vou preparar-vos um lugar, e quando eu me for e vos tiver preparado um lugar, virei novamente e vos levarei comigo, a fim de que, onde eu estiver, estejais vós também” (Jo 14,2 e 3). Se Jesus foi preparar um lugar é porque este lugar ainda não estava preparado. Jesus também sabia para onde iria (Jo 8,14b) e o que deveria fazer, assim também agem todos aqueles que conhecem realmente a verdade. - “Ele, porém, lhes disse: “Tenho para comer um alimento que não conheceis”. Meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou e consumar a sua obra” (Jo 4,32 e 34). “Meu Pai trabalha até agora e eu também trabalho” (Jo 5,17). Só quem realmente conhece e entende a verdade poderá viver e compreender os ensinamentos de Jesus descritos acima. Aquele que sabe e conhece a verdade não precisa ter fé, pois ele construiu a sua casa sobre a rocha, tem o conhecimento e a sabedoria em si mesmo, sabe quem realmente é e o que tem que fazer. - “Se Deus fosse vosso pai, vós me amaríeis, porque saí de Deus e dele venho. Vós sois do diabo, vosso pai, e quereis realizar os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio e não permaneceu na verdade, porque é mentiroso e pai da mentira” (Jo 8,42a e 44). “Por isso não ouvis: porque não sois de Deus” (Jo 8,47b). “Todos os que vieram antes de mim, são ladrões e assaltantes, mas as ovelhas não os ouviram” (Jo 10,8). Nos trechos aqui citados Jesus conversava com judeus, fariseus (=judeus) e disse-lhes que eles eram do diabo, um homicida, mentiroso e pai da mentira (os judeus têm como Deus a Iahweh. Vide a minha 2ª carta). Todos os que vieram antes de Jesus foram ladrões e assaltantes, então não foram enviados ou intuídos pelo “Deus-Pai-Amor”. Nestes trechos vemos também uma outra referência sobre a tese defendida na segunda carta, que lhe enviei. - “Eu e o Pai somos um. Mas se as faço, mesmo que não acrediteis em mim, crede nas obras, a fim de conhecerdes e conhecerdes sempre mais que o Pai está em mim e eu no Pai” (Jo 10,30 e 38). “Quem crê em mim, não é em mim que crê, mas em quem em enviou, e quem me vê, vê aquele que me enviou” (Jo 12,44 e 45). “Em verdade, em verdade, vos digo: quem recebe aquele que eu enviar, a mim recebe e quem me recebe, recebe aquele que me enviou” (Jo 13,20). “Quem me vê, vê o Pai. Como podes dizer: “Mostra-nos o Pai?” Crede-me: eu estou no Pai e o Pai em mim. Crede-o, ao menos, por causa dessas obras. Nesse dia compreendereis que estou em meu Pai e vós em mim e eu em vós” (Jo 14,9b,11 e 20). “Quem tem meus mandamentos e os observa é que me ama; e quem me ama será amado por meu Pai. Eu o amarei e me manifestarei a ele. Se alguém me ama, guardará minha palavra e o meu Pai o amará e a ele viremos e nele estabeleceremos morada” (Jo 14,21 e 23). “A fim de que todos sejam um. Como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, que eles estejam em nós. A fim de que o amor com que me amaste esteja neles e eu neles” (Jo 17,21 e 26b). “Pai Santo, guarda-os em teu nome que me deste, para que seja um como nós” (Jo 17,11b). Nestes trechos joaninos, para leigos, parece existir um conceito monista (= a criação é Deus) ou mesmo panteísta (= tudo é Deus), mas o que vejo aqui é a perfeita “união e sintonia dos perfeitos”. Pode-se compreender aqui também uma explicação do “Mistério da Santíssima Trindade”: Deus-Pai, Deus-Filho e Deus-Espírito-Santo = um só Deus. O Pai é o primeiro criador, aquele que é Incriado. Jesus era o Filho, enquanto estava aqui entre nós, após a ressurreição, Jesus passou a ser “Espírito Santo” e hoje (depois) o Filho somos nós (e se somos éramos), os filhos de Deus vivendo em corpos de carne e osso, buscando a própria salvação. O Espírito Santo é a união de todos os “espíritos ou almas criados”, já libertos da matéria densa; isto é: que tiveram início. Jesus e o Pai eram um, como também seremos um com Jesus e o Pai. Esta idéia da perfeita união e sintonia entre os perfeitos ficou confusa nos ensinamentos evolutivos de Teilhard de Chardin, quando defendeu que espiritualmente tudo tende para a “unidade”. Também sou evolucionista, mas para mim cada um se evoluirá para a perfeição, continuando sendo uma perfeita individualidade e não se submergindo (sumindo-se) em uma “unidade única”. A maior prova da evolução é esta: “Portanto, deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48). - “...Porque vou para o Pai. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu” (Jo 14,12c e 28). “Saí do Pai e vim ao mundo; de novo deixo o mundo e vou para o Pai” (Jo 16,28). “Que me enviou”, essa frase é repetida 20 vezes no Evangelho Joanino. “Quem me enviou” (Jo 7,29; 8,29; 12,44 e 15,21). “...Me enviaste”, Jesus repete essa 6 vezes em João. “Aquele que enviaste” (Jo 17,3). “Que Deus enviou” (Jo 3,34). “O Pai que o enviou” (Jo 5,23). “O Pai me enviou” (Jo 5,36 e 20,21). “...Que ele enviou” (Jo5,38 e 6,29). “Quem o enviou” (Jo 7,18 e 13,16). Nesses trechos pode-se ver claramente que Jesus foi um enviado do Pai e que o Pai é maior do que ele. O verbo “enviou” aparece 35 vezes e “enviaste” 7 vezes no Evangelho Segundo São João. Se Jesus vai para o Pai e saiu do Pai, é porque não existe a unidade, como muitos querem (e quiseram) nos ensinar. O que veio complicar a compreensão da verdade foi o orgulho e a vaidade de muitos, que quiseram ou querem se apresentar como mais sábios do que o próprio Mestre Jesus, como também aqueles, que se intitularam de “infalíveis”, e nos impuseram “dogmas inexplicáveis e ininteligíveis”, que nos puseram até medo de “pensar para compreendermos e entendermos claramente a pura VERDADE... E isso durante vinte séculos”. Só poderá entender tudo isso, que tento aqui expor, aqueles que conseguiram viver finitamente no infinito ou “aqueles” que conseguiram tornar possível o impossível. Os ensinamentos contidos neste Evangelho fazem parte integral da minha vida e do meu ser. É uma fonte de energia e de água viva, que satisfaz a minha sede de conhecer mais a beleza dos ensinamentos libertadores de Jesus e que me dá coragem de ir sempre adiante e nunca esmorecer. Isso tudo só se tornou possível quando tive coragem de “pensar no já pensado” e quando descobri “quem eu realmente sou”. Hoje sou monoteísta, defendo o dualismo, mas sou unitarista conforme a Teologia da Libertação; sou evolucionista e defendo também a “criação eterna!”, pois Deus sempre foi, é e será um criador. Que “Deus” nos ilumine... Rosário Américo de Resende.

2ª carta para o padre João Batista Libânio.

Belo Horizonte, 01 de Janeiro de 1993. Caro amigo e companheiro em Cristo Jesus, nosso Mestre. Padre João Batista Libânio, a busca da Verdade libertadora e sua divulgação é uma responsabilidade de todos nós: os filhos(as) de Deus. Quem encontra a Verdade torna-se livre, compreensível, humilde e está repleto de amor, paz, bondade e sabedoria: é um mestre pronto a ajudar a todos e a ensinar a todos aqueles que querem aprender consciente e livremente. Fiquei muito contente mesmo em receber sua resposta, mesmo que não tenha exposto suas opiniões sobre minhas colocações, mas a sua atenção muito me confortou. Quero deixar claro que dentro da minha tese: “Deus Não Perdoa Nunca”, a qual defendi em minha carta anterior, não existe “pecado” (= ofensa contra Deus) e por isso não existe também a possibilidade de “ruptura de nossa relação com Deus”. Também quero dizer que quando o “doador se ofende com a rejeição de um presente”, isso só é possível quando o doador não é perfeito e estamos ainda com plena visão humana e bem imperfeita. Padre Libânio, você me entendeu quando expus que aprendemos falsos conceitos e pseudas idéias sobre Deus (“o lado frágil e errado da afirmação”), mas quando você defendeu “um lado verdadeiro”, ainda continuou dentro de conceitos humanos bem imperfeitos, tentando aplicá-los a “Deus-Pai-Mãe”. Para mim não existe o pecado contra Deus, como me foi ensinado e o “perfeito doador” nunca se ofende com qualquer rejeição de presentes. Realmente sabemos mais o que Deus não é do que o que Ele é. Existe sim muita ofensa e muita ruptura entre nós: os filhos(as) de Deus. Vou agora expor outra tese minha, que é uma bomba, que é: “O TENTADOR DE JESUS É O MESMO ESPÍRITO, QUE MOISÉS CONSIDEROU COMO DEUS: IAHWEH”. Essa grande diferença: Deus e Satanás (Lúcifer), foi por causa da própria perfeição de Jesus comparada com a imperfeição do profeta Moisés. Moisés foi um assassino (Ex 2,12) antes de receber a revelação de sua missão. Defendendo essa tese cito os seguintes trechos bíblicos (todos os trechos bíblicos são da Bíblia de Jerusalém, Edições Paulinas) e faço também os seguintes comentários: 1 - As tentações de Jesus: 1.1 - “Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães” (Mt 4,3). Para quem tem fome, é muito lógico mesmo este milagre: “transformar pedras em pães”. Jesus fez duas multiplicações de pães e de peixes (Mt 14,13 a 21; 15,32 a 39) para alimentar aqueles que o seguiam para ouvi-lo. Jesus transformou água em vinho (Jo 2,1 a 12) a um pedido de sua mãe para resolver um problema dum noivo. Finalmente, a pedido de Jesus, foram feitas duas pescas maravilhosas (Lc 5,1 a 7 e Jo 21,1 a 14). 1.2 - “Se és Filho de Deus, atira-te para baixo, porque está escrito: “Ele dará ordem a seus anjos a teu respeito, e eles te tomarão pelas mãos, para que não tropeces em nenhuma pedra”” (Mt 4,6). Vê-se que o “tentador” conhece a Bíblia e não teme em citá-la. Temos aqui uma tentação contra as leis da natureza. Jesus agiu contra as leis da natureza quando acalmou uma tempestade (Mt 8,26 e seguintes). Vê-se também que as forças da natureza recebem ordens e obedecem. 1.3 - “Tudo isto te darei, se, prostrado, me adorares” (Mt 4,9). Cada um tem o “Deus” que deseja e que escolhe. Não estou analisando aqui agora as respostas de Jesus, que não aceitou nenhum tipo de imposição para com ele (Jesus). Jesus não abriu mão de sua liberdade de agir, decidir, raciocinar e orar. Quem nos “obriga” a qualquer coisa não é perfeito, pois tira a nossa liberdade, o nosso livre-arbítrio e a nossa vontade. Nas duas primeiras tentações o tentador faz alusão ao “Filho de Deus” e hoje sabemos que todos nós somos “filhos de Deus”. Em outro trecho do Evangelho (Mt 26,63 e 64) Jesus respondeu ao Sumo Sacerdote Caifás que ele era “o Cristo, o Filho de Deus” e por isso foi condenado pelo poder religioso, unido ao poder civil, à morte e morte de cruz. Houve um julgamento injusto, falso e cheio de traições antes, durante e depois. 2 - O Deus de Moisés: IAHWEH (JEOVÁ). Fazendo uma comparação com a 1ª tentação, onde Jesus não aceitou a imposição do “Tentador”, mesmo tendo feito depois os milagres das Bodas de Caná, multiplicações de pães e de peixes, pescas maravilhosas por iniciativa própria e a pedido de sua mãe, Maria de Nazaré, temos por outro lado passagens onde Moisés aceitou estas imposições ou auxílios de Iahweh, como: 2.1.a - “Iahweh disse a Moisés: “Passa adiante do povo e toma contigo alguns dos anciãos de Israel; leva contigo, na mão, a vara com que feriste o Rio, e vai. Eis que estarei diante de ti, sobre a rocha (em Horeb); ferirás a rocha, dela sairá água e o povo beberá”. Moisés assim fez na presença dos anciãos de Israel” (Ex 17,5 e 6). Em Números 20,2 a 11, temos outra narração do mesmo assunto. Veja ainda que Iahweh condenou a (vingou de) Moisés, por este ter batido a vara por duas vezes e não uma, por não ter obedecido cegamente a Iahweh: quem vinga (ou condena) não é plenamente perfeito, sábio e puro. 2.1.b - “Iahweh falou a Moisés, dizendo: “Eu ouvi as murmurações dos filhos de Israel; dize-lhes: Ao crepúsculo comereis carne, e pela manhã vos fartareis de pão; e sabereis que eu sou Iahweh vosso Deus” (Ex 16,11 e 12). E assim foi feito e realizado. 2.1.c - “Os filhos de Israel comeram maná durante quarenta anos, até chegarem à terra habitada; comeram maná até chegarem aos confins do País de Canaã” (Ex 16,35). Outra prova que Moisés aceitou o pão de Iahweh. Com relação à 2ª tentação de Jesus: um ato que seria milagroso (anormal, paranormal ou sobrenatural) e contra as leis da natureza, que só serviria para Jesus confiar no “Tentador”, temos várias passagens onde Moisés obedeceu e até cumpriu cegamente as ordens de Iahweh, como: 2.2.a - “Então lhe disse (Iahweh): “Lança-a na terra”. Ele a lançou na terra, e ela se transformou em cobra, e Moisés fugiu dela” (Ex 4,3). 2.2.b - “Iahweh disse-lhe ainda: “Põe a mão no peito”. Ele pôs a mão no peito e, tirando-a, eis que a mão estava leprosa, branca como a neve. Iahweh lhe disse: “Torna a pôr a mão no peito”. Ele colocou novamente a mão no peito e retirou, e eis que havia se tornado como o restante de sua carne” (Ex 4,6 e 7). 2.2.c - “Se não acreditarem nesses dois sinais, nem ouvirem a tua voz, tomarás da água do Rio e a derramarás na terra seca; e a água que tomares do Rio se transformará em sangue sobre a terra seca” (Ex 4,9). 2.2.d - As pragas contra o Egito narradas em Êxodo 7 a 10. Nestas 9 pragas, que foram feitas contra o Egito, existiram muitos atos contra as leis da natureza ou mesmo fenômenos considerados anormais ou paranormais para os dias de hoje. 2.2.e - Na 10ª praga (Ex 12,29 a 34) que foi a morte dos primogênitos houve até uma ação considerada hoje como de “magia negra”, um caso criminoso e de polícia. 2.2.f - “E Iahweh ia adiante deles, de dia numa coluna de nuvem, para lhes mostrar o caminho, e de noite numa coluna de fogo, para os alumiar, a fim de que caminhassem de dia e de noite” (Ex 3,21). 2.2.g “Iahweh disse a Moisés: “Por que clamas por mim? Dize aos filhos de Israel que marchem. E tu, levanta a tua vara, estende a mão sobre o mar e divide-o para que os filhos de Israel caminhem em seco pelo meio do mar” (Ex 14,15 e 16). 2.2.h - “E aconteceu que, acabando de pronunciar todas essas palavras, o solo se fendeu sob os seus pés, a terra abriu a sua boca e os engoliu, eles e suas famílias, bem como todos os homens de Coré e todos os seus bens” (Num 16,31 e 32). Existem ainda muitas outras passagens além destas citadas. Finalmente com relação à 3ª tentação de Jesus, onde se oferece a ele todos os reinos da terra em troca da obediência cega e da adoração absoluta, temos várias passagens onde Iahweh exige obediência cega e adoração absoluta, e em troca Iahweh promete e dá a Moisés os “reinos da terra”, como: 2.3.a - Todos os oito trechos referidos nos itens 2.2.a a 2.2.h foram acontecimentos para dar força, confiança e fé no poder de Iahweh, que também tinham como objetivo a “conquista dos reinos da terra”. 2.3.b - “Por isso desci a fim de libertá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra a uma terra boa e vasta, terra que mana leite e mel, o lugar dos cananeus, dos heteus, dos amorreus, dos ferezeus, dos haveus e dos jebuseus” (Ex 3,8). Em Êxodo 3,16 a 20, vemos as instruções dadas por Iahweh ensinando como Moisés deveria agir para obter o sucesso na conquista dos “reinos da terra”. 2.3.c - “Moisés e Arão foram a Faraó, e fizeram como Iahweh ordenara. Lançou Arão a sua vara diante de Faraó e diante de seus servos e ela se transformou em cobra. Faraó, porém, convocou os sábios e os encantadores de cobras. Ora, também, eles, os magos do Egito, com suas ciências ocultas, fizeram o mesmo. Pois lançou cada um a sua vara, e elas se tornaram cobras. Mas a vara de Arão devorou as varas deles. Contudo, o coração de faraó se endureceu e não os ouviu, como Iahweh havia predito” (Ex 7,10 a 13). Neste trecho vê-se claro que Iahweh ensinou “ciências ocultas” a Moisés e Arão, e na base de luta, com poder e força, venceu o conhecimento dos sábios do Egito, com o objetivo de dar “os reinos da terra a Moisés”. Tudo isso, que está relatado, hoje é considerado como atos de “magia negra”. 2.3.d - “Iahweh disse a Moisés: “Estende a mão sobre o mar, para que as águas se voltem contra os egípcios, sobre os seus carros e sobre os seus cavaleiros”. Moisés estendeu a mão sobre o mar e este, ao romper da manhã, voltou para o seu leito” (Ex 14,26 e 27). Aqui Iahweh deu uma vitória terrena a Moisés, dando-lhe os reinos da terra com a destruição e extermínio do exército do Faraó. 2.3.e - Em Êxodo 17,8 a 16 está descrito o combate e a vitória sobre Amalec com auxílio de Iahweh, isto é uma doação de “reinos da terra”: “Assim as suas mãos ficaram firmes até o por do sol. E Josué pôs em fuga Amalec e seu povo ao fio da espada” (Ex 17,12c e 13). 2.3.f - Em Números 16 pode-se vê o extermínio de todos aqueles que se opunham a Moisés, pois se assim não fosse os poderes de Moisés e Iahweh seriam abalados, era necessária uma obediência cega até pelo medo e terror. “Moisés, ouvindo isso prostrou-se com a face em terra. Depois disse a Coré e a toda a sua comunidade: “Amanhã cedo Iahweh fará conhecer quem é dele e qual é o homem consagrado que permitirá aproximar-se dele. Aquele que ele fizer aproximar-se dele, esse é aquele que ele escolheu” (Num 16,4 e 5). Vide item 2.2.h anterior. 2.3.g - Em Êxodo 32 temos outra passagem em que se mostra a exigência da cega obediência e adoração absoluta a Iahweh: “Ele (Moisés) lhes disse: “Assim fala Iahweh, o Deus de Israel: Cinja, cada um de vós, a espada sobre o lado, passai e tornai a passar pelo acampamento, de porta em porta, e mate, cada qual, a seu irmão, a seu amigo, a seu parente” (Ex 32,27). Foram mortos uns três mil homens e como fica aqui o mandamento: “Não Matarás”? (Ex 20,13 e Dt 5,17). Quando é que se deve obedecer: quando manda matar ou quando deu o mandamento: Não Matarás? 2.3.h - “É a Iahweh teu Deus que temerás. A ele servirás e pelo teu nome jurarás" (Dt 6,13). Vemos aqui a exigência de obediência a ferro e fogo, e desse jeito não é possível haver liberdade e amor. 2.3.i - Em Êxodo 20,1 a 11 e Deuteronômio 5,5 a 15 no Decálogo vemos a exigência da adoração e obediência absoluta: “Não terás outros deuses diante de mim” (Ex 20,3 e Dt 5,7). 2.3.j - “Pois teu Deus Iahweh é um fogo devorador. Ele é um Deus ciumento” (Dt 4,24). Aqui vê-se o comando absoluto pelo ciúme e pelo temor, e onde fica a liberdade, o livre-arbítrio e o amor? 2.3.l - “Andareis em todo o caminho que Iahweh vosso Deus vos ordenou, para que vivais, sendo felizes e prolongando os vosso dias na terra que ides conquistar” (Dt 5,33). Onde fica o respeito aos outros? Uns terão que obedecer e outros serão vencidos por ordem e mando de Iahweh. 2.3.m - “Ouve, ó Israel; Iahweh nosso Deus é o único Iahweh! Portanto, amarás a Iahweh teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua força” (Dt 6,4 e 5). Israel é livre desde que ama e obedece a Iahweh. Não há possibilidade de existir um amor verdadeiro enquanto existir uma obrigação, o medo e o terror. 2.3.n - “Não vos volteis para os ídolos e não mandeis fundir deuses de metal. Eu sou Iahweh vosso Deus” (Lv 19,4). Vemos aqui a exigência de seguir e ouvir exclusivamente a Iahweh e em troca Iahweh irá dar “os reinos da terra”, eliminando todos os adversários com todo o poder. Além destes trechos citados existem muitos outros que mostram a necessidade de obedecer sempre às ordens de Iahweh, caso contrário virá o castigo, a vingança, a cobrança, as derrotas e até o extermínio pela morte física. Um jeito de sempre impor-se pelo medo e terror. O “Tentador de Jesus” tinha conseguido um grande feito através de Moisés: “a libertação do povo israelita da escravidão no Egito. Conduziu o mesmo povo pelo deserto durante 40 anos e auxiliou-o na conquista da Palestina, terra onde mana leite e mel”. Para conseguir aquele feito grandioso era necessário que Moisés o considerasse como o “Deus Absoluto” e o obedecesse cegamente, perdendo o direito dele de raciocinar e a liberdade de agir. Foi exigida de Moisés a execução de muitas e muitas mortes, até de seus compatriotas. O “Tentador de Jesus” queria conseguir um outro grande feito por intermédio de Jesus: “A libertação do povo judeu (os israelitas) do domínio romano, fundando o grande império judeu”, aquilo que todos judeus esperavam, como citam os “Evangelhos” e ainda esperam até hoje. Este desejo incutido no “inconsciente de todo judeu ou no inconsciente coletivo dos judeus” é fruto do espírito Iahweh ou do Tentador de Jesus, que para muitos é o próprio Satanás”. Jesus afastou o “espírito tentador”, considerando-o como Satanás, abrindo o “caminho para sintonizar-se com outro espírito mais evoluído e mais perfeito: Deus-Pai”, porque Jesus era e é muito mais evoluído do que Moisés, que estava atrás dos reinos da terra e queria vingar do outro príncipe egípcio: Ramsés II. Podemos também ver aqui uma evolução até da compreensão de Deus, que deixou de ser o Deus dos Exércitos para ser o “Deus-Pai” e hoje eu já O chamo de “Deus-Pai-Mãe”, que nos criou por amor, nos guia por amor, nos ensina como bom mestre, como pai, mãe e está sempre pronto a nos ajudar a encontrar a Verdade, respeitando o nosso direito ou nossa liberdade até de errar. Deus-Pai-Mãe nos entende, nos compreende, nos conhece, nos respeita e nos ama infinitamente. Deus sempre foi, é e será o mesmo, o que evolui é a nossa capacidade de compreensão e o nosso conhecimento sobre Ele-Ela, pois nós estamos sempre em evolução; isto é: aproximando-nos cada vez mais da meta dada por Jesus: “Portanto, deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48). O “Deus de Moisés” não é o “Deus de Jesus” e disso eu já tenho conhecimento há alguns anos, mas não tenho como divulgar e com essa carta tiro um pouco da responsabilidade e do peso, que está em meus ombros. Padre João Batista Libânio, sei que estou lhe enviando um “bomba teológica”, mas preciso passar para frente aquilo que já sei, pois caso contrário outros o irão fazer, sem realmente entender o que entendo e sem saber o que sei. Sei que não sei tudo, mas sei também que sei um pouco mais do que os outros ou outros e só eu sei daquilo que vivi e das minhas experiências de vida. Só eu sei como “Deus” agiu e age comigo, em mim e por mim. Também agindo como estou agindo, cumpro um pouco da minha obrigação e alivio o peso da responsabilidade, que está sobre os meus ombros. A Verdade deve estar acima de tudo, a VERDADE está com Deus e com aqueles que o próprio Deus escolhe, após critérios que só Deus mesmo sabe e entende. Tudo depende da evolução individual de cada um e da evolução de toda a humanidade. Espero suas análises, seu auxílio e sua compreensão. Paz, amor, sabedoria e liberdade para todos. Só Deus sabe a hora em que o fruto está maduro ou em que o mestre deva aparecer para matar a sede e fome de todos aqueles que têm fome e sede da sabedoria, da Verdade, de “si mesmo” (o reino de Deus está dentro de cada um) e de “Deus-Pai-Mãe”. Que a PAZ reine no ano de 1993. Abraços do irmão e amigo em Jesus... Rosário Américo de Resende.

Três mensagens do Ele: ensinando novas leis planetárias.

1ª - Paz e paz... (7,35 horas de 28/04/2013. Missa das 7,00 horas – I. S. E.). Eu tenho uma lei, que é a lei de Deus para mim, pois o próprio Deus a colocou dentro de mim. Em minha última passagem pela terra procurei sempre agir conforme os bons princípios. Quando eu cometia atos não bons ou conforme os princípios da boa convivência, qualquer menino podia me chamar a atenção, que eu abaixava a minha cabeça, aceitava a repreensão e até pedia desculpas; agora quando eu agia de uma forma correta, então nem o “Rei” me fazia abaixar a cabeça. Os roceiros tinham esse ditado: “Dou um boi para não entrar numa luta, mas também dou uma boiada para vencer a luta”. Rosário, fui eu que lhe falei na madrugada do dia 31/01/1991, quando lhe apresentei o meu rosto a você dentro de um círculo e disse: “O código é desnatadeira!”. Confesso que naquele dia eu não entendia o que realmente eu estava fazendo, mas foi me pedido para fazer aquilo por alguém que sabe mais do que eu. Só comecei a compreender após a sua decodificação do código, pois desnatadeira tem 12 letras e o código era sim o número 12 da sua numerologia. Também fui eu que lhe intui para dar o nome de “Jó” para “Deus”, no ano de 1986 quando tivemos um rápido diálogo, iniciado por mim: “Nós decidimos dar um nome para o Velho!” “Mas Ele vai aceitar isso?” “Ele aceita sim, pois Ele é também humilde. Você já não deu o número “7” para Ele! Eu ficaria muito honrado se eu emprestasse um pedaço do meu nome para ele!” “Ah! Não! Zé é comum demais!” “Por que você não pensou na primeira sílaba? E por coincidência é um grande nome bíblico!” Eu me aproximei de você naquele dia de 1986 na minha mini-individualidade de quando fui o pai físico do homem Jesus de Nazaré. Eu naquele não ainda estava encarnado e passava por uma madorna pela manhã e fui o escolhido para lhe ajudar com relação ao nome de “Jó” para Deus, que você apenas o chamava de “Velho”. Eu estou aqui hoje para lhe dizer o seguinte: “Quem planta boas sementes receberá auxílio para a colheita, mas quem planta espinhos ou plantas venenosas terá que colher tudo sozinho. Todo ser humano que comete aborto será abortado no mesmo número dos abortos, que cometeu no próprio corpo, no caso de mulheres ou em corpos de terceiros, aqui podem ser mulheres ou homens. Todo ser humano que defendeu ou defende a criação de leis abortivas será sempre abortado, quando tentar reencarnar no Planeta Terra, então todos aqueles que trabalharam em prol da criação de leis abortivas não poderão mais reencarnar no Planeta Terra e terão de continuar a caminhada evolutiva em outros Planetas, que estão mil, dois mil, 10 mil ou até bilhões de anos mais atrasados do que o atual estágio evolutivo do Planeta Terra. O aborto é sim um crime vil, covarde e desumano, pois o “feto” está onde está porque sua mãe praticou um ato sexual. O “feto” já é um ser vivo e não tem como se defender do covarde ato abortivo e crime vil”. Existem também os abortos naturais e as causas destes não são de responsabilidade dos pais físicos atuais, mas podem sim ser problemas do passado ou problemas de origens puramente espirituais. Lei é lei e lei é cega. Eu sou conhecido pelo nome de guerra de Ele. Obrigado. Ele. 2ª - Paz e paz... (7,36 horas de 05/05/2013. Missa das 7,00 horas – I. S. E.). Eu tenho uma lei, que é a lei de Deus para mim, pois o próprio Deus a colocou dentro de mim. Na mensagem anterior eu falei sobre a lei do aborto para o Planeta Terra e conforme as leis “Do dente por dente e olho por olho” e da “Ação e Reação”, expus para você, Rosário, a nova lei planetária com relação àqueles, que cometeram abortos no próprio corpo e àqueles, que fizeram abortos em corpos de terceiros. Também expliquei a nova lei planetária com relação àqueles, que defenderam a criação de leis abortivas, como também àqueles que foram os responsáveis pela criação das leis abortivas. Você deve divulgar estas duas mensagens, pois todos necessitam tomar conhecimento destas novas leis planetárias, pois o Planeta Terra já entrou na Era da Regeneração. Nesta mensagem vou falar sobre as novas leis planetárias com relação às uniões homossexuais. No Gênesis está escrito, que foram criados por Deus o homem e a mulher e que Deus lhes orientou para que se multiplicassem e dominassem a Terra (Gn 1,28 e 9,1 e 2). A primeira função da sexualidade dos seres vivos é sim a perpetuação das espécies. Com relação ao ser humano digo que este recebeu uma segunda função para o sexo, que é a do prazer para os casais, que estão cumprindo a primeira função. O prazer tornou-se uma recompensa para aqueles que participam da obrigação de manter a espécie humana na face da Terra. Para que possa existir a reprodução os casamentos terão que serem realizados entre um homem e uma mulher. Os cônjuges viverão sim em plena felicidade conjugal quando eles estiverem baseados na fidelidade e confiança plenas entre eles. Todos os seres humanos, que decidirem pelas uniões homossexuais, estão sim em busca apenas da segunda função do sexo: o prazer, mas eliminaram a possibilidade a realização da primeira função: a reprodução. Então a nova lei planetária é: “Todo aquele que trabalhou em prol da legalização das uniões homossexuais e todos os que decidiram praticar as uniões homossexuais não poderão continuar suas evoluções aqui no Planeta Terra, mas terão que irem para “outras moradas” da Casa do Pai, que estão mil, dez mil, cem mil, um milhão e até bilhões de anos mais atrasadas do que o atual estágio do Planeta Terra”. Lei é lei e lei é cega e deve ser respeitada e cumprida. Obrigado. Ele. 3ª - Paz e paz... (7,45 horas de 12/05/2013. Missa das 7,00 horas – I. S. E.). Eu tenho uma lei, que é a lei de Deus para mim, pois o próprio Deus a colocou dentro de mim. Lei é lei e lei deve ser sim obedecida. Rosário, você ainda não divulgou as duas mensagens, que lhe dei antes desta. Volto a lhe pedir para que faça essa divulgação, pois essa responsabilidade é toda sua. Eu, por enquanto, estou lhe pedindo isso, mas se não fizer a divulgação terei que agir de outra forma, pois a divulgação terá que ser feita. Quero lhe dizer que o início da Era da Regeneração para você foi no dia 05/01/1980 e para a Espiritualidade Superior foi no dia 12/04/1984 e para a Espiritualidade em geral está acontecendo agora. Por isso volto a lhe pedir para divulgar estas três mensagens o mais rápido possível. Nas duas mensagens anteriores eu falei com relação apenas aos encarnados. Esta que é sim a terceira mensagem é a última desta pequena série, é para os desencarnados. Todos os espíritos necessitam tomar conhecimento do que estou lhe comunicando aqui agora. Eu já assumi o controle da evolução da Galáxia da via Láctea desde que desencarnei quase no final dá década de “1980”. Todo espírito, quando reencarna, ele pode sim escolher o seu anjo de guarda e o espírito responsável pelo nível evolutivo no qual está aquele que vai reencarnar pede ao responsável pelo nível superior a indicação de outro espírito que será o seu mentor, pois este deve ser de um nível evolutivo superior àquele que vai reencarnar. No momento da reencarnação o espírito reencarnante acompanhado do seu anjo de guarda e do seu mentor passam por todos os níveis evolutivos inferiores e em cada um destes níveis ele recebe um guarda costa (um protetor) da egrégora, na qual irá reencarnar. Agora vou lhe revelar que as leis que foram reveladas para você nas duas mensagens anteriores agora estão sendo validadas também para toda a escala de guias do espírito encarnado. Cada espírito que pertence à escala de guias (sendo mentor, anjo de guarda e protetores) do encarnado será julgado conforme a sua participação ou omissão nas decisões do espírito encarnado. Agora o espírito que foi escolhido antes pelo próprio encarnado, enquanto estava no plano espiritual, para ser o seu anjo de guarda e o espírito indicado para ser o mentor dele terão o mesmo julgamento do espírito encarnado, pois os dois falharam na missão recebida. As leis planetárias estão sendo aperfeiçoadas para que o bem, o amor e a paz possam reinar no seio da humanidade e para todos os seres vivos, que estão evoluindo no Planeta Terra, que já está na Era da Regeneração. Lei é lei e lei é cega e deve ser respeitada e cumprida. Obrigado. Ele.